25 de Abril sempre! Mesmo (e sobretudo) em tempo de pandemia

| 24 Abr 20

Foto © Wikipedia

 

Não há um estudo científico, mas não estaríamos a mentir se disséssemos que nunca como este ano chegaram tantas informações de iniciativas para celebrar o Dia da Liberdade. Dos municípios aos museus, passando por ONGs, companhias de teatro e IPSS – sem esquecer a Assembleia da República, cuja sessão terá provavelmente uma excelente audiência depois de toda a polémica que a envolveu – a lista é quase interminável. E original. Em tempo de pandemia, 46 anos depois da revolução, este será um 25 de abril em grande parte virtual, mas com uma vontade bem real de muitas pessoas em celebrarem e estarem juntas.

Para Carlos Jalali, investigador em Ciência Política da Universidade de Aveiro, esta vontade de celebração pode ser potenciada, precisamente, pelo próprio contexto de pandemia em que nos encontramos. “Neste contexto, as pessoas sentem uma grande necessidade de ligação com os outros pelas vias que estão disponíveis, no espaço online. As próprias instituições e autarquias veem aqui uma oportunidade de gerar espaços para estabelecer essa ligação”, explica o politólogo, em declarações ao 7MARGENS.

A necessidade de celebração do 25 de Abril não está necessariamente ligada, na opinião do professor de Ciência Política, ao facto de, devido ao confinamento, as pessoas valorizarem ainda mais o seu direito à liberdade. “Mas é verdade que, apesar de o estado de emergência estar muito longe daquilo que foi o contexto antes do 25 de Abril, esta é uma data que tem essa questão simbólica [da liberdade] associada”, sublinha.

Marina Costa Lobo, investigadora do Instituto de Ciências Sociais (ICS) de Lisboa, considera que “sentimos o 25 de abril em particular, hoje, porque abril significa liberdade, e esta pandemia retirou-nos a liberdade. Ainda que provisoriamente. Por isso celebramos ainda mais o 25 de Abril desta vez.” E acrescenta: “Todos sentimos que esta pode ser uma crise com consequências graves, e isso, a prazo, pode ter consequências políticas. Por isso, há que afirmar a defesa da democracia.”

A também coordenadora do Observatório da Qualidade da Democracia no ICS estabelece uma relação possível entre os rituais religiosos e as formas celebrativas da política: “Os rituais são comuns na política e na religião porque são uma forma de dialogar com o sagrado – a fé e a busca da liberdade, a defesa de um mundo melhor, à sua maneira – e, para convocar os cidadãos para essas práticas sociais, há que instituir rituais” que mobilizem as pessoas.

E se, mesmo em estado de emergência, a liberdade e os restantes direitos dos cidadãos tendem a ser preservados, nem por isso a “educação para os direitos humanos” deixa de ser essencial. É por isso que a Amnistia Internacional Portugal propõe celebrar este Dia da Liberdade com um conjunto de atividades para ensinar aos mais novos (e também a muitos mais velhos) algumas das conquistas de abril, sejam elas a liberdade de imprensa (com a atividade “Jornalistas do Futuro”) ou uma sociedade mais justa (com um divertido jogo de dados e fichas).

Há propostas para todos os gostos, para todas as idades, para fazer sozinho ou acompanhado, e para muito mais do que um dia: assistir a conferências ted talks sobre a discriminação, fazer caças ao tesouro para descobrir o quão preciosos são os direitos humanos, realizar expedições virtuais que permitem conhecer locais onde, além de Portugal, já se fez história na conquista desses direitos, ou ver uma série de TV produzida pela própria Amnistia, que nos inspira a lutarmos por uma sociedade melhor. Tudo sem sair de casa.

 

Estreias de teatro e inauguração de exposições

Se tiver um computador ou telemóvel com acesso à Internet, será possível visitar exposições e assistir a peças de teatro preparadas especialmente a pensar neste dia. “Agora que não podemos estar juntos” é apenas uma deles: trata-se de uma obra em vídeo que surgiu do desafio colocado pelo primeiro-ministro, António Costa, aos diretores dos teatros nacionais. Produzido pela Companhia Hotel Europa, reconhecida pelo seu trabalho na área do teatro documental, o vídeo foi gravado nos jardins da residência oficial do primeiro-ministro, onde habitualmente se realizam as comemorações do 25 de Abril, e será apresentado nesse mesmo dia, às 15h30, através das contas de Facebook e Twitter do Governo.

O Teatro Viriato, em Viseu, assinala também esta data com uma programação especial, na qual se destaca a estreia de “E naquele dia saímos para uma cidade lavada e livre”, uma performance duracional do Teatro do Vestido construída propositadamente para este dia, e que será apresentada “de assalto” em várias plataformas digitais.

