Hilário afastado

Estilhaços da invasão russa da Ucrânia também atingem Igreja Ortodoxa

| 8 Jun 2022

Reunião do Santo Sínodo da Igreja Ortodoxa Russa foto do padre Igor Palkin (1200 × 900 px)

Reunião do Santo Sínodo da Igreja Ortodoxa Russa, 7 de junho de 2022. Foto © Igor Palkin.

 

A invasão da Ucrânia pelas tropas de Putin, além dos desenvolvimentos militares propriamente ditos, continua a provocar ondas de choque no campo ortodoxo. O motivo continua a ser o apoio aberto dado pelo Patriarca Cirilo, de Moscovo, à guerra desencadeada pelo Presidente russo. Nos últimos dias, o Sínodo da Igreja Ortodoxa Russa (IOR) decidiu, através de um decreto de Cirilo, exonerar o metropolita Hilário, seu número 2 e por muitos apontado como eventual sucessor, do importante cargo de responsável pelo Departamento de Relações Externas da IOR e de membro permanente do Sínodo da mesma Igreja. O seu destino vai ser a Hungria, onde administrará a diocese de Budapeste e do resto do país, um posto que já ocupou de 2003 a 2009, antes de ser chamado para Moscovo.

Hilario foi, há alguns meses, no Vaticano, o negociador de um encontro que se preparava entre o Papa Francisco e o Patriarca Cirilo. Alguns setores ortodoxos consideravam-no um moderado – nunca se lhe ouviram declarações explícitas de apoio à invasão da Ucrânia, por exemplo – e outros tomavam-no até como um filo-católico, pelas relações amistosas que mantinha e mantém com setores da Igreja Católica. Numa visita de cinco dias que fez precisamente à Hungria, já no corrente mês, Hilario teve uma audiência em Budapeste com o cardeal Erdö, que o convidara para uma conferência no Congresso Eucarístico Mundial, em 2021.

Recorde-se que foi o governo da Hungria e do seu primeiro-ministro Viktor Orban que bloqueou recentemente a intenção da União Europeia de incluir o patriarca Cirilo na lista de personalidades russas objeto de sanções. Esta atitude do governante húngaro foi objeto de um agradecimento formal por parte do mesmo Sínodo da IOR que despromoveu Hilário. O Santo Sínodo, sob a presidência do patriarca Cirilo, de Moscovo e toda a Rússia, manifestou a Orban gratidão pela “sua posição firme sobre a inadmissibilidade de colocar o Santo Patriarca (…)  na lista de sanções da UE”, refere a nota sinodal.

O metropolita Hilário foi substituído no Departamento de Relações Externas e no Sínodo da IOR pelo também metropolita António de Korsun, 37 anos, que era, até agora, exarca (legado) patriarcal da Europa Ocidental, que inclui Portugal.

Entretanto, o processo de rompimento de laços da Igreja Ortodoxa da Ucrânia (IOU) com o Patriarcado de Moscovo continua a ser objeto de interpretações e polémicas. Parece claro que se registou algum tipo de afastamento, mas observadores do processo sublinham aspetos nebulosos que deixam dúvidas no ar.

Um sinal de que algo se alterou na relação entre a IOU e Cirilo foi a decisão tomada no Sínodo da IOR desta segunda-feira, 6 de junho, de chamar a si o controlo da Igreja Ortodoxa da Crimeia, que se manteve na dependência da IOU, mesmo depois da anexação da península da Crimeia pela Rússia, em fevereiro de 1914.

De acordo com uma resolução sinodal, os hierarcas da Crimeia apresentaram ao Patriarca e ao Sínodo “um pedido para transferir as eparquias a eles confiadas” para a jurisdição do Patriarcado de Moscovo, dadas as dificuldades de comunicação com a sede metropolitana de Kiev, o que foi aceite.

 

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel

Reino Unido

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel novidade

Glyn Secker, secretário da Jewish Voice For Labor – uma organização que reúne judeus membros do Partido Trabalhista ­–, lançou um violento ataque aos “judeus que colocam Israel no centro da sua identidade” e classificou o sionismo como “uma obscenidade” ao discursar no dia 10 diante de Downing Street, durante um protesto contra os ataques de Israel na faixa de Gaza.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Resgatadas 29 pessoas

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Dezenas de pessoas estão desaparecidas depois de um barco ter naufragado no mar Egeu, na quarta-feira, ao largo da ilha grega de Cárpatos, divulgou a ACNUR. A embarcação afundou-se ao amanhecer, depois de da costa sul da vizinha Turquia, em direção a Itália. “Uma grande operação de busca e resgate está em curso.”

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This