Sophia lida pelos mais novos (3) – O Rapaz de Bronze

| 6 Dez 19 | Destaques, Últimas

Assinalou-se a 6 de novembro o centenário do nascimento de Sophia de Mello Breyner. Como (outra) forma de registar a efeméride, o 7MARGENS pediu a crianças de uma turma do ensino básico pequenas impressões sobre os contos infantis, sendo os respectivos textos aqui publicados até ao Natal, duas vezes por semana.

Depois de A Fada Oriana  e de O Cavaleiro da Dinamarca, é hoje a vez de O Rapaz de Bronze. Os textos, da autoria de alunos do 4º ano, turma C, da Escola Básica Bom Pastor, do Porto, são sempre acompanhados também de ilustrações feitas por outras crianças, bem como por uma ilustração de cada um dos livros publicados na última edição da Porto Editora. A autoria das ilustrações está identificada caso a caso.

Sophia foi evocada já no 7MARGENS por um artigo acerca do convite à viagem na sua poesia, bem como com um poema (quase) inédito e um outro texto sobre No Tempo Dividido e a temporalidade na sua obra poética.

Maquete para “O Rapaz de Bronze”, criada por Luísa Imaginário, Maria Isabel Rias, Rita Moreira e Teresa Rodrigues, da turma 7ºA do Externato da Luz (Lisboa). Foto © António Marujo

 
De noite, todas as estátuas e flores podiam mexer-se

Eu gostei muito da história O Rapaz de Bronze.

Resumidamente, esta história é sobre um enorme jardim, onde viviam muitas flores: rosas, tulipas, a flor de muguet, etc, mas a flor que mais aparecia era o gladíolo. O gladíolo desta história fingia não gostar de outras flores mas, na verdade, ele gostava muito das flores, principalmente das flores da estufa.

O gladíolo nunca tinha sido colhido e por isso não conhecia a casa das pessoas. Mas, certo dia, ele encontrou um velho carvalho, que o colocou junto da janela e ele viu uma festa. Então, o gladíolo decidiu criar a sua própria festa.

A festa das flores foi incrível e até tinha uma humana na jarra, a menina Florinda. À medida que a festa ia acontecendo, o gladíolo ia ficando preocupado com a tulipa que demorava para chegar. Mas o Rapaz de Bronze disse-lhe que a tulipa chegava sempre atrasada. E quando a tulipa chegou, ela não quis dançar com o gladíolo.

Ao fim de oito anos, Florinda já estava crescida e pensava que a festa das flores tinha sido um sonho, porque todos diziam que era impossível isso acontecer.

Certa noite, ela estava no jardim e viu a grande estátua do Rapaz de Bronze a andar na sua direção. Ele perguntou-lhe se ela se lembrava dele e Florinda respondeu que sim, que se lembrava da festa das flores, em que as flores falavam, mas que tinha ficado confusa.

O Rapaz de Bronze explicou-lhe que, de noite, todas as estátuas e flores podiam mexer-se e a Florinda voltou para casa feliz.

Mateus Naice

Desenho de Mariana Sousa, turma 4º C, da Escola Básica Bom Pastor, do Porto.

 

(O 7MARGENS agradece a Manuela Sousa a colaboração prestada)

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Centro cultural Brotéria já abriu no Bairro Alto, em Lisboa novidade

O novo centro cultural da Brotéria, revista dos jesuítas fundada em 1902 no Colégio São Fiel (Castelo Branco), abriu esta quinta-feira, em Lisboa, junto à Igreja de São Roque (Bairro Alto), mas o programa que assinala o facto prolonga-se nestes dois dias do fim-de-semana.

Vaticano ordena investigação a bispo por acusações de abuso sexual

O Vaticano ordenou uma investigação de alegações de abusos sexuais contra o bispo Brooklyn, Nicholas DiMarzio, que antes tinha sido nomeado pelo Papa Francisco para investigar a resposta da Igreja ao escândalo dos abusos sexuais cometidos por membros do clero na diocese de Buffalo.

Semana pela unidade dos cristãos com várias iniciativas

Várias iniciativas assinalam em Portugal a Semana de Oração pela Unidade os Cristãos, que se prolonga até ao próximo sábado, 25. Entre elas, uma oração ecuménica na igreja de Santo António dos Olivais decorre em Coimbra na sexta, 24, às 21h, com responsáveis de diferentes igrejas e comunidades.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Arte e Esperança novidade

Tenho tido a sorte de acompanhar, desde 2016, a apresentação dos Projetos Partis (Práticas Artísticas para a Inclusão Social) na Gulbenkian e em todos respiramos com emoção a frescura da criação artística onde os protagonistas são pessoas normalmente esquecidas por nós.

Cultura e artes

Cinema: À Porta da Eternidade

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

Que faz um homem com a sua consciência?

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Jan
31
Sex
III Congresso Lusófono de Ciência das Religiões – Religião, Ecologia e Natureza (até 5 de Fevº) @ Universidade Lusófona, Templo Hindu, Mesquita Central e Centro Ismaili
Jan 31@09:30_14:00

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco