3 Milhões de Nós: outra linguagem para chegar a mais pessoas

| 14 Nov 18

O encontro 3 Milhões de Nós pretendeu renovar a linguagem para aproximar a mensagem cristã dos jovens
 
“Eu fiz a escola primária num colégio de freiras vicentinas, depois estudei num colégio de padres franciscanos; depois, então, estudei num colégio de padres jesuítas e, no fim, Universidade Católica. Muitas vezes as pessoas perguntam-me se é por isso que eu sou ateu. E não é: eu sou ateu apesar disso.”
Foi assim que, entre muitas gargalhadas, o humorista Ricardo Araújo Pereira começou a sua intervenção no encontro 3 Milhões de Nós, que encheu a Aula Magna, em Lisboa. Sábado passado, 10 de Novembro, cerca de 1700 pessoas – jovens, na maior parte – ouviram um conjunto de convidados a falar sobre temas como a espiritualidade, o mundo do trabalho ou a família. O título da iniciativa remete para o facto de, em Portugal, haver cerca de três milhões de pessoas com menos de 25 anos, que o encontro pretendia atingir, com criatividade e novas linguagens, como diria a irmã Núria Frau, responsável da iniciativa. 
O humorista falou sobre viver a espiritualidade sem fé, partindo da sua experiência de, não sendo crente, ter frequentado escolas católicas. Destacou o impacto que para ele teve o “padre Joaquim”, um professor de Português do colégio dos padres franciscanos. Recentemente falecido, a sua recordação emocionou o fundador dos Gato Fedorento. Ricardo Araújo Pereira acrescentou que, enquanto ateu, está sempre a pensar no fim da vida e na sua finalidade ou propósito. Mas que, apesar disso, se considerava semelhante a quem tem fé: todos estão “à procura: não acredito em Cristo, mas acredito nos cristãos”. 
 
 

Um painel com frases escritas pelos participantes, no qual a frase de Ricardo Araújo Pereira foi reproduzida

 
 
Acerca da experiência de ter fé falou também Zohora Pirbhai, da Comunidade Ismaili de Lisboa, um dos grupos muçulmanos mais importantes. A oradora pretendia dar outra perspetiva acerca do Islão. Assumindo-se como feminista e islâmica, salientou que, no seu modo de entender o seu islão, os dois conceitos não se excluem mutuamente.
 
 
Portugal “resiste à crise de fé”
 
Da experiência cristã falou o padre jesuíta Pedro Rocha Mendes, para quem os jovens continuam a tentar preencher a vida com algo mais: “O mundo em que vivemos”, virtual, descartável e instantâneo, como caracterizou, “está voltado para a satisfação imediata, mas todos nos apercebemos que a satisfação não gera felicidade, mas sim, mais insatisfação.” 
O padre Rocha Mendes acrescentou: “A melhor metáfora é a doslikesno Instagram ou no Facebook: quando alcanço os 1500, quero atingir os 2000 ou os 3000. E sentimos falta de alegrias que não sejam passageiras. E isso vem de viver a nossa vida segundo valores em que acreditamos: bondade, justiça e verdade.” O jesuíta apresentou três hipóteses para Portugal ter ainda um número tão elevado de jovens que se identificam como católicos: a ideia de que “resistimos a tudo” – até mesmo à secularização – e de que “somos tão maus que nem nisto do secularismo somos bons”. Ou ainda, a ideia de que a crise de fé ainda não atingiu Portugal, “porque estamos sempre atrasados”. No final, ainda propôs uma quarta alternativa: a crise de fé está a decorrer, mas Portugal está a resistir. 
Da parte da tarde, em vários painéis de debate, jovens, professores, educadores e pais refletiram sobre temas diversos. No painel sobre o voluntariado – que teve lotação esgotada – Catarina Furtado, apresentadora e responsável da organização Corações com Coroa, moderou uma conversa entre três coordenadores de diferentes tipos de trabalho voluntário. 
 

Debate sobre o voluntariado: tentar ver para lá das aparências e das emoções descartáveis

 

Filipe Fonseca falou dos voluntários de proximidade, aqueles que, no dia-a-dia, ajudam no trabalho, na rua, no metro, tentando ver “para lá das aparências e das emoções descartáveis”. Simão Oom referiu-se à remodelação de casas e vidas, o trabalho da organização Just A Change, para pessoas que não o conseguem fazer. E disse, brincando: “Isto não é o programa Querido Mudei a Casa, em que as pessoas vão embora da casa” e, quando voltam, a mudança está feita. Com os processos da Just a Change, “as pessoas estão idealmente envolvidas no processo de remodelação, ajudando como podem, nem que seja a oferecer lanche aos voluntários e, assim, criam-se laços.”

 

Ir. Núria Frau: “Se a Igreja usar outra linguagem e outra criatividade, também consegue chegar a mais pessoas.”

 

Uma das responsáveis da iniciativa, a irmã Núria Frau, da Família Missionária Verbum Dei, ficou contente com os resultados. As suas expectativas para o dia prendiam-se mais com o bem que se podia fazer a partir do encontro: se “isto ajuda Jesus, se isto ajuda as pessoas e se as faz crescer”. E afirmava: “É uma graça indiscutível que as pessoas tenham respondido. Sinto que houve uma boa resposta e isso é sinal de que há necessidade. Se a Igreja usar outra linguagem e outra criatividade, também consegue chegar a mais pessoas. Porque a dificuldade é oferecer às pessoas o que elas precisam na linguagem que usam e respondendo à necessidade que sentem.”

Breves

Boas notícias

É notícia

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro novidade

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Pessoas

Abiy Ahmed Ali, o Nobel da Paz para um cristão pentecostal

Abiy Ahmed Ali, o Nobel da Paz para um cristão pentecostal

O primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed Ali, receberá nesta terça-feira o Nobel da Paz de 2019, numa cerimónia em Oslo. O Comité Nobel não o disse, mas várias das atitudes e propostas do mais jovem líder da África, com 43 anos, radicam na sua fé cristã de matriz pentecostal.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

Eutanásia, hora do debate novidade

Seja qual for a posição de cada um, a reflexão e o debate sobre a eutanásia é uma exigência de cidadania e não uma discussão entre alguns, em círculo fechado, mesmo se democraticamente nos representam. Quando está em jogo o tipo de sociedade que desejo para os meus netos, não quero que outros decidam sem saberem o que penso.

“Qual é o mal de matar?”

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Fale connosco