Uma centena em apoio de Cristina Tavares

| 19 Jan 19

 Cristina Tavares, esta manhã, em Santa Maria de Lamas; foto Manuel Pinto

Cerca de uma centena de pessoas juntaram-se neste sábado, 19 de janeiro, numa manhã chuvosa e fria, para marchar em solidariedade com a operária corticeira Cristina Tavares. “Direito ao trabalho, trabalho com direitos” e “Denunciar não é difamar” foram alguns dos motes deste gesto solidário, que pretendia afirmar-se contra o duplo despedimento de que a operária foi vítima, depois de o Tribunal ter decidido pela sua reintegração. No centro cívico de Santa Maria de Lamas estiveram, além de outros trabalhadores do setor, dirigentes sindicais e políticos, entre os quais o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, e a coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins. Arménio Carlos anunciou que o Sindicato dos Operários Corticeiros do Norte vai interpor uma ação em tribunal para contestar legalmente o despedimento. 

Foi quando regressou ao trabalho em 2017, depois de um período de baixa, que Cristina Tavares soube que a Fernando Couto Cortiças decidira extinguir o seu posto de trabalho e despedi-la. O caso foi para tribunal, que acabou a dar razão à operária. Reintegrada em Maio de 2018, foi obrigada a carregar e descarregar as mesmas paletas durante o dia inteiro. Apesar de duas averiguações da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), que levou à aplicação de uma coima de 31 mil euros à empresa, esta ignorou os avisos e acabou por despedir de novo Cristina Tavares, no passado dia 10, acusando-a de difamação. 

A marcha de solidariedade surgiu na sequência deste segundo despedimento “por justa causa” de que Cristina Tavares foi vítima, acusada de difamar a empresa em que trabalhava com declarações feitas a meios de comunicação social. As declarações surgiram na sequência de denúncias de assédio moral no posto de trabalho, a acusação que a ACT verificou e levou á aplicação da coima.

A situação que configurava assédio moral foi vista como vingança, pelo facto de o Tribunal da Relação do Porto já ter anulado o primeiro despedimento da trabalhadora e obrigado a empresa a voltar a reintegrá-la. Só que Cristina Tavares foi obrigada a fazer diariamente o mesmo trabalho improdutivo, encarado pela própria e pelo seu sindicato como uma forma de a humilhar e forçá-la a abandonar a empresa.

(notícia actualizada às 15h30 com a informação da contestação ao despedimento e elementos de contextualização nos dois últimos parágrafos)

Breves

Boas notícias

O renascer da Ordem Cisterciense em Portugal

No Mosteiro Trapista de Palaçoulo

O renascer da Ordem Cisterciense em Portugal

Filha de Trás-os-Montes e Alto Douro, acolhi com muita alegria a notícia da construção de um Mosteiro Cisterciense Trapista no planalto mirandês. Monjas italianas escolheram Portugal e estabeleceram-se aqui. Neste lugar aberto às montanhas azuis, ao longe; terra ressequida de xisto: urze, estevas, plantas rasteiras, juntamente com velhos carvalhos e sobreiros. Terra amarela do centeio. Cabras, ovelhas, vacas – o que resta. Nas aldeias, casas fechadas, tantas…

Outras margens

Cultura e artes

Pessoas

Sete Partidas

Acolher sem porquês

Eu e o meu namorado vivemos na Alemanha e decidimos desde o início da guerra na Ucrânia hospedar refugiados em nossa casa. Pensámos muito: nenhum de nós tem muito tempo disponível e sabíamos que hospedar refugiados não é só ceder um quarto, é ceder paciência, muita paciência, compreensão, ajuda com documentos…

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Na ressaca da abundância

Fruir é o verbo do presente e andamos pelo mundo atrás de abundâncias: de coisas, de experiências, de bem-estar e de divertimentos, cada vez mais sofisticados e inacessíveis. Vivemos como se a felicidade estivesse fora de nós, nas coisas que corremos para comprar, nas pessoas com quem estamos, nas experiências que vivemos.

Férias — a alegoria das formigas

Hoje, e por estarmos no querido mês de Agosto, dou comigo a refletir sobre este lugar-comum da alegoria das formigas, que é o tempo de férias. Até temos a sorte de viver num país cuja esperança média de vida ronda os 80 anos; desses 80, somos forçosamente influenciados a trabalhar 48. E destes apenas três são tempo de férias.

É possível sonhar na velhice e alcançar

Sonhar?! Sonhos! Uns realizam-se, outros não, mas um homem sem sonhos é um homem pobre, sem visão, sem propósitos. Muitas pessoas têm a ideia de que sonhar é algo somente para os jovens, talvez porque naturalmente têm ainda muito tempo para viver. Mas será isso verdade?! Será possível sonhar na velhice? Entrar na velhice é parar de sonhar, projetar e avançar? Ou o que o impede ou lhe diz que não pode sonhar?

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This