Limpar as praias e praticar ioga porque “todos fazemos parte do planeta”

| 1 Fev 2019 | Casa Comum, Estilos de vida alternativos, Últimas

Uma manhã a limpar as praias que termina com uma aula de ioga. Pode parecer uma combinação pouco usual, mas é o que acontecerá neste sábado, 2 de fevereiro, na praia da Ponta do Sal, em São Pedro do Estoril. E, para Vânia Montinho, 40 anos, é algo que faz todo o sentido: “Quanto mais praticamos ioga e meditação, mais nos tornamos conscientes do que está à nossa volta. Não há separação entre nós e o meio ambiente: estamos todos ligados de alguma forma. Faz sentido, segundo o que ensina esta filosofia, termos esse cuidado com a natureza e com a nossa casa.”

Vânia é professora de ioga e co-fundadora da OmWay, comunidade que pretende juntar as pessoas ligadas às áreas de desenvolvimento pessoal, bem-estar e práticas holísticas com a natureza: “Começámos com aulas de ioga ao ar livre, usufruindo dos espaços exteriores que temos na linha de Cascais e da beleza natural do local.”

A ideia é consciencializar as pessoas de que “todos fazemos parte do planeta” e que precisamos de o preservar. No Inverno, conta a professora de ioga, há menos ideias para atividades mas, no final de 2018, Tiago Botelho, um dos professores que colabora com a comunidade, fez a proposta. “É uma ideia que me acompanha já há algum tempo. Vou muito à praia mesmo no Inverno, porque faço surf, e reparo que continua a haver lixo nesta época.”

Vânia Montinho e Tiago Botelho. Foto © Maria Wilton.

Com esta iniciativa, Tiago pretende também que os participantes entendam uma importante dimensão do problema: “Um amigo, responsável pela iniciativa ‘Portugal Sem Plástico’, encontrou uma vez no mar uma embalagem de manteiga com mais de 20 anos. Às vezes com o reconhecimento in loco é que se tem verdadeira consciência da importância de fazer alguma coisa.”

O grupo de participantes do “Karma Yoga” terá a seu cargo um roteiro de limpeza pelas praias de S.Pedro, Bafureira e Avencas, com especial atenção aos plásticos “com grande impacto a nível ambiental”. No fim, terminarão na praia da Parede com uma aula de ioga. O ponto de encontro é no anfiteatro da Ponta do Sal, em São Pedro do Estoril, às 9h, onde serão fornecidos sacos para o lixo. Apenas se deve levar comida, que todos partilham no final da iniciativa.

“Tu és natureza”

O ioga é uma disciplina e filosofia de auto-conhecimento onde se aprende a mostrar uma maior consciência interna e “de tudo o que se passa à nossa volta”: “Acreditamos que fazemos parte de um todo, não estamos dissociados do que está à nossa volta. Hoje em dia, infelizmente, há cada vez mais poluição nos rios e nos mares e nós somos os responsáveis. Sendo responsáveis, também somos responsáveis por limpar e manter os bens que nos são comuns,” comenta Vânia Montinho.

Também para Tiago isto faz sentido, até por aquilo que considera uma das peças-chave da filosofia: “O ioga ensina-nos a eliminar a separação entre pessoas e natureza. Tu és natureza, na verdade. E se todos nós percebêssemos isto, então não havia necessidade de sujar o ambiente.”

Na vida de Vânia, o ioga surgiu “por acaso” e não com algum objetivo específico: “Comecei a gostar e a sentir realmente um efeito muito profundo a nível mais emocional e psicológico, do que propriamente físico.” Gostou tanto que acabou por tirar o curso de formação de professores, apenas com o objetivo de “aprender mais” sem intenção de dar aulas. “Mas cá estou”, diz a sorrir.

No dia-a-dia, a espiritualidade é vivida a ter “um pouco mais de consciência nas situações de maior stress: perceber que tudo passa, tanto as situações boas como as más. São apenas coisas efémeras – e nós continuamos cá.”

