Em Braga

Vigília assinalou 1000 horas de guerra na Ucrânia

| 6 Abr 2022

vigilia pela ucrania braga foto direitos reservados

A iniciativa da vigília partiu da Civitas Braga, Associação para a Defesa e Promoção dos Direitos dos Cidadãos. Foto: Direitos reservados.

Para assinalar a milésima hora da guerra na Ucrânia, cerca de três dezenas de pessoas participaram, esta quarta-feira, 6, numa vigília na Avenida Central, em Braga. Músicas e cânticos ucranianos levaram os presentes à emoção e à introspecção. O recolhimento foi ainda maior com dois minutos de silêncio guardados pelas vítimas da guerra.  Ucranianos de todas as idades, com bandeiras ao peito, e portugueses solidários, mantiveram-se no local durante uma hora.

O ucraniano Vasyl BundzyaK, pároco da igreja ortodoxa de Braga e mediador intercultural na Câmara Municipal de Braga, visivelmente abalado, tomou a palavra para reforçar que o que está a ocorrer no seu país “é uma verdadeira guerra e não um conflito”. “Nós não queremos nada da Rússia. Ela é que quer de nós”, acrescentou. Palavras que emocionaram os participantes, que acabaram por gritar, em uníssono “Glória à Ucrânia, Slava Ukrani.”

A iniciativa da vigília partiu da Civitas Braga, Associação para a Defesa e Promoção dos Direitos dos Cidadãos. Para o presidente da associação, Nuno Barbosa, tratou-se de “um momento de solidariedade para com todas as pessoas ucranianas e, em especial, para com todos os ucranianos que vivem em Braga: os que já cá estavam antes e os que para cá fugiram agora”. Recorde-se que chegaram recentemente a Braga quatro autocarros com refugiados ucranianos.

Nem mesmo os ânimos dos adeptos do Rangers FC – que festejavam junto à Arcada – conseguiram perturbar a vigília. Alguns membros da claque não resistiram e acabaram mesmo por se juntar à iniciativa.

Se a ideia da evocação das “1000 horas” partiu da Civitas Braga, muitas foram as organizações que apoiaram e participaram no evento – entre outras, a Associação dos Estudantes de Direito da Universidade do Minho, a Associação Humanitária Domus – Dignificar a Habitação, Braga SOS Ucrânia, Centro Académico de Braga, Cáritas Arquidiocesana de Braga, Colégio Luso-Internacional de Braga, Instituto de Educação da Universidade do Minho, Junta de Freguesia de S. Victor, Meeru | Abrir Caminho, UMAR Braga ou Virar a Página.

 

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador novidade

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim

Testemunho de uma vítima

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim novidade

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa novidade

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes

Contributos para o Sínodo (25)

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes novidade

Organizar iniciativas de diálogo com não-crentes e crentes de outras religiões, abrindo a Igreja à sociedade e fazendo dela um motor do progresso social e da comunhão humana; assumir a dimensão da Sinodalidade como verdadeira abertura ao século XXI; e promover o encontro entre a ciência e a espiritualidade, sempre possível, cria pontes da Igreja com as instituições de Ensino Superior – estas são algumas das propostas da comunidade da Capelania da Universidade de Coimbra, em resposta à maior auscultação alguma vez feita à escala planetária, lançada pelo Papa Francisco, para preparar a assembleia do Sínodo dos Bispos de 2023.

Alter do Chão recebe recital de voz e piano

Festival Terras sem Sombra

Alter do Chão recebe recital de voz e piano novidade

O Cineteatro de Alter do Chão acolhe este sábado, 2 de julho, pelas 21h30, um recital da soprano Carla Caramujo e da pianista Lígia Madeira, no âmbito do Festival Terras sem Sombra (FTSS). Intitulado “O Triunfo da Primavera: Canções de Debussy, Poulenc, Fragoso, Lacerda, Schubert e Wolf”, o concerto promete levar o público a diferentes geografias musicais, do século XIX ao período contemporâneo.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This