Um ano da encíclica do Papa

Fratelli Tutti deve levar a ouvir “o clamor dos pobres”

| 4 Out 2021

Há um ano, o Papa Francisco assinou a publicação da Fratelli Tutti em Assis.

 

A Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana publicou uma “breve nota” sobre o primeiro aniversário da encíclica Fratelli tutti, escrita pelo Papa Francisco e que reflete a temática da fraternidade entre os povos.

A nota refere o “agradecimento” ao Papa Francisco pelo documento que reflete “o seu dinamismo e a sua determinação na construção de um mundo mais justo e mais fraterno”.

É neste sentido que a CEPSMH recomenda que todas as comunidades cristãs ouçam “o clamor dos pobres e de todos os excluídos na resposta que nos é solicitada no caminho sinodal para a Assembleia de 2023”, assim como abram o seu “coração” na preparação para a Jornada Mundial da Juventude de 2023 no “acolhimento aos jovens que nos chegarão do mundo inteiro”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This