Francisco, 2013-2023 (10)

10 anos de pontificado, 10 gostos do Papa: Os poemas piemonteses de Nino Costa

| 13 Mar 2023

 

Os escritores que o Papa Francisco mais aprecia são, de um modo geral, amplamente conhecidos e encontram-se editados em Portugal. É o caso de, por exemplo, Friedrich Hölderlin, Fiódor Dostoievski e Jorge Luis Borges. Mas há um autor que raros sabiam existir até Jorge Mario Bergoglio falar dele: Nino Costa, um italiano do Piemonte, que viveu entre 1886 e 1945. Escreveu um dos poemas que mais comove o Papa Francisco: “Rassa nostran-a”.  Citado pelo Papa em 2015 numa homilia em Turim, o texto é dedicado aos piemonteses que trabalham fora da Itália e homenageia o pai do poeta, que emigrou para a Argentina, onde morreu. Também os avós e o pai de Jorge Mario Bergoglio rumaram do Piemonte para a Argentina. O navio Regina Mafalda, em que embarcariam, se não tivesse sido adiada a data agendada para a partida, afundou-se. Marilù Simoneschi, autora de um livro sobre Rosa Margherita Vassalo, a avó do Papa, explica que esta ocorrência seria por si só suficiente para compreender a enorme atenção e sensibilidade de Francisco para com os migrantes.

Quando há poucos meses, em Novembro do ano passado, Francisco foi a Asti para se encontrar com Carla Rabezzana, uma prima que celebrava o 90.º aniversário, a jornalista Almudena Martínez-Bordiú, da ACI Prensa, lembrou que o Papa tinha aprendido com a avó Rosa, em piemontês, dois poemas de Nino Costa: “Rassa nostran-a” e “La Consolà”, dedicado a Nossa Senhora da Consolata.

“Muitas vezes repito mentalmente dois poemas de Nino Costa e isso comove-me”, afirmou Jorge Mario Bergoglio, contando que o piemontês, ensinado pelos avós, é a “sua língua” desde a infância.

Carla Rabezzana disse que era em piemontês que falava frequentemente com o primo e testemunhou o afecto de Francisco pelo Piemonte, considerado por ele como terra sua e não apenas dos pais e dos avós.  A valorização das raízes familiares, designadamente as dos avós, é algo que, em diversas ocasiões, Francisco tem recomendado.

Num texto sobre a referência a “Rassa nostran-a”, de Nino Costa, na homilia do Papa em Torino, Albina Malerba e Giovanni Tesio assinalam que o escritor nunca visitou os piemonteses da Argentina, mas o poema consegue fazer o retrato “mais lúcido e certamente apaixonado” pelo fenómeno migratório do Piemonte – “uma história até recentemente quase desprovida de uma narrativa, ao contrário das migrações de outras partes da Itália”.

Os autores notam que, quando se conheceu a notícia da eleição do Papa Bergoglio, se registou uma “explosão de alegria que ‘uniu’ num instante duas partes do mundo, a piemontesa e a argentina”, o que não teria sucedido “sem a persistência de uma memória ainda não obscurecida e conquistada pelo esquecimento”.

Os versos de “Rassa nostran-a” concorreram para que se mantivesse a “luz memorável da verdade”.

 

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses

Sucedendo a José Diogo Ferreira Martins

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses novidade

A psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da direção nacional da Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP). A médica, que trabalha na Casa de Saúde do Telhal (Sintra) e é uma das responsáveis pelo Gabinete de Escuta do Patriarcado de Lisboa, foi eleita por unanimidade no passado sábado, 13 de abril, para o triénio 2024-2026.

Cristianismo e democracia

Cristianismo e democracia novidade

Em tempo de comemoração dos cinquenta anos da revolução de 25 de abril, penso dever concluir que o maior legado desta é o da consolidação do Estado de Direito Democrático. Uma consolidação que esteve ameaçada nos primeiros tempos, mas que se foi fortalecendo progressivamente. Esta efeméride torna particularmente oportuna a reflexão sobre os fundamentos éticos da democracia. [Texto de Pedro Vaz Patto]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Alfredo Teixeira em conferência dia 16

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã novidade

Podem algumas canções de intervenção ligadas à Revolução de 25 de Abril de 1974 relacionar-se com o catolicismo? O compositor e antropólogo Alfredo Teixeira vai procurar mostrar que há uma “afinidade” que une linguagem bíblica e cristã à música de Zeca, José Mário Branco, Lopes-Graça, Adriano Correia de Oliveira, Sérgio Godinho e outros.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This