Uma centena em apoio de Cristina Tavares

19 Jan 19Sociedade, Trabalho e Economia, Últimas

 Cristina Tavares, esta manhã, em Santa Maria de Lamas; foto Manuel Pinto

Cerca de uma centena de pessoas juntaram-se neste sábado, 19 de janeiro, numa manhã chuvosa e fria, para marchar em solidariedade com a operária corticeira Cristina Tavares. “Direito ao trabalho, trabalho com direitos” e “Denunciar não é difamar” foram alguns dos motes deste gesto solidário, que pretendia afirmar-se contra o duplo despedimento de que a operária foi vítima, depois de o Tribunal ter decidido pela sua reintegração. No centro cívico de Santa Maria de Lamas estiveram, além de outros trabalhadores do setor, dirigentes sindicais e políticos, entre os quais o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, e a coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins. Arménio Carlos anunciou que o Sindicato dos Operários Corticeiros do Norte vai interpor uma ação em tribunal para contestar legalmente o despedimento. 

Foi quando regressou ao trabalho em 2017, depois de um período de baixa, que Cristina Tavares soube que a Fernando Couto Cortiças decidira extinguir o seu posto de trabalho e despedi-la. O caso foi para tribunal, que acabou a dar razão à operária. Reintegrada em Maio de 2018, foi obrigada a carregar e descarregar as mesmas paletas durante o dia inteiro. Apesar de duas averiguações da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), que levou à aplicação de uma coima de 31 mil euros à empresa, esta ignorou os avisos e acabou por despedir de novo Cristina Tavares, no passado dia 10, acusando-a de difamação. 

A marcha de solidariedade surgiu na sequência deste segundo despedimento “por justa causa” de que Cristina Tavares foi vítima, acusada de difamar a empresa em que trabalhava com declarações feitas a meios de comunicação social. As declarações surgiram na sequência de denúncias de assédio moral no posto de trabalho, a acusação que a ACT verificou e levou á aplicação da coima.

A situação que configurava assédio moral foi vista como vingança, pelo facto de o Tribunal da Relação do Porto já ter anulado o primeiro despedimento da trabalhadora e obrigado a empresa a voltar a reintegrá-la. Só que Cristina Tavares foi obrigada a fazer diariamente o mesmo trabalho improdutivo, encarado pela própria e pelo seu sindicato como uma forma de a humilhar e forçá-la a abandonar a empresa.

(notícia actualizada às 15h30 com a informação da contestação ao despedimento e elementos de contextualização nos dois últimos parágrafos)

Breves

Boas notícias

É notícia 

Cultura e artes

A potência benigna de Dietrich Bonhoeffer

O influente magistério de Dietrich Bonhoeffer, a sua vigorosa resistência ao nazismo e o singular namoro com Maria von Wedemeyer são três momentos da vida do pastor luterano que merecem uma peculiar atenção na biografia Dietrich Bonhoeffer. Teólogo e mártir do nazismo, da autoria do historiador italiano Giorgio Cavalleri. A obra, publicada pelas Paulinas em Maio, permite agora que um público mais vasto possa conhecer aquele que é geralmente considerado como um dos mais influentes teólogos do século XX.

Uma exposição missionária itinerante, porque “parar é retroceder”

Um altar budista do Tibete; uma barquinha em chifres, de Angola; um calendário eterno dos aztecas; crucifixos de África ou da Índia; uma cuia da Amazónia; uma mamã africana e uma Sagrada Família, de Moçambique; uma placa com um excerto do Alcorão; e um nilavilakku , candelabro de mesa indiano – estas são algumas das peças que podem ser vistas até sábado, 19 de Junho, na Igreja de São Domingos, em Lisboa (junto ao Rossio).

Pessoas

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

Bicentenário do Báb, “Manifestante de Deus” e fundador da Fé Bahá’í novidade

Uma das particularidades da religião bahá’í é ter na sua origem dois Profetas: o Báb e Bahá’u’lláh. E se na terminologia bahá’í os fundadores das grandes religiões mundiais são referidos como “Manifestantes de Deus” (porque manifestam características divinas), a origem dupla da Fé Bahá’í levou alguns autores a referir os seus fundadores como “Manifestantes Gémeos”.

A crise do capital, uma doença demolidora

Tenho para mim que o problema pode ser mais largo e profundo. Prefiro centrá-lo mais na longa e constante crise da doença destruidora do capitalismo mundial, nas suas mais diversas formas. Um sistema que, verdadeiramente, se encontra doente e não funciona em benefício da maioria da população.

Fale connosco