Inquérito 7MARGENS sobre o Sínodo

1036 vozes que querem ser ouvidas

| 6 Out 2021

catolicos cristaos cruz foto rawpixel

Entre os que participaram na consulta lançada pelo 7MARGENS, mais de metade (60%) são mulheres. Foto © Rawpixel.

 

O inquérito lançado pelo 7MARGENS aos seus leitores obteve mais de mil respostas, ultrapassando, assim, as nossas melhores expectativas. A partir desta sexta-feira, 8, começaremos a divulgar a análise das 1036 respostas válidas obtidas. Neste momento, cumpre agradecer a todos os que nos leem e que, antecipando-se a qualquer outra consulta no âmbito do Sínodo que o Papa Francisco abrirá no próximo sábado, se manifestaram preparados e interessados em participar nesse longo processo de reflexão e ação que levará as igrejas católicas de todo o mundo até outubro de 2023.

O 7MARGENS desejava com este inquérito abrir uma janela, dar uma oportunidade aos seus leitores para dizerem “sim” ao apelo do Papa para que todos os interessados participem na construção de uma Igreja mais sinodal. Cremos ter atingindo esse objetivo. É mesmo provável que pelo modo como lançámos esta consulta, ela tenha possibilitado a participação de outros para além dos leitores habituais. É provável que as respostas recebidas tenham extravasado os assinantes da newsletter, pois o endereço de resposta do inquérito poderá ter viajado para outras margens. O que só nos conforta. Aqueles que ontem não seriam nossos leitores passaram a sê-lo.

 

Quem respondeu?

Antes de divulgar a análise das respostas obtidas, debrucemo-nos sobre quem são aqueles que colaboraram nesta consulta. São, como sempre quando toca a servir, mais mulheres (60%) do que homens (40%). Uma enorme percentagem (95%) afirma-se católica, 2,70 por cento reconhece-se como “não crente” e, em percentagem quase idêntica, 2,12 por cento confessa-se “crente sem religião”. Entre os católicos que nos fizeram chegar as suas respostas, um pouco mais de 6 por cento são clérigos, enquanto 88 por cento são leigas ou leigos.

Agregando por afinidades socio-religiosas as dioceses do país, os católicos que participaram nesta consulta vivem nos seguintes espaços territoriais: 2,36 por cento no interior Norte e Centro (dioceses de Bragança-Miranda, Vila Real, Lamego e Guarda); 23,28 por cento no litoral Norte (Viana do Castelo, Braga e Porto); um em cada dez (10,97%) no litoral Centro (Viseu, Aveiro, Coimbra e Leiria-Fátima); 4,51 por cento no Alentejo (Portalegre-Castelo Branco, Évora e Beja); mais de metade (52,82%) habita na Grande Lisboa (Lisboa, Santarém e Setúbal); no Algarve vivem 5,54 por cento dos católicos que nos responderam, enquanto da Diocese do Funchal recebemos apenas 0,51 por cento do total de respostas e nenhuma da Diocese de Angra do Heroísmo. Como é expectável, quase metade (48,21%) dos católicos participantes habitam no Patriarcado e 16,41 por cento na Diocese do Porto.

 

Católicos ativos

Questionados sobre a frequência de participação na eucaristia, três quartos dos católicos (75,87%) dizem fazê-lo diária ou semanalmente, menos de um em cada dez (7,43%) apenas uma ou duas vezes por mês, igual percentagem “algumas vezes por ano” e 2,75 por cento fazem-no “raramente, ou nunca”. Por outro lado, os participantes no inquérito fazem parte do grupo de fiéis bastante ativos na Igreja: quase dois terços (65.78%) estão envolvidos em algum movimento ou estrutura confessional, ou desempenham algum tipo de serviço na sua comunidade.

Quanto à distribuição por escalões etários, metade (49,42%) das respostas que nos chegaram vieram de pessoas com idades compreendidas entre os 35 e os 66 anos. O questionário foi respondido por poucos jovens entre os 15 e os 24 anos (6,76%), pouquíssimos (4,34%) jovens adultos entre os 25 e os 34 anos e por um numeroso (27.22%) grupo de pessoas com mais de 67 anos de idade.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil

Apelo internacional

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil novidade

Com o objetivo de “aumentar a assistência humanitária às comunidades afetadas pelas devastadoras inundações no Rio Grande do Sul, no Brasil”, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) lançou um “apelo de emergência de cerca de oito milhões de euros”, anunciou a Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), na última quarta-feira, 22 de maio.

A Dignidade da pessoa humana como prioridade

A Dignidade da pessoa humana como prioridade novidade

Na semana depois de Pentecostes é oportuno recordar a publicação da declaração Dignitas Infinita sobre a Dignidade Humana, elaborada durante cinco anos e divulgada pelo Dicastério para a Doutrina da Fé, pondo a tónica na dimensão universal, filosófica e antropológica, do respeito pela pessoa humana enquanto fator de salvaguarda dos direitos humanos, do primado da justiça e do reconhecimento de que todos os seres humanos como livres e iguais em dignidade e direitos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This