A Caixa de Correio de Nossa Senhora 

| 15 Dez 20

Caixa de Correio de Nossa SenhoraQuando, durante vários anos, antes de 25 de Abril de 1974, o Natal se aproximava, a RTP incluía na sua programação uma espécie de tempo de antena que muitas famílias portuguesas aguardavam com desmedida ansiedade. A partir de várias zonas das então designadas “províncias ultramarinas”, a televisão portuguesa dava um módico de voz aos soldados que para lá tinham ido combater. Cada um tinha direito a surgir no pequeno ecrã durante escassos segundos. O que em tão reduzido tempo teria de caber implicava uma rapidez de dicção que amiúde tornava dificilmente perceptível o que se pretendia transmitir.

Era comum os soldados começarem por afirmar: “Atenção”, após o que indicavam a localidade em que a atenção era requerida. Nomeavam, depois, os laços familiares daqueles a quem se dirigiam: a mãe, o pai (ou, genericamente, os pais), os irmãos, a mulher e os filhos. Muitas vezes era incluída a noiva (“futura noiva”, prometiam alguns; a “namorada” ou a “miúda”, referia um ou outro) e, raramente, alguns parentes menos próximos, como os tios ou os sobrinhos, por exemplo. Às vezes, acrescentava-se o adjectivo “querido”, no feminino ou no masculino, para qualificar a mãe ou o pai. A seguir, diziam sempre o nome e, por vezes, o número de soldado. A ordem por que isto era dito era mutável. Invariável era a mensagem vir no final. Meia-dúzia de palavras simples para declarar: “Um abraço que eu estou bem”, havendo quem julgasse útil acrescentar: “Como vêem”. Os votos de bom Natal, de bom ano novo ou de festas felizes também se podiam escutar de vez em quando, assim como os: “Adeus e até ao meu regresso”.

O rosto é que era a verdadeira mensagem. Vê-lo era tudo o que para as famílias importava, mesmo que nele se pressentisse um mau estado de alma. Ver vivo o filho, o irmão, o marido ou o pai era o que, então, importava. Mas o que ainda mais interessava era que o regresso fosse com vida. Que se sobrevivesse à guerra que se travava em Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e Timor.

Para que isso assim pudesse acontecer, muitos portugueses escreviam a pedir a intercessão da Senhora de Fátima. “Correio de Nossa Senhora” é como se chama o arquivo que, no Santuário de Fátima, detém uma correspondência estimada em quase oito milhões de todo o género de missivas. A Caixa de Correio de Nossa Senhora (Temas e Debates, 2020) é também o título do livro de António Marujo, jornalista que, pela primeira vez, divulgou a existência deste precioso espólio e ofereceu preciosos exemplos do que nele se pode encontrar a benefício do conhecimento histórico, teológico, antropológico, sociológico, etc.

António Marujo dá conta dos pedidos mais ou menos pungentes endereçados à Senhora de Fátima: “Ali se encontra referido muito do que foi e é importante na vida de milhões de portugueses e estrangeiros: os pedidos de que filhos, netos, noivos ou namorados regressem da guerra sãos e salvos; que o pai deixe de bater na mãe; que os pais se dêem bem; que o marido deixe a vida dissoluta; que a mulher deixe de ser ofensiva e aceite a família do cônjuge; que se consiga o emprego necessário; que se encontre um noivado ou um namorado desejado; que se resolvam problemas de saúde ou se obtenha a passagem nos exames para os quais (pouco ou nada) se estudou”.

“Quando falam da Guerra Colonial, a esmagadora maioria das cartas são escritas por mães e irmãs. Depois, há esposas, avós ou outras familiares aflitas (os pais ou familiares homens escrevem muito pouco); namoradas ou noivas esperançadas”, revela António Marujo, esclarecendo que as missivas tanto poderiam dizer respeito a jovens que não sabiam se iriam cumprir o serviço militar como aos que já o estavam a cumprir. “V., uma mãe escrevendo do Norte, pede ‘três graças’, sendo uma delas a de o seu ‘filho não ficar apurado na tropa’. E pede: ‘Fazei se o meu irmão e o Manuel merecerem não irem para o Ultramar’”.

A urgência dos pedidos sobrepunha-se à dificuldade em os redigir. “Eu lhe penso uma grança e um milhagre para o meu filho M. quando ele for a inspeção para ficare num nubero baicho com os outros irmaes”, pode ler-se num dos escritos que António Marujo cita. Noutro, formulado em 1967 por uma aluna de um colégio da região de Lisboa, é transmitido a Nossa Senhora um pedido, com desejos hierarquizados de atendimento, em relação a J. (“o meu J.”, declara a aluna). O melhor era ele não ir para o Ultramar. “Se por acaso por qualquer motivo tiver que ir”, é desejável “que ele nunca saia da cidade”. E, saindo, que “nunca lhe aconteça nada”.

O livro A Caixa de Correio de Nossa Senhora, de António Marujo, oferece um singular e até agora inédito retrato de um Portugal contemporâneo – e da sua memória traumática – para o qual é requisitado o nosso olhar crítico.

 

Eduardo Jorge Madureira integra a equipa de Redacção do 7MARGENS; este texto foi publicado na edição de 13 de Dezembro do Diário do Minho.

 

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa novidade

Recebi do 7MARGENS um convite para escrever sobre a minha experiência desta pandemia, partilhando a fragilidade da condição que actualmente vivemos. Respondo recorrendo a Espinosa, o filósofo com quem mais tenho dialogado e que durante o presente confinamento revisitei várias vezes, quer por obrigação (atendendo a compromissos) quer por devoção (a leitura das suas obras é sempre gratificante).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Os Dias da Semana – Cacofonia

Os Dias da Semana – Cacofonia novidade

É cruel a guerra pelos dois ou três minutos de fama nos media; é feroz o combate por visualizações, partilhas e comentários nas redes sociais. A atenção é um bem escasso que é preciso disputar sem piedade. A intensificação da concorrência oferece uma cacofonia deplorável.

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica novidade

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Frequência dos seminários continua em queda em Espanha novidade

A Conferência Episcopal Espanhola tornou público que a totalidade dos seminários existentes no país é frequentada neste ano letivo 2020-21 por 1893 alunos. O comunicado da Comissão para o Clero e os Seminários, divulgado nesta quarta-feira, 3 de março, especifica existirem 1066 jovens nos seminários maiores e 827 a estudar nos seminários menores (que correspondem ao ensino até ao 12º ano).

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Entre margens

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada novidade

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Banco da solidariedade, experiência única

Sobre uma oportunidade de resistência coletiva     Muito se tem escrito e tenho escrito sobre a falta de saúde mental a que, provavelmente, estamos e estaremos sujeitos durante e após esta pandemia. Os números crescem, traduzidos por sofrimentos enquadráveis...

Que futuro, Iémen?

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This