“Nós não devíamos ter-nos conhecido”

| 2 Fev 20

Nodeirinho, Pedrógão Grande, depois do grande incêndio de 2017. Foto © Bárbara Baldaia/TSF, cedida pela autora.

 

No próximo dia 4, decorre em Lisboa (Teatro Thalia, 10h), a cerimónia de entrega dos prémios Cooperação e Solidariedade, promovidos pela Cooperativa António Sérgio para a Economia Social e que pretendem homenagear pessoas ou instituições que se tenham distinguido em domínios relevantes para a Economia Social.

Além do prémio de honra, há cinco categorias: Invocação e Sustentabilidade, Formação Pós-Graduada, Trabalhos de âmbito Escolar, Estudos e Investigação e Trabalhos Jornalísticos.

Nesta última categoria, um dos vencedores foi Bárbara Baldaia, jornalista da TSF, com a reportagem Retratos do Renascimento (que pode ser ouvida na íntegra na página da TSF), que descreve a seguir a experiência de realizar esse trabalho, dedicado à reconstrução comunitária, após o grande incêndio de 2017 em Pedrógão Grande.  

Além de um texto sobre a tese vencedora da categoria de Estudos e Investigação, o 7MARGENS publicou já, também, o texto do jornalista da SIC João Faiões, sobre a reportagem Nós Ainda Estamos Aqui.

 

“Nós não devíamos ter-nos conhecido”

Nodeirinho, Pedrógão Grande, depois do grande incêndio de 2017. Foto © Bárbara Baldaia/TSF, cedida pela autora.

 

“Nós não devíamos ter-nos conhecido”, disse-me um dia um amigo. Se não nos tivéssemos conhecido, significava muito provavelmente que aqueles campos onde falávamos continuariam verdes, que as árvores estariam de pé, que as plantas, os animais e as pessoas não teriam sido sacrificadas às chamas.

De todo o meu trabalho como jornalista, ao longo dos últimos 20 anos, esta foi uma das frases que me ficou na cabeça e que me assalta, de quando em vez.

João Viola, a concluir o Memorial à Fonte da Vida, em Nodeirinho, Pedrógão Grande, na sequência do grande incêndio de 2017. Foto © Ana António/TSF, cedida pela autora.

 

“Nós não devíamos ter-nos conhecido”. No momento em que o artista e escultor João Viola me disse isto, senti um nó na garganta – e só eu sei como quando estou a trabalhar me aguento tão bem sem ceder às emoções. Um jornalista é um pouco como um médico, quando exerce a sua profissão: não pode quebrar quando encontra um drama, tem que manter alguma distância emocional relativamente aos acontecimentos. Mas naquele momento, com aquela frase, engoli em seco.

 

“Nós não devíamos ter-nos conhecido. É tudo num tempo errado. Conhecemo-nos pela razão errada”, dizia ele, com a voz embargada.

Tínhamo-nos conhecido um ano antes, em Nodeirinho, a pequena aldeia onde morreram 11 das 66 pessoas do grande incêndio de Pedrógão Grande.

Nos últimos meses, João tinha vivido dentro “de uma cela fechada, com tudo negro”. O negro das chamas que lamberam a paisagem e as vidas humanas tinha-se incrustado dentro dele. E naquele momento, dizia-me João, finalmente a alma renascia das cinzas.

 

Ali estávamos nós, um ano depois de nos termos conhecido pelas piores razões. Eu, de microfone em punho, a tentar fazer balanços e a descobrir uma comunidade que se reerguia sozinha, à custa da solidariedade entre vizinhos, à custa da iniciativa social de todos, pensando em todos, sem esperar nada do poder político, sem aguardar ajudas nem pedir esmolas.

Ali estávamos nós, eu à procura de balanços e ele a resumir tudo nesta frase tão curta. “Nós não devíamos ter-nos conhecido.”

Habitantes de Nodeirinho, Pedrógão Grande, uma das aldeias atingidas pelo grande incêndio de 2017. Foto © Bárbara Baldaia/TSF, cedida pela autora.

 

Naquele dia, porém, um sol glorioso fazia acreditar no futuro. Estávamos a poucos minutos da inauguração do memorial às vítimas que João tinha construído, “sobretudo para nos lembrar que isto não pode voltar a acontecer”.

Naquele domingo, o Presidente da República inauguraria o memorial “Fonte da Vida”, sublinhando o verso bíblico que ali se lia: “Eis que faço novas todas as coisas.”

Memorial à Fonte da Vida, em Nodeirinho, Pedrógão Grande, na sequência do grande incêndio de 2017. Foto © Ana António/TSF, cedida pela autora.

 

Ali estava o resumo do trabalho que tinha sido feito no último ano por aquela comunidade: do negro fizeram verde, da morte fizeram vida, do desgosto fizeram paz.

Ali, junto ao tanque onde cerca de 20 pessoas se salvaram do fogo, havia naquele dia um atrevimento de esperança. Havia risos, havia bolos e sumos, havia alegria. Havia um ensinamento, um caminho. E esse cenário era tão diferente daquele que tinha encontrado no ano anterior.

 

Da primeira vez que lá cheguei, três dias depois do incêndio, os corpos tinham sido recolhidos, mas o silêncio da morte continuava no local. Estacionei o carro e só se ouvia a água que corria constante do tanque. De resto, silêncio. Não se ouviam pássaros, porque tinham morrido, não se ouvia o restolhar das folhas das árvores, porque estavam queimadas, não se ouviam conversas, porque o luto era tão intenso e tão inesperado que calava todas as bocas.

Na paragem de autocarro, habitantes de Nodeirinho, Pedrógão Grande, uma das aldeias atingidas pelo grande incêndio de 2017. Foto © Bárbara Baldaia/TSF, cedida pela autora.

 

Sentei-me na paragem de autocarro e ali fiquei. À espera de quem não conhecia. À espera de Dina, Rui, Filipa, Fernanda, Sofia, Carolina, Sebastião, Céu e João. À espera de conhecer quem nunca devia ter conhecido.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Maria e Marta – como compreender dois nomes num congresso mundial novidade

Foi nesse congresso que, pela primeira vez, tive a explicação relativa a dois nomes, Maria e Marta, cujo significado fiquei de procurar, desde 1983, ano no qual nasceram as minhas primas Maria e Marta. O facto é que, quando elas nasceram, o meu avô materno, impôs que fossem chamadas por esses nomes. Despertou-me curiosidade a insistência, uma vez que já as chamávamos por outros nomes.

Sempre mais sós (Debate Eutanásia)

Reli várias vezes o artigo de opinião de Nuno Caiado publicado no 7MARGENS. Aprendi alguns aspetos novos das questões que a descriminalização da eutanásia ativa envolve. Mas essa aprendizagem não me fez mudar de opinião. Ao contrário do autor, não creio que a questão central da eutanásia agora em discussão seja a do sofrimento do doente em situação terminal. A questão central é a da nossa resposta ao seu pedido para que o ajudemos a morrer.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco