A Cáritas Moçambique deveria estar na linha da frente (e como ajudar a partir de Portugal)

| 22 Mar 19

[Sobre a forma de ajudar Moçambique a recuperar da tragédia provocada pelo Idai, a Rádio Renascença fez uma lista de instituições portuguesas que estão a recolher apoios, que pode ser consultada aqui; a Cruz Vermelha patrocina também aquele que pretende ser o maior concerto de música do mundo, iniciativa dos músicos João Gil e Rui Veloso; também a Universidade do Minho se associa à Cruz Vermelha e nesta sexta-feira, 22, recolherá produtos alimentares enlatados, e produtos de higiene e limpeza.]

Recolha de produtos para ajuda às populações afectadas pelo Idai. Foto © Direitos reservados

 

Como é natural, vários/as amigos/as e familiares se me têm feito presentes nestes dias da desgraça nacional provocada pelo ciclone Idai, de incalculáveis prejuízos, tanto em vidas humanas como de infra-estruturas materiais – desde as habitações convencionais às incontáveis casas da maioria do povo pobre, em materiais locais que, como sabemos, são sempre de extrema vulnerabilidade. Ainda se está para saber ao certo quantas vítimas humanas terá havido: as missões aéreas continuam a vislumbrar corpos boiando nas furiosas águas da região de Manica e Sofala. [Quinta-feira à tarde, estavam confirmados 242 mortos em Moçambique, 139 no Zimbabwe e 56 mortos no Malawi, o que aumenta para 437 o número de vítimas mortais nos três países atingidos pelo Idai.

Materialmente, serão anos de recuos no esforçado trabalho de construção de um país para todos, já tão debilitado pelas famosas dívidas ocultas que terão sido contraídas pelo ex-presidente Guebuza e seus colaboradores de estimação (alguns já na prisão: mais de uma dezena aqui em Moçambique, por ordem da Procuradoria-Geral da República, mas só depois de o ex-ministro das Finanças de então e agora deputado da bancada da Frelimo na Assembleia da República, Manuel Changa, ter sido preso na África do Sul a pedido da Justiça norte-americana).

Uma das mensagens chegadas, dos meus amigos Zé e António Cardoso Ferreira, diz concretamente:

“e que a conjugação de esforços entre o povo moçambicano e as ajudas externas seja eficaz nas medidas urgentes de apoio às pessoas e comunidades mais atingidas e nas medidas preventivas de possíveis epidemias por via hídrica.”

Tocou-me particularmente a palavra “urgentes”. Vivi angustiadamente, sem nada poder fazer, nos dias imediatamente anteriores em que os media anunciavam a chegada do furioso ciclone e antecipadamente vivi estes cenários, agora tornados realidade, das mortes e das destruições maciças.

Há anos, como coordenador da Cáritas Diocesana e membro do conselho nacional da Cáritas Moçambique, fui parte das decisões sobre as tais medidas urgentes de apoios. Esperava que agora, perante tamanha calamidade, a mesma instituição surgisse na linha da frente na organização destes apoios. Como um dia atrás de outro passava e nada surgia, lancei, na rede Whatsapp, uma interpelação:

(???????????????????????).

A Irmã Assunção Osório, também solícita no providenciar de apoios, perante o incompreensível silêncio das nossas estruturas de bem-fazer – Cáritas –, por motivos que os amigos bem podem entender, pergunta-me a mim como canalizar os apoios já conseguidos.

Via Whatsapp apareceu, então, um apelo do arcebispo da Beira, Cláudio Zuanna, dando uma informação bem detalhada dos estragos em geral e ilustrando quanto a sua própria casa e as emblemáticas Igrejas de Nossa Senhora de Fátima e do Macuti (onde estava o P. Joaquim Teles Sampaio, quando foi preso em 1971 pela PIDE) e outras estruturas sócio-pastorais foram danificadas. Mas fiquei triste porque o apelo não fornecia dados concretos imediatos para recolha de apoios monetários, quando, como diz também, está a ser activado um plano de socorro de emergência através das paróquias e da Cáritas.

Levantemo-nos e ponhamos mãos à obra

É o seguinte o texto do apelo do arcebispo da Beira, Cláudio Dalla Zuanna, datado de dia 18 e completado com uma lista dos danos nas estruturas da diocese católica:

“Levantemo-nos e ponhamos mãos à obra, Deus nos fará triunfar” (cf. Ne 2,18.20)

A água potável é uma das necessidades mais urgentes, de acordo com as autoridades e as agências humanitárias no terreno. Foto © Direitos reservados

Entre os dias 14 e 15 de Março do ano em curso, os habitantes das cidades da Beira, Dondo e do “corredor da Beira”, onde vivem cerca de um milhão de habitantes, assistiram desesperados e inertes aos efeitos destrutivos do ciclone Idai, acompanhado por chuvas intensas; um fenómeno descrito por muitos como algo jamais visto ou narrado nos anais desta província do centro de Moçambique.