“Faz sentido, ensinado esta filosofia termos esse cuidado com a natureza e com a nossa casa.” Foto © Maria Wilton.

Breves

O 7MARGENS na Rimas e Tabuadas, em Guimarães

Na Rimas e Tabuadas Livraria-Café, em Guimarães, decorre esta sexta-feira, a partir das 21h30, uma conversa sobre o 7MARGENS. Nela participam três dos elementos dinamizadores do projecto (Manuel Pinto, Eduardo Jorge Madureira e António Marujo), bem como as...

Bispos americanos opõem-se à execução de prisioneiro condenado à morte

Na notícia evocam a carta pastoral da Conferência Episcopal dos Estados Unidos contra o racismo de nome “Abram os corações – A chamada para o amor” que afirma que “o progresso contra o racismo na sociedade não pode obstruir os problemas fundamentais com o sistema de justíça se o mesmo mancha a aplicação das leis.”

Boas notícias

É notícia 

Cultura e artes

A Palavra, de Carl Dreyer: Provas de Vida

“Discute-se muito o milagre final de A Palavra, mas muitas vezes todos os outros que passam precisamente por esta potência da palavra e do gesto são esquecidos como momentos inesperados de mudança.” A crónica de cinema de Sérgio Dias Branco.

Via Sacra na Noite de Natal

Poderosa é Julia Roberts, no papel desta “mãe coragem”. Nunca o amor lhe deu um rosto tão belo. Acreditem. Fala-se do filme “O Ben está de Volta”.

Pessoas

Sete Partidas

Bruno Ganz – um sopro de eternidade e um dia

Caso alguém precise de uma prova de que Deus existe e me tem muito amor, aqui está ela: uma vez convidaram-me para contracenar com Bruno Ganz numa encenação relativamente privada da peça “Coração a Gás”, do dadaísta Tristan Tzara. Como Deus existe, e gosta muito de mim, arranjou de eu nesse dia ter um compromisso noutra cidade. Assim se pouparam dois recordes Guinness: o meu embaraço e a vergonha alheia do Bruno Ganz.

Visto e Ouvido

Agenda

Fev
25
Seg
Estreia do documentário “Energia Para Mudar”, e debate com Francisco Ferreira (Associação Zero) e Pedro Walpole, sj (Plataforma EcoJesuit) @ Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (sala 3.2.13)
Fev 25@17:30_18:30
Debate: papel da comunicação social na protecção da democracia e na eliminação ou promoção do discurso do ódio @ Casa da Imprensa
Fev 25@18:30_20:00

participam:

Jesús Carmona, diretor para os  Media do Parlamento Europeu;
José Manuel Pureza, deputado e professor universitário;
Marisa Torres da Silva, professora universitária e investigadora
Luzia Moniz, jornalista e presidente da Paderna (Plataforma para o Desenvolvimento da Mulher Africana)

Fev
26
Ter
Jornadas Para Acordar – Do despertar pessoal aos Acordos para a Transição Ecológica Justa @ Centro Univº P. Antº Vieira - Lisboa
Fev 26@18:00_20:30

Ver todas as datas

Entre margens

Escutar a morte entre câmaras e microfones

Em Guimarães, decorre até domingo, dia 24, o congresso A Morte – leituras da humana condição; o jornalista Manuel Vilas Boas interveio na mesa redonda sobre A decisão jornalística: Quando a morte (não) é notícia; aqui se regista o texto da intervenção.

Em Cristo para a vida do mundo

Enquanto esperamos as conclusões do encontro no Vaticano, sobre os abusos sexuais, e nos dispomos a levar à prática as indicações que nos vão ser dadas, apressemo-nos a lutar contra o clericalismo como uma boa maneira de acabar com todas estas formas de abuso.

Homossexualidade e clero católico

A questão da homossexualidade de muitos padres católicos não é para mim irrelevante, porque discordo da contradição intrínseca que consiste na existência de um clero obrigado a papaguear um discurso condenatório da homossexualidade, quando esse mesmo clero também é, em percentagem decerto discutível, constituído por muitos homossexuais.

Fale connosco