110 bispos juntam-se em Sintra convocados por críticos do Papa

| 28 Jan 20

Vista da Penha Long, local escolhido pelo Acton Institute desde há quatro anos para o encontro de bispos. Foto © lele3100/Wikimedia Commons

 

Discreto, confidencial, reservado, familiar, informal. Com palavras como estas, vários intervenientes relativizaram, ao 7MARGENS, a importância do encontro que decorreu no hotel Penha Longa (Sintra), entre 22 e 25 de Janeiro, e que reuniu 110 bispos católicos de 42 países.

O encontro foi promovido pelo Acton Institute for the Study of Religion and Liberty (Instituto Acton para o Estudo da Religião e a Liberdade), dos Estados Unidos. A instituição é muito crítica das ideias do Papa Francisco no campo da ecologia e da economia, considerando-o incompetente para se pronunciar sobre matérias económicas ou ecológicas [ver outro texto sobre o Acton aqui].

No encontro participaram três cardeais: Berhaneyesus Souraphiel, arcebispo de Adis Abeba (Etiópia); um mexicano – talvez Robles Ortega, arcebispo de Guadalajara; e um terceiro. Mas os participantes contactados pelo 7MARGENS não confirmaram o nome nem a nacionalidade destes dois últimos.

Um dos participantes insistiu no carácter discreto e “informal” do encontro, que não tinha temas, mas pretendia apenas que os bispos pudessem encontrar-se e conversar. Mas, entre os participantes com quem o 7MARGENS falou para confirmar alguns pormenores, houve quem dissesse que se tratou de um encontro de “estudo, discussão e partilha de experiências”. E, ainda, quem tenha adiantado o tema: “Fé, razão e justiça social”.

E o que cabe neste tema tão vasto? “Os desequilíbrios socioeconómicos e demográficos e o papel da fé na construção da justiça social”. Ou seja, “o défice de ética” no mundo actual, que leva à “corrupção, injustiça e desigualdades”.

Sejamos ainda mais concretos, na expressão de um dos participantes, um bispo africano: “É preciso formar as famílias, por causa da tendência para a diminuição no número de filhos. No Ocidente, há cada vez mais famílias sem filhos e com animais de estimação e a família está a desaparecer; na Ásia, as famílias estão cada vez mais envelhecidas; e em África, a tendência também é para que se reduza o número de filhos”, antecipam os estudos sobre o que acontecerá daqui a 50 anos, assegura.

 

Ninguém de Portugal, apesar dos convites

A parte mais importante dos participantes era oriunda da América Latina, a que se seguiam africanos e asiáticos; em menor número, estavam os europeus e norte-americanos. Estados Unidos, Chile, México, Angola, Etiópia, Paquistão e vários do Médio Oriente estavam entre os países representados. De Portugal, por aquilo que até agora foi possível apurar, não esteve nenhum bispo.

O cardeal-patriarca de Lisboa, entretanto, foi convidado a passar no encontro. Mas, como estava a regressar de uma reunião de bispos lusófonos na Guiné-Bissau, essa sim tornada pública, Manuel Clemente apenas “enviou uma mensagem”, disse um dos participantes ao 7MARGENS. Mas o patriarcado desmente: o patriarca esteve no encontro do ano passado, mas então não fez qualquer intervenção e este ano não enviou nenhuma saudação, assegurou fonte oficial da diocese de Lisboa.

O núncio apostólico (embaixador da Santa Sé) em Portugal, Ivo Scapolo, não esteve presente, mas encontrou-se com os bispos chilenos que participaram no encontro. Scapolo, que veio para Portugal depois de ter desempenhado no Chile um papel considerado por muitos, no mínimo, pouco claro em relação ao tema dos abusos sexuais, terá deixado saudades em alguns dos membros do episcopado chileno.

 

Uma peregrinação escondida a Fátima

Os 110 bispos estiveram reunidos na Penha Longa entre a tarde de quarta-feira, 22, e a manhã de sábado, 25. No sábado, houve ainda quem almoçasse no hotel, mas outros já tinham saído – e alguns ficaram ainda hospedados em Lisboa mais algum tempo.

