Em cinco anos, número aumentou 10 milhões

50 milhões de pessoas viviam em escravidão em 2021

| 20 Set 2022

Minas. Crianças. Trabalho infantil. Congo

Crianças a separar minerais, no Lago Malo, próximo de Kolwezi, na República Democrática do Congo, em Maio 2015: as crianças e as mulheres continuam a ser grupos particularmente vulneráveis. Foto © Amnesty International e Afrewatch.

 

Cinquenta milhões de pessoas, ou seja, uma pessoa em cada 150, viviam em escravidão em 2021. E o trabalho forçado atingia outras 28 milhões, sendo que mais de 3,3 milhões eram crianças; outras 22 milhões de pessoas foram vítimas de casamento forçado. Estes dados constam do estudo Global Estimates of Modern Slavery, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), divulgado no início de setembro, e que pretende analisar as modernas formas de escravidão, entre as quais o trabalho e o casamento forçados, nomeadamente entre crianças.

O estudo, com dados de 2021, foi realizado em parceria com a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e com a organização de direitos humanos Walk Free. De acordo com aquelas agências internacionais, a escravidão moderna ocorre em quase todos os países do mundo e atravessa grupos étnicos, culturas e religiões. Mais de metade (52%) de todo o trabalho forçado, além de um quarto de todos os casamentos forçados, foram encontrados em países com rendimento médio elevado ou de rendimento elevado.

Em relação aos dados de 2016 – ou seja, em apenas cinco anos – o número de vítimas das modernas formas de escravidão teve um aumento de 10 milhões de pessoas. As mulheres e as crianças continuam a ser grupos absurdamente vulneráveis.

A maioria dos casos registados em 2021, somando 86%, ocorre no setor privado. A exploração sexual comercial forçada representa 23% de todo o trabalho escravo. Cerca de quatro em cada cinco das vítimas de exploração sexual são mulheres ou meninas.

Os migrantes são um grupo bastante vulnerável e a probabilidade de serem sujeitos a trabalho forçado é três vezes superior aos não migrantes.

“Sabemos o que precisa ser feito e sabemos que pode ser feito. Políticas e regulamentações nacionais eficazes são fundamentais. Mas os governos não podem fazer isso sozinhos. As normas internacionais fornecem uma base sólida e é necessária uma abordagem que inclua todas a partes: sindicatos, organizações de empregadores, sociedade civil e pessoas comuns têm um papel vital a desempenhar”, afirmou o diretor-geral da OIT, Guy Ryder.

António Vitorino, diretor-geral da OIM, comentou: “Este relatório destaca a urgência de garantir que toda a migração seja segura, ordenada e regular. A redução da vulnerabilidade das pessoas migrantes ao trabalho forçado e ao tráfico de pessoas depende, em primeiro lugar, de estruturas políticas e jurídicas que respeitem, protejam e cumpram com os direitos humanos e as liberdades fundamentais de todos os migrantes – e potenciais migrantes – em todas as fases do processo de migração, independentemente de seu estato de migração. Toda a sociedade deve trabalhar junta para reverter essas tendências chocantes, inclusive por meio da implementação do Pacto Global sobre Migração.”

Na página do escritório da OIT no Brasil, resume-se: “O trabalho forçado é um fenómeno global e dinâmico, que pode assumir diversas formas, incluindo a servidão por dívidas, o tráfico de pessoas e outras formas de escravidão moderna. Ele está presente em todas as regiões do mundo e em todos os tipos de economia, até mesmo nas de países desenvolvidos e em cadeias produtivas de grandes e modernas empresas atuantes no mercado internacional. Acabar com o problema exige não só o comprometimento das autoridades dos governos, como também um engajamento multifacetado de trabalhadores, empregadores, organismos internacionais e sociedade civil.”

O vídeo a seguir, feito pela OIT em inglês, resume o conteúdo do relatório.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Gratuito e universal

Documentário sobre a Laudato Si’ é lançado a 4 de outubro

O filme A Carta (The Letter) será lançado no YouTube Originals no dia 4 de outubro, anunciou, hoje, 21 de setembro, o Movimento Laudato Si’. O documentário relata a história da encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e defensores da sustentabilidade do planeta e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco.

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco

Terminou o encontro em Assis

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco novidade

“Espero por vocês em Assis.” Assim terminava a carta que o Papa escreveu aos jovens em maio de 2019, convidando-os a participar na Economia de Francisco. Apesar de uma pandemia o ter obrigado a adiar dois anos este encontro, e ainda que as dores no joelho o tenham impedido de vir pelo seu próprio pé, Francisco cumpriu a sua promessa, como só os verdadeiros amigos sabem fazer. Este sábado, 24, logo pela manhã, chegou à cidade de Assis para se juntar aos mil participantes do encontro A Economia de Francisco. Escutou atentamente os seus testemunhos e preocupações, deu-lhes os conselhos que só um verdadeiro amigo sabe dar, selou com eles um pacto e até reclamou por não terem trazido cachaça (bem sabemos que é próprio dos amigos rabujar e fazer-nos rir). Mas sobretudo provou-lhes que acredita neles e que é com eles que conta para fazer do mundo um lugar melhor.

Agenda

Fale connosco

Autores