O terror nazi: “Todos devem saber tudo”

| 14 Dez 19

Ilustração alusiva aos fornos crematórios de Auschwitz numa exposição sobre o Holocausto que esteve em Janeiro de 2019, em Madrid (ver https://setemargens.com/auschwitz-aqui-tao-perto/); foto © Nair Alexandra 

 

Uma notícia que li esta semana no Der Spiegel descreve cenas de puro horror. Mas o mundo não pode esquecer o que aconteceu há 75 anos num dos países mais evoluídos do mundo. Temos de saber, temos de estar bem conscientes daquilo de que podemos ser capazes quando atribuímos a pessoas de certos grupos categorias que lhes sonegam a dignidade dos humanos.

O artigo do Spiegel informa que em Hamburgo está a decorrer o julgamento de um antigo SS, de 93 anos, que era guarda no campo de concentração de Stutthof, perto de Danzig. É acusado de participação no assassínio de 5230 pessoas. Na mesma sala está uma das vítimas daquele campo, que é testemunha de acusação: Abraham Koyski, de 92 anos.

Abraham veio de Israel para testemunhar neste processo. Perante o tribunal, fala com voz clara. Conta que tinha 16 anos quando chegou ao campo, juntamente com 800 judeus da Estónia. Conta que a viagem durou oito dias, e que não lhes deram comida nem água. Chegaram a meio da noite, e foram todos enfiados numa barraca com tão pouco espaço que ele dormiu em pé.

Conta como os guardas chamavam os prisioneiros para espectáculos bizarros e sádicos. Num deles, um oficial SS – obviamente sob a influência do álcool – partiu uma cadeira e obrigou um pai e o seu filho a escolherem entre o oficial matar um dos dois, ou um deles matar o outro agredindo-o com os bocados da cadeira. O pai decidiu que o filho o devia matar, e o filho assim fez. No fim, o oficial matou o filho com um tiro.

Koryski fala do seu trabalho de retirar do crematório os ossos ainda inteiros, e da tarefa de recolher de manhã os corpos dos que tinham morrido durante a noite. Fala de chamadas a meio das noites de inverno para se irem lavar: obrigados a sair nus da barraca, a tomar duche e a regressar à barraca molhados e nus, em noites de temperaturas negativas. Acrescenta: muitos morriam depois de acções como esta.

Mas Korsyski não se lembra de rostos. “Não queríamos ver a cara de nenhum deles. Tínhamos medo.”

Perto do fim da guerra obrigaram-no a sair do campo para a marcha da morte. Quilómetros e quilómetros de marcha, sem comida nem bebida, sem roupa quente, sem sapatos. Os que morriam eram empurrados para a berma do caminho. Por várias vezes Korsyski se sentou, com a esperança de receber um tiro libertador. Mas erguia-se de novo – e foi por fim libertado pelo Exército Vermelho.

A juíza pergunta-lhe porque é que fez tanta questão de vir de Israel para testemunhar neste processo.

“Temia esta pergunta”, responde Abraham Koryski, e começa a chorar. “Não é fácil para mim. Não venho para me vingar. Mas quero acusar e não perdoo. Quero que o mundo saiba o que aconteceu. Todos devem saber tudo.”

E a seguir:

“A minha vingança é a minha família, os meus familiares presentes nesta sala. São o sinal de que eu consegui sobreviver a tudo isso.”

“Todos devem saber tudo.” Por isso decidi resumir e traduzir este artigo.

 

Helena Araújo vive em Berlim e é autora do blogue 2 Dedos de Conversa, de onde se reproduz este texto, numa versão editada para esta publicação. 

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Eutanásia, hora do debate novidade

Seja qual for a posição de cada um, a reflexão e o debate sobre a eutanásia é uma exigência de cidadania e não uma discussão entre alguns, em círculo fechado, mesmo se democraticamente nos representam. Quando está em jogo o tipo de sociedade que desejo para os meus netos, não quero que outros decidam sem saberem o que penso.

“Qual é o mal de matar?”

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro novidade

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco