Arquitetos deixaram a empresa

Projetos mais baratos do palco da JMJ recusados pela SRU

| 29 Jan 2023

jmj parque tejo foto dr

Autoridades demoram a encontrar consensos no que diz respeito à construção dos palcos para os eventos da JMJ. Foto: Direitos reservados. 

 

A preparação da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) continua envolta em polémica no que diz respeito aos custos e às obras relativas à construção dos palcos que deverão permitir a realização dos eventos centrais da JMJ em agosto próximo.

Uma notícia da TVI/CNN Portugal emitida neste domingo, 29, mostra dois projetos, alegadamente mais baratos e que teriam sido rejeitados pelo presidente da Sociedade de Reabilitação Urbana (SRU), atrasando o processo e levando a que a adjudicação para este projeto tivesse de acontecer por ajuste direto. Os autores dos projetos, ambos arquitetos da SRU, já não estarão ligados à JMJ: uma arquiteta saiu da empresa e o outro está, segundo a TVI, em regime de licença sem vencimento.

A polémica estalou quando o Observador anunciou o valor que constava no portal BASE de um projeto para o palco que receberá o altar e os outros espetáculos previstos para os dois últimos dias no Parque Tejo. Depois disso, multiplicaram-se as intervenções e explicações da Câmara Municipal de Lisboa, da Fundação JMJ Lisboa 2023 e do Governo, que sexta-feira emitiu um comunicado no qual explicava que a intervenção no projeto terá uma comparticipação total de 30 milhões de euros, por parte da Administração central.

Deste valor, 8,2 milhões foram já adjudicados no “âmbito da requalificação, valorização ambiental e fruição da zona ribeirinha do parque da Bobadela” através da deslocação dos contentores que ali se encontravam há anos sem solução à vista, diz o comunicado do Governo.

O resto do valor da comparticipação do Estado inclui “os montantes relacionados com a unidade de missão, a aquisição das torres multimédia, instalações sanitárias, transmissão televisiva, abastecimento de água, ponte militar, promoção do país no estrangeiro, centro de comando e segurança, centro de apoio à imprensa nacional e internacional” e ainda o “apoio, nomeadamente, na área da saúde, segurança, socorro e mobilidade”, segundo se pode ler no comunicado enviado ao 7MARGENS.

Para além deste, falta ainda conhecer de forma mais oficial o projeto que está pensado para o Parque Eduardo VII, que deverá acolher a missa de abertura, o acolhimento do Papa aos jovens e a Via Sacra, em dias diferentes da semana da JMJ, e que o Presidente da República terá pedido que fosse parado e repensado, o que já foi assumido também pela estrutura da JMJ.

Deste projeto para o Parque Eduardo VII, circula já um esboço em diferentes médias e nas redes sociais, mas a Fundação JMJ Lisboa 2023 ainda não o terá validado, pelo que não há certezas nem sobre o desenho nem sobre o custo. O Observador (notícia para assinantes) avança ainda que estará em cima da mesa a possibilidade de anular o palco do Parque Eduardo VII, e passar todos os eventos para o Parque Tejo.

Segundo indicou Américo Aguiar, presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023, está marcada para esta semana uma reunião entre todos os intervenientes no processo, na qual deverão ser feitos os ajustes ao projeto que permitam baixar o preço dos palcos do Parque Tejo e do Parque Eduardo VII. O Vaticano, questionado sobre o assunto, refere que não lhe cabe interferir no processo, como aliás tem sido norma em todas as anteriores jornadas.

 

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas

Dia Mundial do Refugiado

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas novidade

Dia 20 de Junho é dia de homenagearmos todos aqueles e aquelas que, através do mundo, se veem obrigados e obrigadas a fugirem do seu lar, a suspenderem a vida e a interromperem os seus sonhos no lugar que é o seu. Este é o dia de homenagearmos a força e a coragem desses homens e mulheres – tantos jovens e crianças, meu Deus! – que arriscam a vida na procura de um lugar que os acolha.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres

Uma religiosa e duas leigas

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres novidade

Pela quarta vez consecutiva, o papel das mulheres na Igreja voltou a estar no centro dos trabalhos do Papa e do seu Conselho de Cardeais – conhecido como C9 -, que se reuniu no Vaticano nos últimos dois dias, 17 e 18 de junho. Tratou-se de uma reflexão não apenas sobre as mulheres, mas com as mulheres, dado que – tal como nas reuniões anteriores – estiveram presentes três elementos femininos naquele que habitualmente era um encontro reservado aos prelados.

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem

Reunida em Seminário Internacional

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem novidade

“Precisamos que os sindicatos sejam mais fortes e tenham mais força nas negociações e apelamos a todos os os trabalhadores a unirem-se em volta das suas associações”. A afirmação é dos representantes da Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC), que estiveram reunidos no passado fim de semana no Museu da Central do Caldeirão, em Santarém, para o seu Seminário Internacional.

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda novidade

Nos últimos tempos muito se tem falado e escrito sobre escravatura e racismo no nosso país. Temas que nos tocam e que fazem parte da nossa história os quais não podemos esconder. Não assumir esta dupla realidade, é esconder partes importantes da nossa identidade. Sim, praticámos a escravatura ao longo de muitos séculos, e continuamos a fechar os olhos a situações de exploração de pessoas imigradas, a lembrar tempos de servidão.[Texto de Florentino Beirão]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This