Relatório da Global Witness

227 ativistas ambientais assassinados em 2020

| 14 Set 21

As empresas de exploração dos recursos naturais são comprovadamente responsáveis por mais de um terço das mortes: Colômbia, México, Filipinas e Brasil são os países em que foi possível comprovar maior número destes crimes. Na foto de arquivo, manifestação durante Acampamento Terra Livre de 2017. Foto © Guilherme Cavalli_Cimi

 

O número de ativistas ambientais assassinados que é possível documentar subiu no ano passado para 227, refere a Global Witness no seu relatório “A Última Linha de Defesa” publicado ontem, dia 13 de setembro. A organização contabiliza apenas os assassinatos de pessoas de quem conhece o nome e analisou as circunstâncias da morte. E não tem dúvidas de que apenas consegue documentar uma parte muito reduzida da violência praticada contra os ambientalistas. 

“À medida que a crise climática se intensifica, a violência contra aqueles que protegem as suas terras e nosso planeta também aumenta”, lê-se no relatório para cujos autores é claro que “a exploração irresponsável e a ganância que impulsionam a crise climática também geram a violência contra os defensores da terra e do meio ambiente.”

As empresas de exploração dos recursos naturais são comprovadamente responsáveis por mais de um terço das mortes e a Colômbia (65), México (30), Filipinas (29) e Brasil (20) são os países em que foi possível comprovar maior número destes crimes. No ano passado em média foram mortos todas as semanas quatro defensores da terra.

O relatório anual sobre os temas ambientais é divulgado desde 2012 e os ativistas são nele definidos como “pessoas que ousam tomar posições e desencadear ações pacíficas contra a exploração injusta, discriminatória, corrupta, ou prejudicial dos recursos naturais ou do ambiente.”

A Global Witness foi fundada em 1993 com o objetivo de defender “um planeta mais sustentável, justo e igualitário” e conseguir que “as florestas e a biodiversidade prosperem, os combustíveis fósseis permaneçam no solo e as empresas deem prioridade aos interesses das pessoas e do planeta.”

 

‘Caminho Minhoto Ribeiro’ reconhecido pelos arcebispos de Braga e Santiago

Em ano Xacobeo

‘Caminho Minhoto Ribeiro’ reconhecido pelos arcebispos de Braga e Santiago novidade

A cidade de Braga foi palco, nesta sexta-feira, 17, da declaração oficial de reconhecimento do Caminho Minhoto Ribeiro por parte dos arcebispos de Braga e de Santiago de Compostela, depois de esse processo ter decorrido já por parte das autarquias do lado português e galego. Na conferência que decorreu em Braga, cidade que é ponto de partida dos dois itinerários que compõem este Caminho, foi igualmente feita a apresentação da investigação documental que fundamenta este novo percurso, a cargo do professor e historiador galego Cástor Pérez Casal.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror

Edgar Morin em entrevista

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror novidade

“Se formos capazes de nos maravilhar, extraímos forças para nos revoltarmos contra essas crueldades, esses horrores. Não podemos perder a capacidade de maravilhamento e encantamento” se queremos lutar contra a crise, contra as crises, afirmou Edgar Morin à Rádio Vaticano em entrevista conduzida pela jornalista Hélène Destombes e citada ontem, dia 18 de setembro, pela agência de notícias ZENIT

A votar, a votar!

[Segunda leitura]

A votar, a votar! novidade

“Começa hoje a campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 26 de setembro”. Juro que ouvi isto na passada terça-feira, dia 14 de setembro. Assim mesmo, sem tirar nem pôr, na abertura de um noticiário na rádio: “Começa hoje a campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 26 de setembro”. Juro.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This