Clássicos em Cena em 7ª edição

A “Castro” e outros clássicos do teatro para descobrir em Lisboa (e no YouTube)

| 23 Nov 2022

Teatro Maizum

A encenadora Silvina Pereira (segunda à direita) ensaiando com o Teatro Maizum a nova edição dos Clássicos em Cena. Foto © Júlio Martin

 

A Castro, de António Ferreira, e outras duas peças clássicas, serão objecto de duas leituras encenadas nas próximas sexta-feira e domingo. As sessões incluem-se no programa da 7ª edição dos Clássicos em Cena, que decorre na Livraria/Galeria Sá da Costa (R. Serpa Pinto, 19, ao Chiado, em Lisboa), com entrada livre, e também no canal do Teatro Maizum no YouTube.

Sob o mote “Teatro clássico português: um repertório a descobrir”, o programa tem direcção de Silvina Pereira e pretende divulgar os textos clássicos teatrais portugueses através de um projecto interdisciplinar, que cruza investigação com a prática cénica. Esta 7.ª edição é dedicada às três únicas tragédias portuguesas conhecidas do “século de ouro” português: A Vingança de Agamenom, de Anrique Aires Vitória; A Tragédia do Príncipe João, de Diogo de Teive, e a Castro, de António Ferreira.

Será precisamente a Castro o objecto da leitura encenada de sexta-feira, 25, a partir das 19h; uma hora depois, Márcio Ricardo Muniz (Universidade da Bahia, Brasil), Guilherme Filipe (Universidade de Lisboa) e Silvina Pereira conversarão sobre a peça e o seu contexto cultural, bem como sobre o teatro e a actualidade.

No domingo, às 17h, 18h e 19h, serão feitas as leituras encenadas, respectivamente, de A Vingança de Agamenom, A Tragédia do Príncipe João, e Castro. Às 20h, será tempo de nova tertúlia e iguarias.

Sobre o primeiro texto, lê-se na folha de sala que ele reformula o mito de Electra – “mau grado o título, o tema não é tanto o mito de Agamémnon, mas o de Electra – no contexto do cristianismo, horizonte a que era originalmente estranho”. E acaba por colocar “as múltiplas questões relativas à compatibilidade ou incompatibilidade da visão trágica e da visão cristã, fazendo marulhar, nas margens do texto escrito, a (im)possibilidade de diálogo entre as duas ‘culturas’.”

Já a peça de Diogo de Teive inaugurou a tragédia clássica em Portugal (1554). Outros dois textos seus, David e Judith, perderam-se, e por isso só esta Tragédia do Príncipe João permite avaliar a sua qualidade de autor dramático. O texto fala de um Portugal no seu ocaso demográfico e económico, esgotado e próximo da perda da independência.

A Castro, escrita por António Ferreira, é colocada na folha de sala na linhagem de Tristão e Isolda ou Heloísa e Abelardo: “Os trágicos amores vividos por Pedro e Inês alimentam e renovam o mito ocidental do amor paixão, fadado à desgraça.” Com este texto, António Ferreira “contribui para a nacionalização da tragédia, tomando para centro do conhecido episódio da história nacional uma mulher, ainda que estrangeira”. Com essa opção, “alcançou combinar uma linguagem elevada com expressão natural”, confrontando “as razões do amor paixão, defendidas por uma amante suplicante mas altiva, aos princípios da razão de Estado. A Castro, definitivamente, é a tragédia portuguesa por excelência, do texto, do autor e da amante”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas

Uma forma de "construir pontes"

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas novidade

Amir tem cinco anos e, até agora, não podia correr nem brincar como a maioria das crianças da sua idade. Quando tinha apenas 24 meses, apanhou um vírus que resultou no bloqueio de uma das suas artérias coronárias, pelo que qualquer esforço físico passou a ser potencialmente fatal. Mas, muito em breve, este menino palestiniano poderá recuperar o tempo perdido. Com o apoio da organização humanitária israelita Save a Child’s Heart, Amir acaba de ser operado num hospital em Tel Aviv e está fora de perigo.

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres

Entrevista à revista America

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres novidade

“O divisionismo não é católico. Um católico não pode pensar ‘ou, ou’ e reduzir tudo a posições irreconciliáveis. A essência do católico é “e, e”. O católico une o bem e o não tão bom. O povo de Deus é um” – afirmou o Papa Francisco, a propósito das divisões na Igreja americana, na entrevista concedida no dia 22 de novembro a um conjunto de editores jesuítas e publicada na edição da revista America – The Jesuit Review desta segunda-feira, 28 de novembro.

Terra de pobreza e de milagres

[Crónicas da Guiné – 1]

Terra de pobreza e de milagres novidade

A Guiné-Bissau, como país, é um bom exportador de más notícias. E quando se chega ao território, o que imediato se faz notar é a pobreza e o lixo. Mas quando nos dizem “Tenho orgulho em Bissau ser uma cidade limpa… em comparação com outras capitais desta região de África”, percebemos que tudo é relativo – relativo aos padrões que adoptamos. Ou às notícias que procuramos. Porque há notícias que vêm ter connosco, pois sabem que serão bem acolhidas, e outras que se deixam ficar no seu cantinho, silenciosas, porque se reconhecem sem interesse.

Nasce uma nova rede eclesial para o cuidado da casa comum

América Latina

Nasce uma nova rede eclesial para o cuidado da casa comum novidade

Depois da Rede Eclesial Pan-Amazónica (REPAM) e da Rede Eclesial Ecológica Mesoamericana (REGCHAG), nasce agora a Rede Eclesial Gran Chaco e Aquífero Guarani (REGCHAG), com o objetivo de proteger os territórios que lhe dão nome e as respetivas comunidades, face a ameaças como o desmatamento, a contaminação e o desrespeito pelos modos de vida.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This