Dois abraços e duas assinaturas

| 11 Fev 2019 | Entre Margens, Últimas

A viagem do Papa Francisco a Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos (a primeira, na história da Igreja, de um papa à Península Arábica) foi caracterizada por dois abraços e duas assinaturas. O abraço de paz com o Grande Imã de Al Azhar e, portanto, com o mundo muçulmano sunita, que sela um caminho de encontros do qual sou testemunha com a Comunidade de Sant’Egídio no “Espírito de Assis”. É um abraço que levou à primeira das duas assinaturas, aquela num documento conjunto entre a Igreja Católica e a Universidade de Al-Azhar (o mais importante ponto cultural e religioso do islão sunita) sobre a fraternidade humana pela paz mundial e a convivência comum. Nós declaramo-nos irmãos com todas as implicações positivas que este nome traz em si. Como testemunhas do abraço e da assinatura, estavam os líderes das grandes religiões mundiais e, humildemente, a Comunidade. É a realização do sonho de João Paulo II: as religiões rezam pela paz e umas pelas outras. Não mais uns contra os outros.

Assim, disse o Papa no seu discurso: “Cabe às religiões neste delicado momento histórico, uma tarefa que não se pode adiar mais: contribuir ativamente para desmilitarizar o coração do homem. A corrida aos armamentos, o alargamento das respetivas zonas de influência, as políticas agressivas em detrimento dos outros nunca trarão estabilidade. A guerra nada mais pode criar senão miséria; as armas nada mais trarão, senão morte. A fraternidade humana impõe-nos, a nós representantes das religiões, o dever de banir toda a nuance de aprovação da palavra guerra. Restituamo-la à sua miserável crueza.”.

A segunda assinatura foi colocada pelo Papa, ao lado de Al Tayyb e dos dois governantes dos Emirados, na primeira pedra de uma nova igreja dedicada a São Francisco, um dom dos Emirados para o Papa e os católicos que aqui vivem. É para eles o segundo abraço desta jornada. Milhares e milhares de católicos, migrantes da Ásia e da África, que buscam um futuro nesta terra, também através da ajuda de suas famílias que muitas vezes permanecem nos seus países de origem. Aqui também o Papa abraçou uma periferia humana e existencial, feliz por poder receber a palavra e o abraço de um pai.

O Médio Oriente não é apenas uma terra de emigração de cristãos, mas também de imigração. O sonho é que essas pessoas encontrem aqui, além do acolhimento, uma via de integração. Desses abraços e dessas assinaturas sou testemunha feliz, com toda a Comunidade de Sant’Egídio.

 

(Marco Impagliazzo é presidente da Comunidade de Sant’Egídio; o texto foi publicado no portal Vatican Insider e traduzido por Luisa Rabolini para o portal de notícias do Instituto Humanitas Unisinos)

Breves

O 7MARGENS na Rimas e Tabuadas, em Guimarães

Na Rimas e Tabuadas Livraria-Café, em Guimarães, decorre esta sexta-feira, a partir das 21h30, uma conversa sobre o 7MARGENS. Nela participam três dos elementos dinamizadores do projecto (Manuel Pinto, Eduardo Jorge Madureira e António Marujo), bem como as...

Bispos americanos opõem-se à execução de prisioneiro condenado à morte

Na notícia evocam a carta pastoral da Conferência Episcopal dos Estados Unidos contra o racismo de nome “Abram os corações – A chamada para o amor” que afirma que “o progresso contra o racismo na sociedade não pode obstruir os problemas fundamentais com o sistema de justíça se o mesmo mancha a aplicação das leis.”

Boas notícias

É notícia 

Cultura e artes

A Palavra, de Carl Dreyer: Provas de Vida

“Discute-se muito o milagre final de A Palavra, mas muitas vezes todos os outros que passam precisamente por esta potência da palavra e do gesto são esquecidos como momentos inesperados de mudança.” A crónica de cinema de Sérgio Dias Branco.

Via Sacra na Noite de Natal

Poderosa é Julia Roberts, no papel desta “mãe coragem”. Nunca o amor lhe deu um rosto tão belo. Acreditem. Fala-se do filme “O Ben está de Volta”.

Pessoas

Sete Partidas

Bruno Ganz – um sopro de eternidade e um dia

Caso alguém precise de uma prova de que Deus existe e me tem muito amor, aqui está ela: uma vez convidaram-me para contracenar com Bruno Ganz numa encenação relativamente privada da peça “Coração a Gás”, do dadaísta Tristan Tzara. Como Deus existe, e gosta muito de mim, arranjou de eu nesse dia ter um compromisso noutra cidade. Assim se pouparam dois recordes Guinness: o meu embaraço e a vergonha alheia do Bruno Ganz.

Visto e Ouvido

Agenda

Fev
25
Seg
Estreia do documentário “Energia Para Mudar”, e debate com Francisco Ferreira (Associação Zero) e Pedro Walpole, sj (Plataforma EcoJesuit) @ Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (sala 3.2.13)
Fev 25@17:30_18:30
Debate: papel da comunicação social na protecção da democracia e na eliminação ou promoção do discurso do ódio @ Casa da Imprensa
Fev 25@18:30_20:00

participam:

Jesús Carmona, diretor para os  Media do Parlamento Europeu;
José Manuel Pureza, deputado e professor universitário;
Marisa Torres da Silva, professora universitária e investigadora
Luzia Moniz, jornalista e presidente da Paderna (Plataforma para o Desenvolvimento da Mulher Africana)

Fev
26
Ter
Jornadas Para Acordar – Do despertar pessoal aos Acordos para a Transição Ecológica Justa @ Centro Univº P. Antº Vieira - Lisboa
Fev 26@18:00_20:30

Ver todas as datas

Entre margens

Escutar a morte entre câmaras e microfones

Em Guimarães, decorre até domingo, dia 24, o congresso A Morte – leituras da humana condição; o jornalista Manuel Vilas Boas interveio na mesa redonda sobre A decisão jornalística: Quando a morte (não) é notícia; aqui se regista o texto da intervenção.

Em Cristo para a vida do mundo

Enquanto esperamos as conclusões do encontro no Vaticano, sobre os abusos sexuais, e nos dispomos a levar à prática as indicações que nos vão ser dadas, apressemo-nos a lutar contra o clericalismo como uma boa maneira de acabar com todas estas formas de abuso.

Homossexualidade e clero católico

A questão da homossexualidade de muitos padres católicos não é para mim irrelevante, porque discordo da contradição intrínseca que consiste na existência de um clero obrigado a papaguear um discurso condenatório da homossexualidade, quando esse mesmo clero também é, em percentagem decerto discutível, constituído por muitos homossexuais.

Fale connosco