Indígenas brasileiros em protesto contra “etnocídio” e ameaças aos seus territórios

| 31 Jan 19 | Casa Comum, Destaques, Espiritualidades, Estilos de vida alternativos, Últimas

Marcas de balas na placa da terra da tribo Uru-Eu-Wau-Wau, na Rondónia Foto © Divulgação / Funai

 

Vigílias de solidariedade decorrem também hoje, 31 de Janeiro, em Lisboa, Porto e Coimbra e em mais cinco países 

 

Encerrando as atividades do movimento “#JaneiroVermelho – Sangue Indígena, Nenhuma Gota a Mais” os povos indígenas brasileiros realizam uma série de ações em todo o país nesta quinta-feira, 31 de janeiro. O objetivo, segundo o Conselho Indigenista Missionário, é denunciar a “crescente ameaça que os povos originários e seus territórios têm sofrido, bem como os retrocessos impostos pelo Estado brasileiro.” A mobilização é organizada pela APIB (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil) e apoiada pela Mobilização Nacional Indígena (MNI).

As preocupações advém das declarações e medidas que o recém-eleito presidente Jair Bolsonaro tem tomado contra os povos indígenas e restantes povos tradicionais. Retirou à Fundação Nacional do Índio (Funai) a delegação de identificar, demarcar e registar terras indígenas, passando-a para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Para o Conselho Indigenista Missionário, isto equivale a dar “carta branca” para que os que estão relacionados com o meio rural ditem as suas regras sobre demarcação das terras indígenas, já que a titular da pasta, Tereza Cristina, representa também os interesses do agronegócio.

Na sequência desta medida, várias comunidades têm sofrido invasões e ataques concretos. A tribo Pankararu, do estado de Pernambuco, começou no final do ano passado a receber cartas com ameaças de morte. Ao Conselho Indigenista Missionário, um dos membros da tribo relatou: “Um grupo de não-índios, que já recebeu as indemnizações, [continua circulando] em nossas terras, causando transtornos e insegurança, inclusive verbalizam pra gente ‘que isso não vai ficar assim’”.

Mais recentemente, no estado brasileiro da Rondónia, na região oeste do Brasil, homens armados invadiram terrenos dos povos Karipuna e Uru-Eu-Wau-Wau dizendo que “agora é Bolsonaro o presidente”.

À revista brasileira Época, o presidente da Funai, Franklimberg de Freitas, afirmou: “Algumas lideranças indígenas dos povos Karipuna e Uru-Eu-Wau-Wau relataram dificuldades que estão passando em razão das frequentes invasões de posseiros [pessoas que tomam posse de terras devolutas ou abandonadas], interessados em atuar na extração de madeira e no garimpo ilegais”.

A demarcação de terras indígenas, que advém luta histórica dos povos originários, representa um direito de proteção das florestas e biodiversidade mas é sobretudo uma base fundamental para garantir a reprodução física e cultural dos povos e comunidades indígenas.

Suíça, Inglaterra, Irlanda, Estados Unidos, Canadá e Portugal são os outros seis países que se solidarizam com o protesto dos indígenas brasileiros. Em Portugal, a praça Luís de Camões, em Lisboa, foi palco de uma vigília, a partir das 14h00. No Porto, à mesma hora, teve lugar uma concentração e vigília na Praça da Liberdade. Em Coimbra, às 20h00, no Ateneu, há uma conversa aberta e um espetáculo.

Em nota enviada à Lusa (e reproduzida pela RTP), Mariana Nobre, da Reflorestar Portugal, afirmou: “Vamos criar um espaço seguro para que possa haver um debate saudável sobre este assunto. Queremos que haja uma tomada de consciência por parte da sociedade portuguesa, para que não compactue com o etnocídio e ecocídio em curso no Brasil.”

Breves

Encontro de artistas portugueses com músicas do grupo Gen Verde

Um encontro de artistas de várias áreas, que sejam sensíveis às dimensões do Sagrado, da Beleza e do Bem Comum, está convocado para a tarde deste sábado, 18 de Maio, entre as 16h30 e as 18h, no Auditório da Igreja São Tomás de Aquino (Laranjeiras), em Lisboa.

Bolsonaro contestado por cortes na Educação

As ruas de mais de duas centenas de municípios em 26 estados brasileiros foram tomadas esta quarta-feira, 15 de maio, por manifestações que registaram a participação de centenas de milhares de estudantes e professores.

Televisão: Fátima vence Cristina

As cerimónias da peregrinação de 13 de maio a Fátima, transmitidas pela RTP1, conquistaram 381 mil espectadores, deixando o programa Cristina, da SIC, a grande distância (317 mil).

Boas notícias

É notícia 

Cultura e artes

Coro do Trinity College de Dublin em Lisboa para concerto e eucaristia

Neste sábado e domingo, 18 e 19 de Maio, Lisboa acolhe dois concertos do Coro da Capela do Trinity College de Dublin (Irlanda). Às 17 horas de sábado, o coro dará um concerto de música sacra na Sé de Lisboa; no domingo, participa na eucaristia dominical na Catedral Lusitana de S. Paulo em Lisboa (Comunhão Anglicana), com início às 11h00 (Rua das Janelas Verdes).

Teatro: À espera de um jogo de espelhos em Goga

Entra-se e estão as 23 personagens no palco. Em rigor, esse número inclui as personagens e os seus espelhos. Estão fixas, rígidas. São um quadro que se deve olhar, de modo a reparar em todos os pormenores. Porque está o corcunda Teobald de livro na mão? Porque há um homem e uma mulher com malas?

Pessoas

“Melhor cidadão da Índia” é um padre católico que apoia crianças pobres

“Melhor cidadão da Índia” é um padre católico que apoia crianças pobres

O “melhor cidadão da Índia”, título de um prémio atribuído por uma importante editora indiana, é um padre católico: Vineeth George, de 38 anos, membro da Congregação Claretiana e padre há apenas cinco anos, já tinha trabalhado numa multinacional de computadores, na General Electric, no importante jornal nacional Deccan Chronicle e no Ministério da Energia. Mas tudo isso, sempre desempenhado “com profissionalismo”, foi até há doze anos, quando decidiu ser padre, acabando a ser ordenado em Janeiro de 2014.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Agenda

Mai
20
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – III – A justiça e a equidade, e a solidariedade entre as gerações @ Centro Nacional de Cultura
Mai 20@18:30_20:00

Participam Alice Vieira, escritora e jornalista; Carla Ganito, docente em Ciências da Comunicação na Universidade Católica Portuguesa; e Ana Barata; jovem licenciada em serviço social.

Mai
27
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – IV – “Os jovens descobrem Deus” @ Centro Nacional de Cultura
Mai 27@18:30_20:00

Participam Alfredo Teixeira, antropólogo e compositor, autor de Religião na Sociedade Portuguesa, Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa, e João Valério, arquitecto e músico.

Ver todas as datas

Entre margens

Vemos, ouvimos e lemos…

O centenário de Sophia de Mello Breyner Andresen é especial, muito para além de mera comemoração. O exemplo de cidadania, de talento, de ligação natural entre a ética e estética é fundamental. De facto, estamos perante uma personalidade extraordinária que é lembrada como referência única, como um exemplo que fica, que persiste.

Europeias 2019: Não nos tires as tentações

Estamos em crise, sim. Que bom. Porque é tempo de escolher e definir caminhos. Ao que parece, a última braçada de bruços perdeu balanço e é a nossa vez de dar o próximo impulso. Com a liberdade de questionar o inquestionável, herdámos o peso da responsabilidade. Mas desde quando desligar o automático é mau?

Fale connosco