Francisco, 2013-2023 (2)

10 anos de pontificado, 10 gostos do Papa: Chagall e a “Crucifixão Branca”

| 5 Mar 2023

 

 

Pintura Crucificação Branca, da autoria de Marc Chagall

Pintura Crucificação Branca, da autoria de Marc Chagall

 

“Na pintura, admiro Caravaggio: as suas telas falam-me. Mas também Chagall, com a sua Crucifixão Branca…” As preferências pictóricas do Papa Francisco ficaram amplamente conhecidas poucos meses após o início do pontificado, quando concedeu uma entrevista a Antonio Spadaro, director da revista La Civiltà Cattolica.

Marc Chagall (1887-1985) pintou Crucifixão Branca em 1938, ano da Noite de Cristal, nome associado à noite em que ocorreu a brutal onda de violência anti-semita promovida pelos nazis que, em toda a Alemanha, partiram os vidros das janelas das sinagogas, das casas e das empresas pertencentes a judeus, logo depois saqueadas e destruídas.

A perseguição dos judeus é uma grande preocupação do pintor que levou os pogroms para as telas. Crucifixão Branca é considerado como o seu “primeiro e maior” trabalho sobre a perseguição e o sofrimento dos judeus na Europa na década de 30 do século XX.

“Ao relacionar o Jesus martirizado com os judeus perseguidos e a Crucificação com acontecimentos contemporâneos, a pintura de Chagall identifica os nazis com os algozes de Cristo e alerta para as implicações morais das suas acções”, pode ler-se no site do Art Institute of Chicago, onde a obra se encontra exposta.

A admiração de Francisco pela obra do pintor francês nascido na Rússia tem sido abundantemente comentada por cristãos e judeus, sendo comummente considerada como mais uma prova da proximidade do Papa com o povo judaico. É bem conhecida a amizade existente entre Jorge Mario Bergoglio e o rabino Abraham Skorka, seu conterrâneo, traduzida em gestos inter-religiosos e na publicação do livro Sobre o Céu e a Terra, que regista diálogos entre os dois.

O Papa Francisco observou Crucifixão Branca quando visitou Florença em 2015. O quadro tinha sido cedido pelo Art Institute of Chicago para integrar a exposição Beleza Divina.

 

Vai nascer uma “Aldeia da Esperança” nos Açores, inspirada em Taizé

Proposta pelo Conselho Pastoral Diocesano

Vai nascer uma “Aldeia da Esperança” nos Açores, inspirada em Taizé novidade

“Organizar uma `Aldeia da Esperança´, dirigida aos jovens, em formato de acampamento, seguindo o modelo de Taizé, a decorrer no verão, de preferência na ilha de São Jorge, no Santuário do Senhor Santo Cristo da Caldeira”: esta é uma das várias propostas feitas pelo Conselho Pastoral Diocesano de Angra – reunido em Ponta Delgada entre os dias 8 e 10 de junho – que irá passar do papel à prática.

Lembrar Aristides de Sousa Mendes, “seguir a voz da consciência” e também hoje “salvar vidas”

Comissão Justiça e Paz de Braga

Lembrar Aristides de Sousa Mendes, “seguir a voz da consciência” e também hoje “salvar vidas” novidade

A Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Braga associa-se à comemoração do Dia da Consciência – que se celebra anualmente a 17 de junho em homenagem a Aristides de Sousa Mendes – através de uma mensagem que assinala a importância de, tal como fez o cônsul de Portugal em Bordéus no século passado, “seguir a voz da consciência” e assim contribuir, no tempo presente, para “salvar vidas”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas

Após quatro anos de detenção

Jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas novidade

Após quatro anos de detenção, a jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas. Numa mensagem divulgada esta terça-feira, 11 de junho, a Amnistia Internacional apela às autoridades chinesas que garantam que Zhang Zhan seja autorizada a circular livremente e a comunicar com pessoas dentro e fora da China, e ainda que ela e a sua família não fiquem sujeitas a vigilância ou assédio, devendo ter pleno acesso a tratamento médico após a sua experiência traumática.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This