Na terça-feira, 21, um grupo foi a Fátima – ainda havia pessoas a chegar, nem todos se deslocaram ao santuário. Mas, mais uma vez, a discrição e o secretismo foi, também aqui, a palavra de ordem. No santuário, a passagem do grupo não foi anunciada nem conhecida.

Também houve bispos que se deslocaram a Fátima no domingo, 26. Um deles concelebrou numa das eucaristias do final da manhã mas, pelo menos nos serviços do santuário, não se fez registar.

Todos os diferentes interlocutores do 7MARGENS insistem no carácter “reservado”, “confidencial” ou “discreto” da iniciativa. Mas sem avançarem razões justificativas para tanto segredo, apenas repetindo que os organizadores assim o pediram. Sabendo do encontro, apareceriam logo jornalistas, justifica um dos participantes. Sábado, 25, por telefone, o 7MARGENS procurou falar com um dos bispos ainda na Penha Longa, mas o funcionário que atendeu disse que a resposta à pergunta sobre se o bispo em causa ainda estaria no hotel ou se a reunião já teria terminado era… “confidencial”!

Sobra, então, a pergunta sobre a razão de tanta discrição. Por correio electrónico, o 7MARGENS dirigiu ao director de comunicação do Acton, Eric Kohn, várias perguntas – sobre os países representados, a eventual presença de portugueses e o carácter reservado da iniciativa. As perguntas seguiram segunda-feira de manhã (madrugada no estado do Michigan, EUA, onde o Acton tem sede), mas não houve qualquer resposta durante o dia.

Artigos relacionados

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Quem conhece o Enzo Bianchi, quem já se refletiu naqueles olhos terríveis de fogo, como são os olhos de um homem “que viu Deus”, sabe do seu caráter enérgico, por vezes tempestuoso, firme, de quem não tem tempo a perder e que por isso urge falar sempre com parresía, isto é, com franqueza, com verdade. Enzo habitou-nos a isso, habituou os monges e as monjas de Bose a isso. O exercício da autoridade, a gestão do governo e o clima fraterno da Comunidade sempre tiveram a sua marca, esta marca.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Igreja Católica contesta alteração da lei de biotecnologia na Noruega

Um comité de especialistas da diocese de Oslo acusa a alteração à lei da biotecnologia, aprovada na semana passada pelo parlamento norueguês de “abolir os direitos das crianças” e “abrir caminho à eugenia”, dando a possibilidade de, mediante testes pré-natais precoces, fazer abortos nos casos em que o feto apresente patologias ou seja de um sexo diferente do desejado pelos futuros pais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

Afinal, quem são os evangélicos? novidade

A maior parte dos que falam de minorias religiosas como os evangélicos nada sabem sobre eles, incluindo políticos e jornalistas. Em Portugal constituem a maior minoria religiosa, e a Aliança Evangélica Mundial conta com mais de 600 milhões de fiéis em todo o mundo.

Um planeta é como um bolo novidade

O planeta Terra tem registado emissões de dióxido de carbono bastante mais reduzidas nestes primeiros meses do ano. Não porque finalmente os decisores e líderes políticos consideraram cumprir o Acordo de Paris, não por terem percebido as consequências trágicas de um consumo insustentável de recursos para onde o modelo económico e de vida humana no planeta nos leva, mas devido à tragédia da pandemia que estamos a viver.

Violência contra as Mulheres: origens

Olhando para os dados neste contexto de pandemia, mais uma vez dei por mim a pensar de onde virá a persistência estrutural do fenómeno da violência doméstica e de género, esta violência que assenta num exercício de poder exacerbado, descontrolado, total, de alguns homens em relação às suas companheiras, em que elas não são mais do que um objeto de posse sobre o qual se pode tudo.

Cultura e artes

Diálogos com Paulo Freire

Trata-se de dois livros inspirados na filosofia de Pauloreire, a quem de há largos anos chamo meu “Mestre”: o primeiro, de Christopher Damien Auretta, Diz-me TU quem EU sou: Diálogo com Paulo Freire. O segundo, do mesmo autor com João Rodrigo Simões: Autobiografia de uma Sala de Aula: Entre Ítaca e Babel com Paulo Freire (Epistolografia).

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco