Modos de envelhecer (4)

“A ciência avança, as pessoas vivem mais tempo. Mas para quê?”

| 29 Abr 2024

Vivemos em sociedades em que o envelhecimento é olhado muitas vezes como um problema económico, tanto para os estados como para as famílias, de abandono e da quebra de laços que têm como consequência a destruição de redes de solidariedade e de suporte que foram apoio durante a vida ativa. Na verdade, o envelhecimento daqueles e daquelas que nos precederam põe à prova a nossa humanidade enquanto sociedade e enquanto indivíduos.

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos agora o quarto depoimento do total de vinte e cinco. Pode ler aqui os depoimentos já publicados. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

“Quem são as pessoas que nos apoiam no nosso envelhecimento? Só a família. O grupo de amigos não tem funcionado. Às vezes parecem pouco solidários, como que a solidariedade também se canse ou esgote.” Foto trabalhada a partir de Danie Franco / Unsplash

 Filomena, 83 anos

 

Não tenho maneira nenhuma de envelhecer: não sou apologista da velhice. Já me queria ter ido embora. É preciso ter objetivos para cá andar.

A ciência avança, as pessoas vivem mais tempo. Mas para quê? Vivemos mais anos, mas sem metas a alcançar a vida já não tem sentido. A pessoa chega a certa idade e já não consegue fazer coisas. Que fazer então? Fica à espera sem saber de quê.

Há quem mantenha atividade só porque sim, para se manter à tona, para pairar. Isto é uma vida sem sentido, que não vale a pena.

Nem sempre fiz o que quis. Tive de lutar sempre para conseguir o que queria. Fui eu própria, sempre à custa de muita luta. A família tinha padrões dentro dos quais eu tinha de me situar.

O meu próprio casamento foi incompreendido e desaprovado por quase toda a gente. Isso não impediu que nós fossemos construindo valores e seguindo princípios que a família que criámos continuaria a seguir.

Quem são as pessoas que nos apoiam no nosso envelhecimento? Só a família. O grupo de amigos não tem funcionado. Às vezes parecem pouco solidários, como que a solidariedade também se canse ou esgote.

Não sei, de facto, se vale a pena envelhecer. Para mim não! Não estou agarrada à vida, mas há muita gente que está. Também não sei se isto faz sentido. Por isso vivo despegada sem me preocupar muito com o fim…

Hoje a minha liberdade é a mesma, quer esteja ou não estivesse no Lar. Posso estar aqui como podia estar noutro lugar, sem angústias, mas com naturalidade.

Os Lares foram muito diabolizados, mas há muitas pessoas que não tem outra solução e têm mesmo de ir para um Lar.

Acho que os Lares deviam levar uma volta.  Deviam poder responder às necessidades e objetivos de cada pessoa…

 

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

O exemplo de Maria João Sande Lemos

O exemplo de Maria João Sande Lemos novidade

Se há exemplo de ativismo religioso e cívico enquanto impulso permanente em prol da solidariedade, da dignidade humana e das boas causas é o de Maria João Sande Lemos (1938-2024), que há pouco nos deixou. Conheci-a, por razões familiares, antes de nos encontrarmos no então PPD, sempre com o mesmo espírito de entrega total. [Texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba” novidade

O último dia de “Reflexos e Reflexões” prometia uma tarde bem preenchida: o debate sobre “o 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”, e a peça de teatro “House”, de Amos Gitai, pelo teatro La Colline. Aqui deixo uma síntese do debate, que tentei fazer com a maior fidedignidade possível, a partir dos apontamentos que fui tomando (era proibido tirar fotografias ou fazer gravações, para garantir que todos se sentiam mais livres para falar). [Texto de Helena Araújo]

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This