Para os que preferem uma exposição, este sábado poderão ir à inauguração de pelo menos duas, dedicadas à revolução dos cravos. Uma no site do Mira Forum, onde estará patente uma coleção de 21 fotografias inéditas do fotojornalista Alfredo Cunha, tiradas em Lisboa no dia 25 de abril de 1974. A outra, na página do Museu Nacional da Imprensa, reunindo diversos artigos que foram alvo da censura pré-revolução.

 

Música, muita música

grandola vila morena instrucoes bloco esquerda

Uma parte do “manual de instruções” divulgado pelo Bloco de Esquerda para cantar Grândola, Vila Morena à janela

 

E se, ao contrário do habitual, não há palcos montados nas ruas, isso não significa que não haja música. Tendo como ponto de partida o tema da liberdade, um grupo de artistas preparou uma canção “especialmente para esta data”, refere a Bairro da Música, agente de vários músicos portugueses. São eles Jorge Palma, Zeca Medeiros, Joana Alegre, Blind Zero, Vicente Palma, Rui David, Pedro Moutinho e The Happy Mess, que vão atuar nas suas redes sociais esta sexta-feira e sábado.

Também esta sexta-feira, 24, pelas 22h35, Paulo de Carvalho dá um espetáculo para a Marinha Grande, transmitido na página de Facebook da autarquia. Em simultâneo, nas redes sociais da Câmara de Oeiras, há atuações de Sérgio Godinho, Mário Laginha, Kátia Guerreiro, entre outros. A autarquia de Almada não faz a festa por menos: transmitirá concertos ao vivo, todas as noites, entre 25 de abril e 1 de maio. Passarão pelo Facebook da autarquia músicos como Marisa Liz, Amélia Muge e Carlão.

E por falar em música, a Associação 25 de Abril e o Bloco de Esquerda (BE) lançaram um desafio a todos os portugueses: que, às 15 horas de sábado, 25, abram as janelas de par em par, ponham a tocar Grândola, Vila Morena e cantem a plenos pulmões. Para quem não sabe de cor o tema que funcionou como segunda senha da revolução, o BE criou até um manual de instruções, que disponibilizou no site do partido, com a letra completa da canção e divertidas dicas para que a interpretação corra o melhor possível. A iniciativa, que é subscrita por mais de trinta associações, confederações, sindicatos, autarquias e partidos políticos (BE, Livre, PCP, Os Verdes, POUS e PS), estende-se também a quem estiver a trabalhar e ainda aos media, para que transmitam a música à mesma hora.

 

Homenagear as vítimas e os heróis da pandemia

Na noite de sexta-feira, às 22h55, há uma primeira chamada para ir à janela, destinada apenas aos residentes no Funchal: a autarquia preparou um espetáculo de luz e cor nos céus da capital do arquipélago da Madeira, que se inicia precisamente à hora em que, há 46 anos, passou na Rádio Renascença, o tema E Depois do Adeus, de Paulo de Carvalho, a senha que dava início à revolução.

Postal alusivo ao 25 de Abril

Postal alusivo ao 25 de Abril. Ilustração de Daniela Gonçalves, aluna do Colégio Luso-Internacional de Braga, para distribuir a pessoas beneficiárias de apoio de refeições que um grupo de voluntários tem organizado.

A mesma canção, à mesma hora, dará início às celebrações do município de Melgaço, na página de Facebook da autarquia. Mas, entre os vários momentos musicais previstos, o município vai aproveitar a data especial para hastear, com transmissão online, a bandeira nacional, convidando todos os munícipes a acompanhar esse momento e a fazer um minuto de silêncio pelas vítimas mortais de covid-19.

Também a Câmara Municipal da Guarda preparou uma homenagem para este dia, com a entrega de 46 cravos e de uma placa de agradecimento à Unidade Local de Saúde, à PSP, à GNR e aos Bombeiros Voluntários do concelho, em sinal de agradecimento pelos serviços prestados à população no combate à pandemia da covid-19, que será transmitida nas redes sociais do município.

 

Poesia, música e um postal para quem está offline

Para quem não está online, e nem sequer tem vontade de ligar a televisão, onde a sessão comemorativa da Assembleia da República se realiza a partir das 10 horas, será mesmo assim difícil ignorar que é Dia da Liberdade. Na Covilhã, a Câmara Municipal terá a circular pelo concelho durante o dia de sábado uma viatura com altifalante a transmitir poemas de abril. Em Castelo Branco, em vez de poemas serão canções. Em Lisboa, diversas juntas de freguesia decidiram surpreender os moradores: esta sexta-feira, deixaram um cravo em cada caixa de correio.

Surpreendidos serão também os beneficiários do programa de ajuda alimentar do Colégio Luso-Internacional de Braga. Um grupo de voluntários ligados à escola, que inclui vários refugiados, distribui mais de 300 refeições por dia a pessoas com carência económica em tempo de pandemia. Agora, unem-se às celebrações do 25 de abril e, no dia, com cada uma das refeições, entregarão um cravo de papel e um postal com um desenho feito por uma aluna do colégio, que inclui um poema de Manuel Alegre. Um gesto que “é mais uma forma de a instituição se ligar às pessoas, além da comida que lhes leva”, conclui o investigador Carlos Jalali.

