168 milhões de crianças sem aulas há um ano

| 3 Mar 2021

educacao escola covid pandemia UNICEF_UN0423792_Chris Farber

A “sala de aula da pandemia”, com 168 cadeiras vazias, cada uma delas simbolizando um milhão de crianças que está a ficar para trás. Os mais marginalizados pagam o preço mais elevado, alerta a diretora da Unicef. Foto © UNICEF/UN0423792/Chris Farber.

A Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) estima que mais de 168 milhões de crianças em todo o mundo perderam um ano escolar inteiro devido ao encerramento continuado das suas escolas e que cerca de 214 milhões ficaram sem mais de três quartos do tempo letivo desde o início da pandemia. De acordo com o estudo divulgado nesta quarta-feira, 3 de março, os alunos latino-americanos foram os que mais sofreram com o fecho de escolas, dado que em nove países do subcontinente os estabelecimentos escolares estiveram encerrados durante um ano ou mais, afetando 98 milhões de alunos.

Em anterior publicação, a UNESCO estimava que o total de crianças afetadas por interrupções mais ou menos longas dos seus processos educativos ascende a 888 milhões.

“O fecho das escolas criou uma emergência educativa catastrófica. Cada dia que passa, as crianças impedidas de aceder ao ensino presencial ficam cada vez mais para trás, com os mais marginalizados a pagar o preço mais elevado”, afirmou a diretora executiva da Unicef, Henrietta Fore, na apresentação do estudo que recolheu dados entre 11 de março de 2020 e fevereiro de 2021. “Não podemos entrar num segundo ano em que estas crianças tenham um ensino presencial limitado, ou nulo. Nenhum esforço deve ser poupado para manter as escolas abertas, ou para lhes conceder toda a prioridade nos planos de desconfinamento”, concluiu a responsável da organização.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Amnistia criticou Kiev e a Ucrânia não gostou

Direitos humanos

Amnistia criticou Kiev e a Ucrânia não gostou

A guerra da Ucrânia abriu uma inesperada frente no campo dos direitos humanos entre a Amnistia Internacional e o governo do país que foi invadido pela Rússia. Um relatório muito crítico da organização de direitos humanos levou a um ataque do Presidente Volodymyr Zelensky e à posterior demissão da responsável da AI no país.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This