A beleza dos dias tristes

| 4 Nov 2021

Dia de Chuva. Pintura

“Chega esta altura do ano e começamos a ouvir, um pouco por todo o lado, as pessoas a lamentar a chegada do inverno, do frio e da chuva, já com saudades do verão.” Pintura: A RAINY DAY (Trabalho de criança, 13 anos). Foto © Dhanan Sekhar Edathara  / Creative Commons. Licença (CC BY-ND 2.0)

 

Um dia, ao falarmos sobre um momento particularmente marcante da minha conversão, disse-me assim o meu Avô: “Filha, é só saber olhar: até na morte há beleza”. Se bem o disse, melhor o fez, pois morreu uns anos mais tarde, num triste Setembro belo, dando lugar a uns dos mais bonitos dias tristes da minha vida.

(sabe-se lá por que artes, juro-vos que, agora mesmo, ao fechar este parágrafo, entraram os primeiros acordes da música “Turn, Turn, Turn (To Everything There Is a Season”, na voz da Nina Simone)

Chega esta altura do ano e começamos a ouvir, um pouco por todo o lado, as pessoas a lamentar a chegada do inverno, do frio e da chuva, já com saudades do verão, ainda mal ele passou a porta. Fico sempre desconcertada quando ouço tais lamentações… Dá a ideia de que as pessoas fogem a sete pés de tudo o que possa chegar sequer perto de uma ideia de declínio, de fim de ciclo ou tristeza.

“Para tudo há um momento e um tempo para cada coisa que se deseja debaixo do céu” e eu, admito, gosto também de estar triste. Gosto de estar triste tanto quanto gosto de estar contente. Gosto de estar triste quando é para estar triste, como gosto de ter frio quando está frio, de usar guarda-chuva quando chove, ou sair sem casaco quando está calor.

Sou dessas a quem agradam todas as estações, e há uma coisa na tristeza que me fascina e me emociona, que é o quanto de beleza nela cabe. Francamente, o pensamento positivo é sobrevalorizado hoje em dia. Ter o cérebro sempre em modo bate-palmas-ao-sol-e-vês-que-ele-vem é desperdiçar uma parte da vida, demasiado bonita e preciosa para ser votada à beira do prato.

Não há como negar que o mundo é, muitas vezes, um lugar estranho. Podemos pôr os óculos cor-de-rosa, passar ao largo, virar a cara ou assobiar para o lado, porque “foca-te no bom”. Ou podemos pensar, aprofundar, questionar, e empurrar o barco da mudança. A beleza dos dias tristes é um privilégio dos inconformados.

 

P.S. – Escrevo este texto em honra às saudades que tenho do meu avô, por ocasião de todos os dias. Lembro-me dele sempre, mas quando muda a estação a coisa parece bater mais forte…

 

Ana Vasquez trabalha em Comunicação e Marketing.

 

No regresso do Papa a África, esperam-se encontros “comoventes” e recordes de participação

31 de janeiro a 5 de fevereiro

No regresso do Papa a África, esperam-se encontros “comoventes” e recordes de participação novidade

Não foi a 37ª viagem apostólica de Francisco, como estava previsto, mas vai ser a 40ª: de 31 de janeiro a 5 de fevereiro, o Papa cumprirá o prometido e visitará a República Democrática do Congo e o Sudão do Sul. Entre os muitos compromissos agendados, incluem-se dois encontros que o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, prevê que sejam “comoventes”: um com vítimas de violência, outro com deslocados internos. E a missa do dia 1 de fevereiro, no aeroporto Kinshasa-Ndolo, é forte candidata ao top dos eventos mais concorridos deste pontificado.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

E se os Simpsons fossem uma família judia deportada para Auschwitz?

Murais recordam vítimas do Holocausto

E se os Simpsons fossem uma família judia deportada para Auschwitz? novidade

Homer, Marge, Bart, Lisa e Maggie: se a família criada por Matt Groening tivesse vivido em Itália nos anos 40 e fosse judia, teria certamente sido forçada a partir da Plataforma 21, na Estação Central de Milão, com destino aos campos de concentração de Auschwitz. Sobreviveriam? O ativista e artista pop contemporâneo aleXsandro Palombo quer acreditar que sim, mas nunca mais seriam os mesmos. Assim, para assinalar o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto (27 de janeiro), retratou-os junto a essa mesma estação, num “antes e depois” que não deixa ninguém que ali passe indiferente.

Custo do palco da JMJ “magoou” responsáveis mas haverá novas conversas e pode ser reduzido

Igreja prevê gastar 80 milhões de euros à sua conta

Custo do palco da JMJ “magoou” responsáveis mas haverá novas conversas e pode ser reduzido

O custo anunciado de cinco milhões de euros para construir o palco principal da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023 “magoou” os responsáveis da Igreja e da iniciativa. A confissão foi do próprio bispo auxiliar de Lisboa Américo Aguiar, presidente da Fundação JMJ, que diz que agora é possível estudar soluções alternativas que reduzam os custos. Ao mesmo tempo, o mesmo responsável diz que estão orçamentados 80 milhões de euros para os custos de organização por parte da Igreja, relativos sobretudo ao acolhimento dos peregrinos – alimentação, alojamento e outros aspectos relacionados.

Irene Pimentel: “Não aprendemos com a História” e por isso devemos perceber como chegámos ao Holocausto

Dia em Memória das Vítimas assinala-se nesta sexta, 27

Irene Pimentel: “Não aprendemos com a História” e por isso devemos perceber como chegámos ao Holocausto

“Está mais que provado que a História nos ensina muito pouco!” A frase é da historiadora Irene Pimentel. Valerá então a pena continuar a estudá-la e a transmiti-la, particularmente aos mais jovens? A Prémio Pessoa responde, a propósito do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, que se assinala neste 27 de janeiro.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This