Fome cresce no Afeganistão

274 milhões de pessoas no mundo vão precisar de ajuda humanitária em 2022

| 2 Dez 2021

Mulheres esperam que os filhos sejam examinados para avaliar a subnutrição, numa clínica na província de Balkh, no Afeganistão. Foto © WFP/Julian Frank.

 

Com milhares e milhares a necessitarem de ajuda imediata no Afeganistão, as Nações Unidas anteciparam um próximo ano dramático para um total de 274 milhões de pessoas em todo o mundo.

Segundo os dados que constam do relatório Panorama Humanitário Mundial 2022 (GHO 2022, na sigla em inglês), divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU), estes quase 300 milhões de pessoas irão precisar de algum tipo de ajuda humanitária no decorrer de 2022, que representa um aumento de 17% em relação a este ano.

“Em 2022, um total de 274 milhões de pessoas irão precisar de assistência humanitária e proteção — um aumento significativo em relação aos 235 milhões de há um ano, que já era o número mais alto em décadas”, lê-se no documento.

Este relatório, apresentado esta quinta-feira a partir de várias capitais do mundo, como Bruxelas, Genebra e Washington, aponta ainda a necessidade de encontrar 41 mil milhões de dólares (36 mil milhões de euros) para prestar ajuda, no decorrer do próximo ano, a 183 milhões de pessoas que necessitam de uma assistência urgente em 63 países.

Estas pessoas serão abrangidas pelos 37 planos de resposta humanitária conduzidos pela ONU e por organizações parceiras.

Para já, o drama imediato é o Afeganistão, em que a situação humanitária se degrada a cada dia que passa. O Programa Alimentar Mundial (PAM) lançou também esta quinta-feira um apelo para que a comunidade internacional não se esqueça do povo afegão. 

A porta-voz do PAM no Afeganistão, Shelley Thakral, conta que há cada vez mais pessoas desesperadas. “A situação já é dramática no Afeganistão. Há muita gente a passar fome. Estamos a assistir a um aumento dos casos de subnutrição. Em muitas das clínicas que visitámos, vemos mães com filhos muito pequenos ao colo. Quando olhamos para eles, parece que têm sete ou oito meses, mas, na verdade, têm dois anos e meio.”

A porta-voz do PAM sublinha que a situação se agravou com a chegada dos taliban ao poder, estando já a atingir dimensões “dramáticas”. A pobreza estende-se agora às zonas urbanas. Desde agosto, com a retirada das tropas internacionais e a chegada dos taliban ao poder, milhares de pessoas perderam os empregos, deixaram mesmo de ter uma forma de sustento.

O país precisa de 220 milhões de dólares (cerca de 194,2 milhões de euros) por mês para que ninguém morra de fome.

A situação do Afeganistão ajuda ainda a ilustrar o que o GHO 2022 revela: mais de um por cento da população mundial está deslocada e a pobreza extrema está a aumentar novamente.

Na maioria das crises humanitárias, as mulheres e meninas são as que mais sofrem, à medida que as desigualdades de género e os riscos de proteção aumentam.

 

Mulheres vão intervir na escolha dos bispos

Papa revela em entrevista

Mulheres vão intervir na escolha dos bispos novidade

Depois de ter anunciado o desejo de visitar a Rússia e a Ucrânia, a seguir à viagem que vai fazer ao Canadá, o Papa Francisco surpreendeu esta quarta-feira ao anunciar a intenção de nomear duas mulheres para o comité do Dicastério dos Bispos, que procede à análise dos nomes a escolher para as dioceses, nas diferentes partes do mundo.

Terrorismo, ciclones e Missão

Norte de Moçambique

Terrorismo, ciclones e Missão novidade

É verdade que toda a Igreja se empenhou na assistência humanitária às vítimas do ciclone Gombe, com a distribuição de alimentos e materiais de construção para as casas. E também abre braços e corações para acolher os deslocados de Cabo Delgado. Mas a grande aposta na construção de um futuro melhor passará por projectos de desenvolvimento e por mais e melhor educação integral.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

“Finalmente encontrei um cristão de verdade!”

“Finalmente encontrei um cristão de verdade!” novidade

Não se é cristão porque se pratica a religião cristã, ou pela simples razão de ir à igreja, ou porque se pratica boas obras.
Não se é cristão porque se conhece bem a Bíblia, faz-se beneficência ou até se dá a vida em nome de Deus.
Tudo isto pode ser feito, e na verdade não é ser cristão. Parecer é uma coisa, ser é outra.   

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This