Estreia no Instagram, depois de Twitter e Facebook

7MARGENS nas redes sociais – e um truque para crescermos

| 2 Mai 2022

 

Desde esta segunda-feira, 2 de Maio, o 7MARGENS está presente no Instagram, depois de já há cerca de dois meses ter passado a ser assíduo na rede Twitter e praticamente desde o início no Facebook.

Este alargamento da presença do 7MARGENS nas redes sociais é possível graças à colaboração voluntária de dois dos nossos cronistas regulares –  Evelina Ungureanu, Alexandre Abrantes Neves – e também Catarina Pereira.

A página no Instagram é apresentada como “informação, debate e comentário sobre as diferentes buscas espirituais e religiosas que marcam o nosso tempo”, um dos traços do 7MARGENS na forma como pretende olhar o fenómeno religioso na sua diversidade.

Embora lentamente, o 7MARGENS continua a crescer de forma consolidada, também no que ao contacto diário diz respeito, através do correio electrónico: no final de Abril, chegámos aos 2704 subscritores da nossa newsletter, a carta diária com que os títulos das novidades chegam à caixa de correio de cada um(a) dos(as) nossos(as) leitores(as). Em relação ao mês anterior, este número significa mais 106 pessoas a receber a mensagem diária com as novidades.

Esta informação é pretexto para um apelo: cada leitor(a) do 7MARGENS pode divulgar o nosso jornal junto de alguma pessoa amiga. A subscrição da newsletter é gratuita e garante que todas as novidades chegam à caixa de correio, sem que a pessoa tenha de estar a acompanhar as actualizações por sua conta – podendo, no entanto, qualquer leitor(a) abrir a nossa página em qualquer momento e encontrar lá, também, as últimas notícias publicadas.

Desse modo, e com a ajuda de cada pessoa que nos lê, alargando o leque dos subscritores da nossa mensagem diária, o 7MARGENS pode chegar mais longe. Fica, por isso, o nosso pedido: cada leitor(a) convide alguém amigo a fazer essa subscrição: Prometendo mais novidades para breve, permanecemos gratos pelo vosso apoio.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This