Na sua passagem pelas terras do Chiveve, o ciclone Idai ceifou várias dezenas de vidas humanas (dados ainda provisórios) e deixou muitos feridos. Habitações, escolas, hospitais e igrejas ficaram sem telhado e nalguns casos, as paredes desmoronaram, inúmeras árvores tombaram sobre edifícios, estradas e veículos, dificultando a transitabilidade; a rede eléctrica e telefónica ficou danificada e até ao momento não foi restabelecida; igualmente não há fornecimento de água potável, e começa a escassear a comida, uma vez que boa parte dos alimentos ficaram deteriorados pela chuva que continua a cair ou por falta de energia para a sua conservação. Temos informações de que alguns rios estão a transbordar, como é o caso do rio Búzi e Púngué, estando neste momento a Vila do Búzi submersa.

Igualmente a cidade da Beira está isolada, uma vez que a única via de acesso terrestre ficou cortada pela queda de uma ponte.
Como Igreja diocesana, por meio das paróquias e da Cáritas, estamos a activar um plano de emergência para fazer face às necessidades mais urgentes.

Quadro da situação

O ciclone incidiu sobretudo ao longo do “corredor da Beira”, um percurso correspondente a cerca de 130 Km, habitado por aproximadamente um milhão de habitantes e onde estão implantadas 25 paróquias [católicas].  

  1. População atingida: estima-se que cerca de 140 mil famílias tenham tido prejuízos, das quais entre 10 a 20% perderam tudo.
  2. Igrejas paroquiais e comunidades: 22 igrejas paroquiais foram danificadas, das quais três ruíram totalmente; 60 pequenas capelas foram danificadas.
  3. Residências paroquiais: nove ficaram danificadas, algumas seriamente.
  4. Residências de religiosos e religiosas: 20 ficaram danificadas.
  5. Escolas católicas: ficaram danificadas sete escolas que atendem cerca de 9.500 alunos; trata-se de salas que ficaram quase na sua totalidade sem telhado, encontrando-se por esse motivo as aulas interrompidas.
  6. Estruturas diocesanas: residência episcopal e cúria (totalmente sem telhado, com estragos nos escritórios e arquivos);Secretariado da Coordenação Pastoral (registou alguns danos, sobretudo no que diz respeito ao material de escritório); Seminário Bom Pastor (capela e refeitório recém construídos, dormitórios, totalmente sem telhados; a residência dos formadores com telhado danificado parcialmente); Cáritas Diocesana (escritório completamente danificado, registados igualmente danos de documentação, material informático e de escritório e no muro de vedação); Centro de Formação Pastoral de Nazaré (com capacidade para acolher 200 pessoas, todas as infraestruturas ficaram sem tecto e inabitáveis, o que obrigou a suspender todas as actividades); Rádio diocesana (queda da torre, infiltrações nos estúdios, todo o material danificado); Tipografia diocesana(ficou sem tecto e com o material danificado); Estrutura diocesana de armazenagem (danificada); lares e orfanatos diocesanos (que acolhem cerca de 150 crianças: telhados danificados e estrago do material).

Em suma, pode-se dizer que, para além de danos nas infraestruturas, muito material mobiliário, de escritório e informático, entre outro, ficou danificado.

José Luzia é padre católico, missionário em Moçambique há quatro décadas e autor de três livros sobre a Igreja em Moçambique

Artigos relacionados

Breves

Doentes de covid-19 mantêm “direito e acesso à assistência espiritual e religiosa” nos hospitais novidade

A Coordenação Nacional das Capelanias Hospitalares emitiu um comunicado esta quarta-feira, dia 1, para esclarecer que “os capelães não estão impedidos de prestar assistência espiritual e religiosa”. Têm, isso sim, de cumprir “medidas de contingência existentes nos hospitais”, como todos os profissionais, por forma a minimizar os “riscos de contágio, quer dos capelães quer dos próprios doentes e dos profissionais”, sublinha o documento.

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Peter Stilwell deixa reitoria da única universidade católica da R.P. China

O padre português Peter Stilwell será substituído pelo diácono Stephen Morgan, do País de Gales, no cargo de reitor da Universidade de São José, em Macau.  A mudança, que já estava a ser equacionada há algum tempo, está prevista para julho, depois de um mandato de oito anos naquela que é a única universidade católica em toda a República Popular da China.

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Esse Deus não é o meu!

Os fundamentalismos alimentam-se do medo, do drama e da desgraça. Muitos deles sobrevivem ainda do Antigo Testamento, a fase infantil da revelação divina na perspectiva cristã.

As circunstâncias fazem os grandes líderes. Cá estão elas.

Faço parte de uma geração que reclama grandes líderes. Não tenho muitas dúvidas que esta reclamação é de quem vive num certo conforto. Não tive um Churchill porque não passei por uma grande guerra. Não tive um Schuman porque não era vivo quando a Europa esteve em cacos. Não tive um Sá Carneiro, Freitas do Amaral ou Mário Soares porque não era vivo quando Portugal ainda só sonhava com uma Democracia plena e funcional.

Cultura e artes

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

Sete Partidas

Um refúgio na partida

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco