Indígenas brasileiros em protesto contra “etnocídio” e ameaças aos seus territórios

| 31 Jan 19

Marcas de balas na placa da terra da tribo Uru-Eu-Wau-Wau, na Rondónia Foto © Divulgação / Funai

 

Vigílias de solidariedade decorrem também hoje, 31 de Janeiro, em Lisboa, Porto e Coimbra e em mais cinco países 

 

Encerrando as atividades do movimento “#JaneiroVermelho – Sangue Indígena, Nenhuma Gota a Mais” os povos indígenas brasileiros realizam uma série de ações em todo o país nesta quinta-feira, 31 de janeiro. O objetivo, segundo o Conselho Indigenista Missionário, é denunciar a “crescente ameaça que os povos originários e seus territórios têm sofrido, bem como os retrocessos impostos pelo Estado brasileiro.” A mobilização é organizada pela APIB (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil) e apoiada pela Mobilização Nacional Indígena (MNI).

As preocupações advém das declarações e medidas que o recém-eleito presidente Jair Bolsonaro tem tomado contra os povos indígenas e restantes povos tradicionais. Retirou à Fundação Nacional do Índio (Funai) a delegação de identificar, demarcar e registar terras indígenas, passando-a para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Para o Conselho Indigenista Missionário, isto equivale a dar “carta branca” para que os que estão relacionados com o meio rural ditem as suas regras sobre demarcação das terras indígenas, já que a titular da pasta, Tereza Cristina, representa também os interesses do agronegócio.

Na sequência desta medida, várias comunidades têm sofrido invasões e ataques concretos. A tribo Pankararu, do estado de Pernambuco, começou no final do ano passado a receber cartas com ameaças de morte. Ao Conselho Indigenista Missionário, um dos membros da tribo relatou: “Um grupo de não-índios, que já recebeu as indemnizações, [continua circulando] em nossas terras, causando transtornos e insegurança, inclusive verbalizam pra gente ‘que isso não vai ficar assim’”.

Mais recentemente, no estado brasileiro da Rondónia, na região oeste do Brasil, homens armados invadiram terrenos dos povos Karipuna e Uru-Eu-Wau-Wau dizendo que “agora é Bolsonaro o presidente”.

À revista brasileira Época, o presidente da Funai, Franklimberg de Freitas, afirmou: “Algumas lideranças indígenas dos povos Karipuna e Uru-Eu-Wau-Wau relataram dificuldades que estão passando em razão das frequentes invasões de posseiros [pessoas que tomam posse de terras devolutas ou abandonadas], interessados em atuar na extração de madeira e no garimpo ilegais”.

A demarcação de terras indígenas, que advém luta histórica dos povos originários, representa um direito de proteção das florestas e biodiversidade mas é sobretudo uma base fundamental para garantir a reprodução física e cultural dos povos e comunidades indígenas.

Suíça, Inglaterra, Irlanda, Estados Unidos, Canadá e Portugal são os outros seis países que se solidarizam com o protesto dos indígenas brasileiros. Em Portugal, a praça Luís de Camões, em Lisboa, foi palco de uma vigília, a partir das 14h00. No Porto, à mesma hora, teve lugar uma concentração e vigília na Praça da Liberdade. Em Coimbra, às 20h00, no Ateneu, há uma conversa aberta e um espetáculo.

Em nota enviada à Lusa (e reproduzida pela RTP), Mariana Nobre, da Reflorestar Portugal, afirmou: “Vamos criar um espaço seguro para que possa haver um debate saudável sobre este assunto. Queremos que haja uma tomada de consciência por parte da sociedade portuguesa, para que não compactue com o etnocídio e ecocídio em curso no Brasil.”

Breves

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres novidade

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo novidade

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Peter Stilwell deixa reitoria da única universidade católica da R.P. China

O padre português Peter Stilwell será substituído pelo diácono Stephen Morgan, do País de Gales, no cargo de reitor da Universidade de São José, em Macau.  A mudança, que já estava a ser equacionada há algum tempo, está prevista para julho, depois de um mandato de oito anos naquela que é a única universidade católica em toda a República Popular da China.

Governo português decreta que imigrantes passam a estar em situação regular

O Governo português decretou que, a partir de 18 de Março (dia da declaração do Estado de Emergência Nacional), todos os imigrantes e requerentes de asilo que tivessem pedidos de autorização de residência pendentes no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) passam a estar em situação regular, com os mesmos direitos que todos os outros cidadãos, incluindo nos apoios sociais.

Boas notícias

É notícia

Cultura e artes

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

Pessoas

Abiy Ahmed Ali, o Nobel da Paz para um cristão pentecostal

Abiy Ahmed Ali, o Nobel da Paz para um cristão pentecostal

O primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed Ali, receberá nesta terça-feira o Nobel da Paz de 2019, numa cerimónia em Oslo. O Comité Nobel não o disse, mas várias das atitudes e propostas do mais jovem líder da África, com 43 anos, radicam na sua fé cristã de matriz pentecostal.

Sete Partidas

Um refúgio na partida

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

As circunstâncias fazem os grandes líderes. Cá estão elas.

Faço parte de uma geração que reclama grandes líderes. Não tenho muitas dúvidas que esta reclamação é de quem vive num certo conforto. Não tive um Churchill porque não passei por uma grande guerra. Não tive um Schuman porque não era vivo quando a Europa esteve em cacos. Não tive um Sá Carneiro, Freitas do Amaral ou Mário Soares porque não era vivo quando Portugal ainda só sonhava com uma Democracia plena e funcional.

Fale connosco