Em Priscos, Braga

A aldeia com 12 casas, habitantes de 40 confissões religiosas e uma mesa de refeições comum… que todos podem visitar

| 7 Jun 2024

Estudantes visitam a Aldeia das Religiões, em Priscos, outubro 2012. Foto Direitos reservados

Um grupo de estudantes visita a primeira edição da Aldeia das Religiões, que decorreu em Priscos, em outubro de 2012. Foto: Direitos reservados

Quantas vezes se sentaram a uma mesma mesa, partilhando uma refeição comum, pessoas de 40 confissões religiosas diferentes? No mundo inteiro, “terá acontecido duas ou três vezes”… em Portugal, nenhuma. Mas vai acontecer muito em breve, na pequena grande “aldeia” que está a nascer em Priscos, Braga. Chama-se Aldeia das Religiões, vai ter apenas 12 casas (ou melhor, tendas), e durante os dias 20 a 22 de junho será habitada por representantes da quase totalidade de religiões e igrejas existentes no país. As portas dessas casas estarão sempre abertas e todos os visitantes serão bem recebidos, garante ao 7MARGENS o mentor da iniciativa, o padre católico João Torres.

“A ideia desta iniciativa não é tu entrares na minha tenda e eu convencer-te daquilo que eu sou, ou convencer-te daquela que eu considero que é a verdade. A ideia central é que eu próprio posso ser uma tenda para o outro, independentemente das nossas diferenças”, sublinha o responsável pela organização.

Visivelmente entusiasmado, o padre João Torres explica como é que a aldeia irá funcionar, na prática: Haverá dez tendas, onde estarão representadas as diferentes confissões religiosas, e depois duas tendas comuns a todos: a chamada ‘tenda do encontro’, onde será possível assistir a concertos, peças de teatro, meditações ou palestras apresentados por grupos de cada confissão, e a tenda da ‘mesa comum’, onde os líderes religiosos e os voluntários comerão juntos”.

Definir as ementas de acordo com as tradições gastronómicas de cada um foi uma tarefa exigente, mas não impossível, assinala o responsável: jardineira de frango, rissóis de tofu com legumes, pataniscas com massa de feijão, hambúrguer de soja com salada, bacalhau à Brás, salsichas de soja com legumes e bolinhos de bacalhau com arroz primaveril serão algumas das opções disponíveis.

Igualmente desafiante foi a criação de outro espaço comum na aldeia: um local de oração onde todos possam rezar. “Este espaço será muito simples, despido de qualquer símbolo religioso, e terá apenas alguns bancos… para que todos se sintam bem e acolhidos”, salvaguarda o padre João Torres, sublinhando que “todos os líderes foram consultados para garantir que não há nada que os choque”.

 

“O diálogo inter-religioso não se faz só com palavras e com discursos”

Aldeia das Religiões, em Priscos, outubro 2012. Foto Direitos reservados (1)

A Aldeia das Religiões fica “no meio de um bosque, rodeada de muito verde”. Foto: Direitos reservados

Também a pensar a importância de que todos – líderes religiosos, voluntários e visitantes das diferentes confissões religiosas – se sintam bem nesta aldeia, o espaço onde ela está a ser construída não é um templo, nem pertence a nenhuma das confissões participantes. “É um terreno cedido por um particular, em Priscos, um campo que fica entre os montes, no meio de um bosque, rodeado de muito verde”, sublinha o padre João Torres.

Espaço esse que não deixa de ser, para todos, uma “terra sagrada”. “Reunirmo-nos naquele espaço implica que cada um tire as suas sandálias e pise essa mesma terra. Só neste exercício podemos estar juntos e escutarmo-nos uns aos outros, não tanto para vermos as nossas diferenças, mas aquilo que nos une a todos os que andamos aqui”, acrescenta o presbítero.

Algo que assume ainda mais importância “numa altura em que, em Portugal, temos cada vez mais expressões religiosas diferentes”, sublinha o padre João Torres, que já em 2012 havia organizado uma primeira edição desta Aldeia das Religiões. Dessa edição, em que participaram 32 confissões religiosas, “ficaram muitos laços de amizade, que possibilitaram organizar esta segunda edição, e agora estender o convite a ainda mais gente”.

Reconhecendo que “os discursos de ódio estão agora mais fortes”, o pároco de Priscos, Guizande e Tadim considera que é essencial mostrar que “o diálogo inter-religioso não se faz só com palavras e com discursos”. É preciso ir mais além, defende: “Temos de o fazer acontecer pelo encontro e isso vai ajudar-nos a tornar-nos muito mais tolerantes”. Por isso, considera que “a Aldeia das Religiões não é um discurso político, mas sim uma realidade social. Queremos mostrar à sociedade que podemos estar juntos, estabelecer laços de comunhão uns com os outros e caminhar lado a lado”.

Infelizmente, lamenta, “este tipo de iniciativa não é muito comum”.  Aquilo que se faz mais habitualmente são encontros ecuménicos ou inter-religiosos que reúnem menos confissões – até porque “a logística associada a um evento destes é muito exigente e complicada”. Mas o padre João Torres espera que, até à terceira edição, não tenham de passar outros 12 anos. “Não digo que a Aldeia das Religiões passe a ser anual, mas talvez de quatro em quatro anos, como os Jogos Olímpicos!”, diz, com uma gargalhada bem-disposta. “Hoje em dia, é mesmo muito importante termos quase esta ousadia de, diante dos discursos de ódio que nos tornam gente pobre ou mesmo gente que deixa de ser gente, criarmos laços de fraternidade”.

O cartaz da iniciativa. 

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Uma coleção de livros infanto-juvenis que é uma missão para estas férias… e para o resto da vida

[O papel das estórias]

Uma coleção de livros infanto-juvenis que é uma missão para estas férias… e para o resto da vida novidade

Miúdos de férias rima com… leituras sérias. Calma: o objetivo era rimar, não assustar! Até porque os livros sobre os quais vos venho falar são, de facto, sobre temas sérios, mas não são nada aborrecidos. Ou, como diriam os miúdos a quem se dirigem: não são “uma seca”. Pelo contrário, podem ser uma lufada de ar fresco neste verão que se adivinha estar para aquecer.

Um casal em 2024

Um casal em 2024 novidade

“A D. Georgina e o Senhor Amaro comentam o trânsito dos jovens, ele irritado: isto é gente de fora, do karaté ou lá o que é, daquelas coisas chinesas de dar porrada. Ela, rancorosa: pois, deixam-nos vir para cá para aprenderem a fazer-nos mal, deviam era mandá-los a todos para a terra dele”. Um texto de Nuno Caiado, baseado num episódio real testemunhado em Lisboa.

Clientes de supermercados convidados a apoiar a Cruz Vermelha

Campanha Vale +

Clientes de supermercados convidados a apoiar a Cruz Vermelha novidade

Até ao próximo dia 26 de julho, uma nova edição da campanha Vale +, promovida pela Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), está a decorrer em 597 grandes superfícies de todo o país. Os clientes dos supermercados podem contribuir para esta iniciativa através da aquisição de vales monetários ou alimentares no ato de pagamento das suas compras, sendo que no próximo fim de semana, dias 20 e 21, donativos como bens alimentares e de higiene poderão ser diretamente entregues a voluntários que estarão em loja.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This