A arte na defesa e promoção dos direitos humanos

| 19 Mai 21

arte rua grafitti direitos reservados

“As práticas artísticas” são “capazes de agilizar” a chegada dos direitos humanos “à agenda mediática e política”, sublinha a organização da Conferência Internacional Art and Human Rights. Foto: Direitos reservados.

 

O impacto da arte na criação de uma agenda voltada para a defesa e promoção dos direitos humanos estará em debate esta quinta e sexta-feiras, dias 20 e 21 de maio, numa conferência internacional, que decorrerá na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, mas poderá também ser acompanhada através da internet. Na segunda-feira, dia 24, o evento terá uma extensão exclusivamente online.

Organizada conjuntamente pela Amnistia Internacional Portugal, pelo Instituto de História da Arte (da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa) e pelo Chão de Oliva – Centro de Difusão Cultural, a conferência será um espaço para partilha de investigação académica e de diferentes conceitos associados às artes e ao ativismo, na qual serão também identificados artistas em risco pelas suas práticas artísticas, de forma a analisar os limites à liberdade de expressão das suas situações.

Como descreve a organização, “as artes, ao integrarem temáticas de direitos humanos como as alterações climáticas, crise de refugiados ou ascensão de regimes autoritários nas suas práticas, contribuem para o debate e pensamento crítico, afirmando-se um agente de mudança social”.

É nesta perspetiva que “as práticas artísticas” têm “um papel fundamental”, aponta a organização, sendo “capazes de agilizar” a chegada dos direitos humanos “à agenda mediática e política”, uma vez que “muitas vezes, questões de direitos humanos, apesar de pertinentes e atuais, carecem da devida atenção que a sua urgência pede”.

A Conferência Internacional Art and Human Rights contará com a presença de investigadores, artistas, ativistas e outros agentes que trabalham nas intersecções da arte e dos direitos humanos em todo o mundo. Entre os vários investigadores presentes estarão Manfred Nowak, advogado de Direitos Humanos, secretário-geral do Global Campus of Human Rights em Veneza (Itália) e que, entre outros cargos internacionais, lidera o estudo da ONU sobre Crianças em Privação de Liberdade; e Gregory Sholette, artista, escritor, ativista e professor, que é especialista em história e teoria da arte socialmente comprometida e um dos mais conceituados teóricos sobre Arte e Ativismo.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Caminhar juntos, lado a lado, na mesma direcção

Caminhar juntos, lado a lado, na mesma direcção novidade

Vem aí o Sínodo, cuja assembleia geral será em outubro de 2023, já depois da Jornada Mundial da Juventude, a realizar em Lisboa, no verão anterior. O tema é desafiante: Para uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão. O documento preparatório veio a público a 7 de setembro e lança as bases de um caminho a percorrer juntos.

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos

Papa regressou da Eslováquia

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos novidade

O aborto é homicídio, mas os bispos têm de ser próximos de quem defende a sua legalização; os Estados devem apoiar as uniões de pessoas do mesmo sexo, mas a Igreja continua a considerar o sacramento do matrimónio apenas entre um homem e uma mulher; e as vacinas têm uma “história de amizade” com a humanidade, não se entendem por isso os negacionismos. Palavras do Papa a bordo do avião que o levou da Eslováquia de regresso a Roma.

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

Enredado em movimentos tradicionalistas

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

São visíveis na Igreja Católica dos Estados Unidos da América, em especial nos últimos anos, movimentações de setores conservadores e tradicionalistas que, embora não assumindo o cisma, se comportam objetivamente como cismáticos. São numerosas as organizações que contam com o apoio de figuras de projeção mediática e que ostensivamente denigrem o Papa e uma parte dos bispos do seu país. Um nome aparece cada vez mais como elemento comum e de suporte: Carlo Maria Viganò, o arcebispo que foi núncio em Washington e que exigiu, em 2018, a demissão do Papa Francisco. Mais recentemente, outra figura de grande projeção pública que vem surgindo nestas movimentações é a do ator e realizador Mel Gibson.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This