Escândalo em Jerusalém: A banda desenhada cristã

| 30 Jan 2019 | Livros, Últimas

Escândalo em Jerusalém é o título do álbum de banda desenhada, da autoria de Coolus, Birus e Elvine, que ganhou o Prémio Internacional de Banda Desenhada Cristã, atribuído no âmbito do Festival Internacional de Banda Desenhada de Angoulême, a mais famosa iniciativa do género realizada na Europa. A japonesa Rumiko Takahashi, autora de séries como Ranma 1/2, Urusei Yatsura e Maison Ikkoku, venceu o grande prémio do festival, sendo a segunda mulher a receber a distinção.

Realizado entre 24 e 27 de Janeiro, o Festival de Angoulême apresenta uma programação vasta e diversificada, em que se inclui o Festival da BD Cristã. Desde há três décadas, uma equipa ecuménica de católicos e de protestantes abre as portas da Catedral, da Igreja de S. Marcial e do Templo da Igreja à banda desenhada e premeia as obras que melhor representam uma nova linguagem para comunicar a fé.

O texto de apresentação de Escândalo em Jerusalém refere que o álbum “ilustra com humor a vida em Jerusalém no tempo da Paixão de Jesus”. Também distinguidos, foram Jesus em BD, de Bénédicte Jeancourt-Galignali, Li-An e Laurence Croix, que recebeu o Prémio Especial Juventude e Francisco, de Arnaud Delalande, Laurent Bidot e Yvon Bertorello, merecedor de uma menção honrosa.

O jornalista Gauthier Vaillant, do diário La Croix, chamou a atenção para um álbum não premiado, O mistério do ícone escondido, de Jean Evesque, a história de uma obra-prima da iconografia ortodoxa e de uma conversão improvável. O jornalista lamentou que esta obra mais adulta e graficamente mais audaciosa tivesse sido preterida pelo júri católico e protestante. 

Inspirado numa história verdadeira, O mistério do ícone escondido é adaptado de um extracto da recolha de testemunhos Sangue nas mãos, da escritora e jornalista católica polaca Maria Winowska. O ícone escondido representa o rosto de Jesus Cristo e foi pintado no século XV pelo célebre monge ortodoxo Andreï Rubliov e manteve-se durante séculos na intimidade de uma piedosa família russa. Quando visita a casa, em ruínas, e descobre o ícone, um descendente da família, membro activo do Partido Comunista e ateu, converte-se. Pagará caro por isso.

O livro descreve um mistério, diz Gauthier Vaillant, que é o da fé, da esperança, do encontro com Cristo, que irrompem do monocromatismo de cinzento azulado, de verde e de amarelo pálido e dos cenários austeros do campo russo com as suas árvores mortas e o do “inferno betonado de Moscovo”.

Outro álbum saudado pelo diário católico francês é Heimat, longe do meu país, de Nora Krug, um romance gráfico que investiga o passado de uma família alemã. Misturando a investigação jornalística e o jornal íntimo, a obra, Heimat é, escreve o jornalista Stéphane Dreyfus, uma busca do passado familiar da autora, susceptível de responder a questões como: “O avô Willi seria membro do partido nazi? Quem era o tio Franz-Karl, SS, morto em Itália aos 18 anos?” Nora Krug interroga os pais e os mais próximos, consulta os arquivos e encontra-se com historiadores que não querem esquecer as atrocidades cometidas pelos nazis. Para Stéphane Dreyfus, “com este fascinante e doloroso mergulho na memória dos seus, Nora Krug torna-se ‘arquivista da recordação’, historiadora do sensível”.

Breves

O 7MARGENS na Rimas e Tabuadas, em Guimarães

Na Rimas e Tabuadas Livraria-Café, em Guimarães, decorre esta sexta-feira, a partir das 21h30, uma conversa sobre o 7MARGENS. Nela participam três dos elementos dinamizadores do projecto (Manuel Pinto, Eduardo Jorge Madureira e António Marujo), bem como as...

Bispos americanos opõem-se à execução de prisioneiro condenado à morte

Na notícia evocam a carta pastoral da Conferência Episcopal dos Estados Unidos contra o racismo de nome “Abram os corações – A chamada para o amor” que afirma que “o progresso contra o racismo na sociedade não pode obstruir os problemas fundamentais com o sistema de justíça se o mesmo mancha a aplicação das leis.”

Boas notícias

É notícia 

Cultura e artes

A Palavra, de Carl Dreyer: Provas de Vida

“Discute-se muito o milagre final de A Palavra, mas muitas vezes todos os outros que passam precisamente por esta potência da palavra e do gesto são esquecidos como momentos inesperados de mudança.” A crónica de cinema de Sérgio Dias Branco.

Via Sacra na Noite de Natal

Poderosa é Julia Roberts, no papel desta “mãe coragem”. Nunca o amor lhe deu um rosto tão belo. Acreditem. Fala-se do filme “O Ben está de Volta”.

Pessoas

Sete Partidas

Bruno Ganz – um sopro de eternidade e um dia

Caso alguém precise de uma prova de que Deus existe e me tem muito amor, aqui está ela: uma vez convidaram-me para contracenar com Bruno Ganz numa encenação relativamente privada da peça “Coração a Gás”, do dadaísta Tristan Tzara. Como Deus existe, e gosta muito de mim, arranjou de eu nesse dia ter um compromisso noutra cidade. Assim se pouparam dois recordes Guinness: o meu embaraço e a vergonha alheia do Bruno Ganz.

Visto e Ouvido

Agenda

Fev
25
Seg
Estreia do documentário “Energia Para Mudar”, e debate com Francisco Ferreira (Associação Zero) e Pedro Walpole, sj (Plataforma EcoJesuit) @ Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (sala 3.2.13)
Fev 25@17:30_18:30
Debate: papel da comunicação social na protecção da democracia e na eliminação ou promoção do discurso do ódio @ Casa da Imprensa
Fev 25@18:30_20:00

participam:

Jesús Carmona, diretor para os  Media do Parlamento Europeu;
José Manuel Pureza, deputado e professor universitário;
Marisa Torres da Silva, professora universitária e investigadora
Luzia Moniz, jornalista e presidente da Paderna (Plataforma para o Desenvolvimento da Mulher Africana)

Fev
26
Ter
Jornadas Para Acordar – Do despertar pessoal aos Acordos para a Transição Ecológica Justa @ Centro Univº P. Antº Vieira - Lisboa
Fev 26@18:00_20:30

Ver todas as datas

Entre margens

Escutar a morte entre câmaras e microfones

Em Guimarães, decorre até domingo, dia 24, o congresso A Morte – leituras da humana condição; o jornalista Manuel Vilas Boas interveio na mesa redonda sobre A decisão jornalística: Quando a morte (não) é notícia; aqui se regista o texto da intervenção.

Em Cristo para a vida do mundo

Enquanto esperamos as conclusões do encontro no Vaticano, sobre os abusos sexuais, e nos dispomos a levar à prática as indicações que nos vão ser dadas, apressemo-nos a lutar contra o clericalismo como uma boa maneira de acabar com todas estas formas de abuso.

Homossexualidade e clero católico

A questão da homossexualidade de muitos padres católicos não é para mim irrelevante, porque discordo da contradição intrínseca que consiste na existência de um clero obrigado a papaguear um discurso condenatório da homossexualidade, quando esse mesmo clero também é, em percentagem decerto discutível, constituído por muitos homossexuais.

Fale connosco