Diocese de Abidjan

75% dos jovens e 80% dos adultos participaram no Sínodo

| 28 Abr 2022

A catedral de Saint-Paul, em Abidjan, vista ao fundo, em segundo plano, a partir do Boulevard De Gaulle, no bairro do Plateau. Foto © fr.zil, CC BY-SA 2.0 <https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0>, via Wikimedia Commons.

A catedral de Saint-Paul, em Abidjan, vista ao fundo, em segundo plano, a partir do Boulevard De Gaulle, no bairro do Plateau. Foto © fr.zil, CC BY-SA 2.0, via Wikimedia Commons.

 

“Em termos estatísticos, posso dizer que 75% dos jovens e 80% dos adultos participaram das consultas sinodais na nossa diocese”. A afirmação refere-se à diocese de Abidjan, na Costa do Marfim, e pertence ao padre Hippolyte Agnigori, responsável pela equipa que ali está a coordenar o Sínodo sobre a sinodalidade.

Incentivada pelo arcebispo, o cardeal Jean Pierre Kutwa, a equipa dinamizadora foi procurando ajudar a resolver algumas dificuldades do processo sinodal aberto pelo Papa Francsico, em outubro de 2021.

Em entrevista ao La Croix Africa, o padre Hippolyte refere que as primeiras dificuldades surgiram com a formulação de questões dos documentos preparatórios, que não eram acessíveis a todos. A solução passou pelo trabalho dos catequistas. 

Por outro lado, os dinamizadores ou referentes paroquiais depararam com “a indiferença, a preguiça de certas entidades cristãs que não respondiam às perguntas porque não viam nelas muita importância”, observa o coordenador. Aí procuraram envolver os párocos, ainda que, em muitos casos, também estes precisaram de ser impelidos a envolver-se mais no processo: “para os clérigos que já tinham seu plano pastoral, nem sempre era fácil incluir a vertente sinodal”.

Quando se pergunta ao coordenador que grupos se mostraram mais envolvidos na dinâmica do Sínodo, ele responde sem hesitar: “são os adultos e os jovens que perceberam que se contava com as suas opiniões para o avanço da Santa Igreja”. “Especialmente – faz notar — porque esta é a primeira vez que o evento sinodal chega a todos os fiéis de Cristo”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This