47 instituições religiosas anunciam desinvestimento em combustíveis fósseis

| 16 Nov 2020

Ambiente. Atmosfera. Poluição. São Paulo.

Poluição em São Paulo: o desinvestimento de estruturas religiosas em indústrias de combustíveis fósseis pode ser inspirador para outros, diz responsável da ONU. Foto © paulisson miura/WIkimedia Commons.

 

A Comissão das Conferências Episcopais da União Europeia, (Comece) e mais 46 instituições católicas, protestantes, anglicanas e judaicas de 21 países anunciaram nesta segunda-feira o seu compromisso em desinvestir em combustíveis fósseis. Este é o maior anúncio conjunto de instituições católicas, informa o Movimento Católico Global pelo Clima (MCGC).

A lista inclui outras organizações importantes como a Associação dos Padres Católicos dos Estados Unidos, o Serviço Mundial Judaico Americano (American Jewish World Service) ou o Fórum Mundial da Acção Católica, mas não há nenhuma organização portuguesa (na lista do total de quase 400 organizações aderentes até agora, está a Comissão Nacional Justiça e Paz).

Este compromisso implica sobretudo a decisão de não investir o dinheiro depositado no banco em qualquer fundo ou empresa que trabalhe com combustíveis fósseis. E é também o primeiro depois da publicação do guia sobre a execução da Laudato Si’, publicado no final e Maio pelo Grupo Interdicasterial da Santa Sé sobre Ecologia Integral, A Caminho para o Cuidado da Casa Comum – a cinco anos da Laudato Si’.

Nesse documento, como já na encíclica do Papa publicada em 2015, propõe-se que as estruturas católicas não só passem a utilizar formas de energia limpa como, se for o caso, não invistam em empresas que “prejudiquem a ecologia humana ou social (por exemplo, através do aborto ou do comércio de armas) ou a ecologia ambiental (por exemplo, através do uso de combustíveis fósseis)”.

 

Religiões podem ser inspiradoras para outros

O mapa com as organizações que aderiram nesta segunda-feira.

 

O anúncio desta segunda-feira é também o primeiro após o início da pandemia. O que o torna importante, já que traduz o apoio das instituições religiosas a indústrias de energia limpa, que protegem igualmente o emprego e a saúde.

Inger Andersen, director executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente e subsecretário-geral das Nações Unidas, afirmou a propósito, citado na página do MCGC: “O poder económico das religiões, voltado para investimentos responsáveis e a economia verde, pode ser um grande impulsionador de mudanças positivas e uma inspiração para outros.”

A pressão de investidores religiosos e outros grupos, diz a mesma informação, já expôs a fraqueza da indústria de combustíveis fósseis, como no caso da Royal Dutch Shell, que no seu último relatório já citava a preocupação com o desinvestimento, diz o MCGC.

Na mesma página, o secretário-geral da Comece, padre Manuel Enrique Barrios Prieto, afirma: “Encorajamos outros a juntarem-se a nós na tomada de medidas concretas para resolver a crise climática. Resolver a crise climática protege a família humana dos perigos de um mundo em aquecimento, e uma acção decisiva é necessária agora mais do que nunca.”

Também o Papa Francisco, recorda a mesma fonte, já exortou as organizações católicas a desinvestir de empresas que “não cumprem os parâmetros da ecologia integral” e investir em organizações que dão prioridade à “sustentabilidade, justiça social e promoção do bem comum”. O tema não deixará de estar presente no encontro “Economia de Francesco”, que se reúne em conferência virtual nesta semana, sob a égide de São Francisco de Assis, para debater formas inovadoras de organização económica, mais justas e sustentáveis.

 

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos

Relatório da ONU alerta

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos novidade

O mais recente relatório da ONUSIDA, divulgado esta terça-feira, 29 de novembro,  é perentório: “o mundo continua a falhar à infância” na resposta contra a doença. No final de 2021, 800 mil crianças com VIH não recebiam qualquer tratamento. Entre os cinco e os 14 anos, apenas 40% tiveram acesso a medicamentos para a supressão viral. A boa notícia é que as mortes por sida caíram 5,79% face a 2020, mas a taxa de mortalidade observada entre as crianças é particularmente alarmante.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Gracia Nasi, judia e “marrana”

Documentário na RTP2

Gracia Nasi, judia e “marrana” novidade

Nascida em Portugal em 1510, com o nome cristão de Beatriz de Luna, Gracia Nasi pertencia a uma uma família de cristãos-novos expulsa de Castela. Viúva aos 25 anos, herdeira de um império cobiçado, Gracia revelar-se-ia exímia gestora de negócios. A sua personalidade e o destino de outros 100 mil judeus sefarditas, expulsos de Portugal, são o foco do documentário Sefarad: Gracia Nasi (RTP2, 30/11, 23h20).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This