A caixa de Pandora do armamento nuclear: desafios para o futuro do planeta

| 19 Jan 21

Armas nucleares; armamento; guerra

O míssil balístico intercontinental RS-24 Yars, de fabrico russo. Foto: Wikimedia Commons / Vitaly V. Kuzmin

 

Às zero horas da próxima sexta-feira, 22 de janeiro, entra em vigor o teor do Tratado de Proibição de Armas Nucleares, aprovado pela ONU em 2017. Isto acontece depois de, nos últimos meses, ter sido ultrapassado o número mínimo de 50 Estados que já o ratificaram.

Apesar dessa manifestação de empenhamento na causa da paz, corroborada por muitas centenas de organizações não-governamentais, o quadro atual está longe de ser tranquilizador quanto aos riscos que corre a comunidade internacional.

Desde logo porque tanto os Estados que possuem aquele tipo de armamento como aqueles que o querem possuir ou que se inscrevem em teias de relações inter-estados que não lhes conferem margem de decisão autónoma, não subscreveram e não tencionam vir a subscrever este tratado. E isso faz toda a diferença.

Numa carta enviada em 2 de agosto de 1939 ao então Presidente dos Estados Unidos, Franklin Roosevelt, Albert Einstein dava a conhecer não apenas o poder da energia atómica, mas a capacidade de fabricar armas de destruição maciça sem paralelo até então.

Conhecemos os resultados do que se passou, entretanto, com a destruição de Hiroshima e Nagasaki e, nela, a morte pelo menos de duas centenas de milhar de pessoas, esmagadoramente civis.

A partir de então, pode dizer-se que se assistiu quer a uma proliferação desse tipo de armas quer a uma sucessão de esforços para conter essa ameaça planetária. Por sua vez, as iniciativas destinadas a canalizar a energia nuclear para fins civis mostraram, em vários contextos, nestas décadas, desde o desastre de Chernobyl (Ucrânia), em 1986, os gravíssimos riscos para a humanidade.

Com o final da Guerra Fria e a crescente consciência da necessidade de conter e reduzir as ameaças, a quantidade de armas nucleares foi-se reduzindo substancialmente, se comparado com o existente nessas décadas da “dissuasão pelo terror”. E, até meados da segunda década do nosso século, foi-se gerando em muitos setores a ideia de que assistíamos a um interesse consistente pelo desarmamento.

A entrada em cena da presidência de Donald Trump, não podendo ser considerado o único fator, contribuiu para uma mudança clara de agulhas. É verdade que o inquilino da Casa Branca criou a impressão de um acordo com a Coreia do Norte para a contenção dos testes de armas nucleares, mas o tempo veio a revelar que a consistência dos acordos obtidos não subsistia perante a realidade dos factos. Trump, por outro lado, denunciou o acordo nuclear com o Irão e tomou outras decisões que puseram em causa os equilíbrios internacionais que se haviam conseguido. Com a expansão dos populismos e nacionalismos e em sociedades cada vez mais polarizadas, os riscos cresceram de forma acentuada.

 

Já só estamos a gerir a decadência da ordem nuclear
Armas, nuclear

Militares dos EUA a observar uma explosão provocada por um teste de armas nucleares, no Nevada, em 1951. Foto: US Government (Governo dos EUA).

 

Numa leitura global, o professor Andrew Futter, especialista de Política Internacional da Universidade de Leicester, no Reino Unido, escreve o seguinte, no prefácio à segunda edição do seu livro The Politics of Nuclear Weapons (“A Política das Armas Nucleares”, 2020): “Embora muitos dos antigos desafios permaneçam, é difícil não sentir que o nosso mundo nuclear é hoje um lugar mais perigoso do que era uma década atrás. A minha impressão é que o foco está menos em movimentos progressivos voltados para o desarmamento e a redução do nuclear hoje e muito mais sobre como gerir a deterioração da ordem nuclear global.”

