Indígenas brasileiros em protesto contra “etnocídio” e ameaças aos seus territórios

| 31 Jan 19

Marcas de balas na placa da terra da tribo Uru-Eu-Wau-Wau, na Rondónia Foto © Divulgação / Funai

 

Vigílias de solidariedade decorrem também hoje, 31 de Janeiro, em Lisboa, Porto e Coimbra e em mais cinco países 

 

Encerrando as atividades do movimento “#JaneiroVermelho – Sangue Indígena, Nenhuma Gota a Mais” os povos indígenas brasileiros realizam uma série de ações em todo o país nesta quinta-feira, 31 de janeiro. O objetivo, segundo o Conselho Indigenista Missionário, é denunciar a “crescente ameaça que os povos originários e seus territórios têm sofrido, bem como os retrocessos impostos pelo Estado brasileiro.” A mobilização é organizada pela APIB (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil) e apoiada pela Mobilização Nacional Indígena (MNI).

As preocupações advém das declarações e medidas que o recém-eleito presidente Jair Bolsonaro tem tomado contra os povos indígenas e restantes povos tradicionais. Retirou à Fundação Nacional do Índio (Funai) a delegação de identificar, demarcar e registar terras indígenas, passando-a para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Para o Conselho Indigenista Missionário, isto equivale a dar “carta branca” para que os que estão relacionados com o meio rural ditem as suas regras sobre demarcação das terras indígenas, já que a titular da pasta, Tereza Cristina, representa também os interesses do agronegócio.

Na sequência desta medida, várias comunidades têm sofrido invasões e ataques concretos. A tribo Pankararu, do estado de Pernambuco, começou no final do ano passado a receber cartas com ameaças de morte. Ao Conselho Indigenista Missionário, um dos membros da tribo relatou: “Um grupo de não-índios, que já recebeu as indemnizações, [continua circulando] em nossas terras, causando transtornos e insegurança, inclusive verbalizam pra gente ‘que isso não vai ficar assim’”.

Mais recentemente, no estado brasileiro da Rondónia, na região oeste do Brasil, homens armados invadiram terrenos dos povos Karipuna e Uru-Eu-Wau-Wau dizendo que “agora é Bolsonaro o presidente”.

À revista brasileira Época, o presidente da Funai, Franklimberg de Freitas, afirmou: “Algumas lideranças indígenas dos povos Karipuna e Uru-Eu-Wau-Wau relataram dificuldades que estão passando em razão das frequentes invasões de posseiros [pessoas que tomam posse de terras devolutas ou abandonadas], interessados em atuar na extração de madeira e no garimpo ilegais”.

A demarcação de terras indígenas, que advém luta histórica dos povos originários, representa um direito de proteção das florestas e biodiversidade mas é sobretudo uma base fundamental para garantir a reprodução física e cultural dos povos e comunidades indígenas.

Suíça, Inglaterra, Irlanda, Estados Unidos, Canadá e Portugal são os outros seis países que se solidarizam com o protesto dos indígenas brasileiros. Em Portugal, a praça Luís de Camões, em Lisboa, foi palco de uma vigília, a partir das 14h00. No Porto, à mesma hora, teve lugar uma concentração e vigília na Praça da Liberdade. Em Coimbra, às 20h00, no Ateneu, há uma conversa aberta e um espetáculo.

Em nota enviada à Lusa (e reproduzida pela RTP), Mariana Nobre, da Reflorestar Portugal, afirmou: “Vamos criar um espaço seguro para que possa haver um debate saudável sobre este assunto. Queremos que haja uma tomada de consciência por parte da sociedade portuguesa, para que não compactue com o etnocídio e ecocídio em curso no Brasil.”

Breves

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

Boas notícias

Outras margens

Cultura e artes

José Cardoso Pires por Bruno Vieira Amaral

Um Grande Homem: Integrado Marginal novidade

Integrado Marginal foi leitura de férias junto ao mar, entre nevoeiros e nortadas que me levavam a recorrer a esplanadas cobertas para ler enquanto tomava um café bem quente. Moledo do Minho no seu inquieto esplendor… e capricho! Tinha lido algumas obras de José Cardoso Pires: Lisboa. Livro de Bordo (feito para a Expo 1998); O Burro em Pé (livro para crianças); Alexandra Alpha; De Profundis: Valsa lenta; O Delfim.

Cinema

Às vezes, nem o amor consegue salvar-nos

Falling, que em Portugal teve o subtítulo Um Homem Só, é a história de um pai (Willis) e de um filho (John) desavindos e (quase) sempre em rota de colisão, quer dizer, de agressão, de constante provocação unilateral da parte do pai, sempre contra tudo e contra todos.

Pessoas

Manuel Martins, um precursor da Sinodalidade

Manuel Martins, um precursor da Sinodalidade

Escrevo a propósito da partida deste mundo há quatro anos, que se completam hoje mesmo, dia 24, do bispo Manuel Martins. Há seres humanos que não deveriam morrer. Não por eles, mas por nós. Contrariamente ao que é vulgar dizer-se, são mesmo insubstituíveis. A propósito, evoco também a memória de um outro que nos deixou no passado dia 2 de setembro.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

A ideia de Deus novidade

Não é certo que quem nasça numa família de forte tradição religiosa esteja em melhores condições do que qualquer outra pessoa para desenvolver a componente espiritual e uma relação com o divino. Pode acontecer exatamente o inverso. Crescer com uma ideia de Deus pode levar-nos a cristalizá-la nos ritos, hábitos ou procedimentos que, a dada altura, são desajustados ou necessariamente superficiais.

Manuel Martins, um precursor da Sinodalidade

Escrevo a propósito da partida deste mundo há quatro anos, que se completam hoje mesmo, dia 24, do bispo Manuel Martins. Há seres humanos que não deveriam morrer. Não por eles, mas por nós. Contrariamente ao que é vulgar dizer-se, são mesmo insubstituíveis. A propósito, evoco também a memória de um outro que nos deixou no passado dia 2 de setembro.

Jorge Sampaio, um laico cristão

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This