Artigos relacionados

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Quem conhece o Enzo Bianchi, quem já se refletiu naqueles olhos terríveis de fogo, como são os olhos de um homem “que viu Deus”, sabe do seu caráter enérgico, por vezes tempestuoso, firme, de quem não tem tempo a perder e que por isso urge falar sempre com parresía, isto é, com franqueza, com verdade. Enzo habitou-nos a isso, habituou os monges e as monjas de Bose a isso. O exercício da autoridade, a gestão do governo e o clima fraterno da Comunidade sempre tiveram a sua marca, esta marca.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Bispos espanhóis propõem unir “salário familiar” ao rendimento mínimo vital novidade

O secretário geral da conferência episcopal espanhola, Luis Argüello, propôs esta sexta-feira ao governo que, juntamente com o salário mínimo vital, aprovado em abril para as famílias mais pobres, institua o “salário familiar”. Durante uma conferência de imprensa, o bispo auxiliar de Valladolid recordou que esta medida foi proposta há 40 anos por João Paulo II, e pediu que os migrantes em situação administrativa irregular possam também aceder a estas prestações.

Alemanha: Mulheres querem permissão para pregar nas eucaristias novidade

A Comunidade Católica das Mulheres (KFD) da diocese de Münster, na Alemanha, enviou uma carta ao seu bispo, Felix Genn, pedindo-lhe que aprove a pregação por parte de leigos nas eucaristias, o que permitiria às mulheres assumir essa função, até agora exercida exclusivamente por diáconos e padres.

Escuteiros angariaram 66 toneladas de alimentos para o Banco Alimentar Contra a Fome novidade

O Corpo Nacional de Escutas (CNE), através dos agrupamentos de escuteiros espalhados por todo o país, reuniu um total de 66 toneladas de alimentos para apoiar o Banco Alimentar Contra a Fome, instituição que este ano se viu impossibilitada de realizar a sua habitual campanha nos supermercados devido à pandemia de covid-19, e à qual têm chegado cada vez mais pedidos de ajuda.

Alemanha: número de crimes contra judeus é o mais elevado desde 2001

A Alemanha registou no ano passado o número mais elevado de crimes motivados pelo antissemitismo desde que os mesmos começaram a ser contabilizados, em 2001. Os líderes da comunidade judaica daquele país prevêem que a situação continue a piorar com o surgimento de uma nova vaga de “teorias da conspiração” associadas aos judeus, na sequência da pandemia de covid-19.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

O domingo do mistério de Deus novidade

Há cada vez mais teólogos de renome a lastimar um domingo dedicado ao esforço da razão para «explicar» o mistério de Deus que a liturgia cristã celebra neste domingo, 7 de Junho, com o nome de Domingo da Santíssima Trindade… O “mistério de um só Deus” foi substituído por uma “trindade de mistérios”: o de Deus criador, pai e mãe em plenitude; o de um ser humano que se deixou penetrar por Deus sem entraves da sua liberdade, conhecimento e vontade; o da actuação perene de Deus na história humana.

As casas de repouso eterno novidade

As notícias chegam-nos em catadupa. Os nossos entes queridos que já não podiam viver connosco porque a vida frenética que levamos não nos permite cuidar deles e que, por amor, por compaixão e por comodidade, os colocámos nas casas de repouso, estão a morrer às dezenas. Os remorsos invadem-nos o espírito, sem que possamos encontrar uma solução e não vale a pena estar a acusar as instituições ou os funcionários que fazem tudo o que podem para os cuidar.

Peste Malina

Não, não é O Ano da Morte de Ricardo Reis, mas é o ano d’A Peste. As Ondas de pequenos monstros transformaram a terra num Vasto Mar de Sargaços. Qualquer Coisa Como um Lugar de Massacre. Nada vai voltar a ser como O Mundo em que Vivi. Sim, Os Dias Tranquilos acabaram, Os Anjos desfizeram As Estrelas Propícias (se é que, na verdade, alguma vez existiram). Agora, a vida está Em Frente da Porta, do Lado de Fora e toda a gente está confinada aos Pequenos Delírios Domésticos.

Cultura e artes

Diálogos com Paulo Freire

Trata-se de dois livros inspirados na filosofia de Pauloreire, a quem de há largos anos chamo meu “Mestre”: o primeiro, de Christopher Damien Auretta, Diz-me TU quem EU sou: Diálogo com Paulo Freire. O segundo, do mesmo autor com João Rodrigo Simões: Autobiografia de uma Sala de Aula: Entre Ítaca e Babel com Paulo Freire (Epistolografia).

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco