“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

| 11 Fev 20

Helena Araújo numa das imagens do documentário sobre o blogue “2 Dedos de Conversa”, de que é autora.

 

Um dia, uma leitora do blogue 2 Dedos de Conversa escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista: “O meu mundo está hoje mais rico do que era antes de ter começado a escrever este blogue”, diz a autora, no programa Novo Mundo Digital, da RTP, onde conta a história do blogue e fala das suas motivações para o escrever.

O 2 Dedos de Conversa começou em Janeiro de 2004 e nos primeiros tempos dominavam os textos sobre a guerra no Iraque e as “mentiras” que eram publicadas em muitos jornais e outros média. Depois, as histórias do quotidiano em Berlim, os comentários sobre os refugiados ou a democracia, as notas sobre música, arte ou livros, foram aparecendo cada vez mais. São “questões sérias, sempre com uma pitada de humor”, que ali são tratadas, diz Helena Ferro de Gouveia, consultora em direitos humanos e uma das leitoras do blogue também ouvidas no programa.

É isso que acontece com um texto com o título “Estudantes sírios”, publicado em Abril de 2016, e que autora relê no programa: “Ontem os meus filhos aproveitaram a minha ida à Filarmonia, e encheram a casa de refugiados sírios. (…) Bem sei que tenho por aí muitos leitores cuscos mortinhos por saber como foi, e como são os ‘refugiados sírios’ e tal, mas preferi deixá-los ser o que são: amigos dos meus filhos que vieram jantar com eles.”

Enfim, Helena Araújo sente uma “vontade enorme de contar aquilo” que vai descobrindo, que o blogue é uma “ponte muito importante com Portugal” e uma possibilidade de passar para quem a lê “uma espécie de olhar maravilhado”. E está “muito grata” aos seus leitores.

Helena Araújo reside em Berlim há poucos anos, mas chegou à Alemanha no início de Novembro de 1989, poucos dias antes do Muro de Berlim cair. E foi precisamente sobre os 30 anos desse acontecimento que publicou um texto no 7MARGENS, bem como um outro sobre a data de 9 de Novembro, em que outros acontecimentos importantes se verificaram na Alemanha.

O Muro de Berlim fotografado em Janeiro de 1990, dois meses depois do seu fim, com cruzes que registavam os nomes de pessoas mortas quando o tentavam atravessar. Foto do Departamento de Defesa dos EUA/Wikimedia Commons

 

A autora do blogue traduziu, ainda, o testemunho do pastor protestante Christian Führer, que esteve no centro das orações na Nikolaikirche, em Leipzig, que deram origem a um movimento não-violento de protesto de cristãos, que culminaria depois com a queda do Muro de Berlim, em 1989.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres novidade

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo novidade

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Peter Stilwell deixa reitoria da única universidade católica da R.P. China

O padre português Peter Stilwell será substituído pelo diácono Stephen Morgan, do País de Gales, no cargo de reitor da Universidade de São José, em Macau.  A mudança, que já estava a ser equacionada há algum tempo, está prevista para julho, depois de um mandato de oito anos naquela que é a única universidade católica em toda a República Popular da China.

Governo português decreta que imigrantes passam a estar em situação regular

O Governo português decretou que, a partir de 18 de Março (dia da declaração do Estado de Emergência Nacional), todos os imigrantes e requerentes de asilo que tivessem pedidos de autorização de residência pendentes no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) passam a estar em situação regular, com os mesmos direitos que todos os outros cidadãos, incluindo nos apoios sociais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

As circunstâncias fazem os grandes líderes. Cá estão elas.

Faço parte de uma geração que reclama grandes líderes. Não tenho muitas dúvidas que esta reclamação é de quem vive num certo conforto. Não tive um Churchill porque não passei por uma grande guerra. Não tive um Schuman porque não era vivo quando a Europa esteve em cacos. Não tive um Sá Carneiro, Freitas do Amaral ou Mário Soares porque não era vivo quando Portugal ainda só sonhava com uma Democracia plena e funcional.

Cultura e artes

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Júlio Martín, actor e encenador: O Teatro permite “calçar os sapatos do outro”

O actor e encenador Júlio Martín diz que o teatro permite fazer a experiência de “calçar os sapatos do outro”, mantém uma conversa em aberto e, tal como a religião, “faz religar e reler”. E permite ainda fazer a “experiência de calçar os sapatos do outro, como os americanos dizem; sair de mim e estar no lugar do outro, na vida do outro, como ele pensa ou sente”, afirma, em entrevista à agência Ecclesia.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

Sete Partidas

Um refúgio na partida

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco