Franciscanos recordam Greccio

Concurso nacional de presépios nos 800 anos do primeiro

| 7 Nov 2023

Pormenor do cartaz do concurso, com a imagem do fresco que decora a gruta em Greccio onde São Francisco recriou o primeiro presépio.

Pormenor do cartaz do concurso, com a imagem do fresco que decora a gruta de Greccio onde S. Francisco recriou o primeiro presépio.

 

Para assinalar o oitavo centenário do primeiro presépio recriado por S. Francisco de Assis, na montanha de Greccio (Itália), pelo Natal de 1233, a Província Portuguesa da Ordem Franciscana está a promover um concurso nacional de presépios. Todos os artesãos e criadores são convidados a participar nesta iniciativa, que culminará numa exposição visitável e na constituição de um núcleo museológico do presépio popular e contemporâneo.

O concurso pretende, assim, assinalar a efeméride, mas também permanecer como “memória viva” no futuro, explicam os Franciscanos no seu site oficial. “É nossa intenção conseguirmos mapear a imensa criatividade que o tema presépio (Belém e Greccio) continua a inspirar em todo o nosso território”, assinalam, acrescentando: “Pedimos a cada aderente a generosidade de nos oferecer uma peça da sua arte, que passará a integrar o museu de arte popular e imaginário franciscano, já existente no Convento da Luz-Lisboa”.

Cada concorrente poderá apresentar, até 20 de novembro, não mais que uma peça, utilizando todo o tipo de arte ou materiais, com as dimensões máximas de 150 cm de largura e 150 cm de altura, explica o regulamento, que está disponível no site.

O vencedor do concurso ganhará cinco mil euros, o segundo lugar será premiado com dois mil e quinhentos euros, e o terceiro classificado receberá uma viagem à Terra Santa para uma pessoa.

A exposição final, com os trabalhos propostos a concurso, poderá ser visitada entre 8 de dezembro e 7 de janeiro de 2024, no Seminário da Luz, em Lisboa. Algumas das peças serão expostas no Museu Nacional do Azulejo e no Museu de Lisboa – Santo António.

 

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas

Dia Mundial do Refugiado

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas novidade

Dia 20 de Junho é dia de homenagearmos todos aqueles e aquelas que, através do mundo, se veem obrigados e obrigadas a fugirem do seu lar, a suspenderem a vida e a interromperem os seus sonhos no lugar que é o seu. Este é o dia de homenagearmos a força e a coragem desses homens e mulheres – tantos jovens e crianças, meu Deus! – que arriscam a vida na procura de um lugar que os acolha.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres

Uma religiosa e duas leigas

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres novidade

Pela quarta vez consecutiva, o papel das mulheres na Igreja voltou a estar no centro dos trabalhos do Papa e do seu Conselho de Cardeais – conhecido como C9 -, que se reuniu no Vaticano nos últimos dois dias, 17 e 18 de junho. Tratou-se de uma reflexão não apenas sobre as mulheres, mas com as mulheres, dado que – tal como nas reuniões anteriores – estiveram presentes três elementos femininos naquele que habitualmente era um encontro reservado aos prelados.

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem

Reunida em Seminário Internacional

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem novidade

“Precisamos que os sindicatos sejam mais fortes e tenham mais força nas negociações e apelamos a todos os os trabalhadores a unirem-se em volta das suas associações”. A afirmação é dos representantes da Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC), que estiveram reunidos no passado fim de semana no Museu da Central do Caldeirão, em Santarém, para o seu Seminário Internacional.

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda novidade

Nos últimos tempos muito se tem falado e escrito sobre escravatura e racismo no nosso país. Temas que nos tocam e que fazem parte da nossa história os quais não podemos esconder. Não assumir esta dupla realidade, é esconder partes importantes da nossa identidade. Sim, praticámos a escravatura ao longo de muitos séculos, e continuamos a fechar os olhos a situações de exploração de pessoas imigradas, a lembrar tempos de servidão.[Texto de Florentino Beirão]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This