Existe uma nítida consciência de que, como dizia o próprio Presidente Ronald Reagan “a guerra nuclear não pode ser vencida e nunca deve ser travada”. Mas parece difícil, em termos de ação, ir além do efeito dissuasor deste tipo de armamento, o que, reconheça-se, é uma estratégia débil e cada vez mais arriscada, em tempos de grande fragilidade nas relações internacionais. Mas a verdade é que já houve países que abdicaram ou não aceitaram uma estratégia nuclear (caso da África do Sul, e também da Bielorrússia, Cazaquistão e Ucrânia, que devolveram à Rússia as ogivas nucleares que se encontravam no seu território, depois de se ter desmoronado o domínio soviético).

Não é, assim, de admirar que diferentes movimentos da sociedade civil e da cena internacional tenham vindo a desenvolver esforços para ir mais longe. Em 2013, a Assembleia Geral das Nações Unidas instituiu o dia 26 e setembro de cada ano como o Dia Internacional para a Eliminação Total das Armas Nucleares. O passo seguinte foi a aprovação, em 2017, do Tratado que proíbe esse tipo de armamento. Não certamente por acaso, nesse mesmo ano a International Campaign to Abolish Nuclear Weapons (ICAN, ou Campanha Internacional Para a Abolição de Armas Nucleares, em português), coligação de várias centenas de ONG congéneres que se distinguiu como uma das principais impulsionadoras do Tratado, viu ser-lhe atribuído o Prémio Nobel da Paz.

Também diferentes confissões e líderes religiosos, com destaque para o Papa Francisco, têm vindo a fazer desta problemática um dos temas recorrentes das suas intervenções.

O 7MARGENS não tem uma competência específica nesta matéria, mas a causa da paz inscreve-se no âmago do seu projeto editorial. Não apenas na perspetiva de reduzir e, desejavelmente, eliminar este tipo de armamento, mas, como também tem defendido Francisco, para destinar a projetos de desenvolvimento socioeconómico que combatam a pobreza e construam o bem-estar e a paz os avultadíssimos recursos que continuam a ser gastos pelos governos de tantos países em armamento.

Conhecer o que está em jogo e debater as perspetivas e caminhos possíveis na direção da justiça e da paz constitui, por conseguinte, um desafio para o jornalismo que queremos fazer. E com esse objetivo publicaremos, nos próximos dias, alguns textos sobre este tema.

É verdade que a humanidade abriu uma caixa de Pandora. Cabe à humanidade, através de decisões e ações apropriadas, procurar conter e dominar essa caixa. O futuro das nossas vidas e do próprio planeta também depende desta ação.

 

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa novidade

Recebi do 7MARGENS um convite para escrever sobre a minha experiência desta pandemia, partilhando a fragilidade da condição que actualmente vivemos. Respondo recorrendo a Espinosa, o filósofo com quem mais tenho dialogado e que durante o presente confinamento revisitei várias vezes, quer por obrigação (atendendo a compromissos) quer por devoção (a leitura das suas obras é sempre gratificante).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Os Dias da Semana – Cacofonia

Os Dias da Semana – Cacofonia novidade

É cruel a guerra pelos dois ou três minutos de fama nos media; é feroz o combate por visualizações, partilhas e comentários nas redes sociais. A atenção é um bem escasso que é preciso disputar sem piedade. A intensificação da concorrência oferece uma cacofonia deplorável.

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica novidade

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Frequência dos seminários continua em queda em Espanha novidade

A Conferência Episcopal Espanhola tornou público que a totalidade dos seminários existentes no país é frequentada neste ano letivo 2020-21 por 1893 alunos. O comunicado da Comissão para o Clero e os Seminários, divulgado nesta quarta-feira, 3 de março, especifica existirem 1066 jovens nos seminários maiores e 827 a estudar nos seminários menores (que correspondem ao ensino até ao 12º ano).

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Entre margens

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada novidade

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Banco da solidariedade, experiência única

Sobre uma oportunidade de resistência coletiva     Muito se tem escrito e tenho escrito sobre a falta de saúde mental a que, provavelmente, estamos e estaremos sujeitos durante e após esta pandemia. Os números crescem, traduzidos por sofrimentos enquadráveis...

Que futuro, Iémen?

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This