A ciência e o malmequer

| 24 Mar 21

Mal-me-quer, bem-me-quer… Parece que há cristãos que recorrem ao jogo do malmequer para definir a sua vida, guiando-se por preconceitos e pensamento mágico, sem ter os pés assentes no chão.

Vacina. Covid

“Provavelmente a desconfiança histórica no sistema de saúde do país levava-os a uma muito significativa hesitação de virem a receber a vacina contra a covid-19”. Foto © Wladimir B / Bigstock.com

O periódico menonita Anabaptist World revela que a perspectiva pré-vacinas entre a população afro-americana era dramaticamente baixa. Provavelmente a desconfiança histórica no sistema de saúde do país levava-os a uma muito significativa hesitação de virem a receber a vacina contra a covid-19. Esse factor despertou a preocupação dos médicos sobre como superar tal dificuldade em termos de saúde pública.

Já nessa altura se responsabilizavam sectores dos meios de comunicação social pela desinformação que estaria na base do medo. Entretanto as igrejas e organizações religiosas começaram a colaborar no sentido de disponibilizar os seus locais de culto para efeitos de postos de vacinação, de modo a facilitar o processo.

Os resultados duma pesquisa posterior do Pew Research vieram depois a apontar para a eficácia das campanhas pró-vacina, de modo que a disposição da população protestante negra para receber a vacina aumentou de 40% para 64% em poucas semanas, que declararam planear fazê-lo “definitiva ou muito provavelmente”.

Mas onde a hesitação permanece maior é entre os evangélicos americanos brancos, pois ainda em Fevereiro responderam ao inquérito em que apenas pouco mais de metade declararam desejar receber a vacina (54%). Mas note-se que a preocupação deste segmento não é por recear consequências na sua saúde ou da comunidade, já que apenas 48% dos evangélicos brancos disseram receá-los “muito” ao decidirem ser vacinados, contra 70% dos protestantes negros, 65% dos católicos e 68% dos americanos não afiliados.

Qual é então o problema? Segundo Cary Funk, director de Ciência e Pesquisa do Pew Research, uma das razões será que os evangélicos brancos geralmente expressam níveis mais baixos de confiança no processo de pesquisa e desenvolvimento das vacinas em geral, sendo igualmente menos propensos a relatar terem sido habitualmente vacinados contra o vírus da gripe sazonal.

Trata-se dum problema estrutural, de acordo com John Fea, um historiador americano da Messiah University que costuma estudar a população evangélica. Para ele os resultados do estudo não constituem surpresa já que existe uma “longa história de anti-ciência no evangelicalismo americano”, por duas ordens de razões. Antes de mais porque idealizam que Deus os protegerá contra o vírus. Por outro lado, pensam que receber uma vacina é uma demonstração de falta de fé em Deus, e por isso desconfiam da ciência e desvalorizam-na.

Embora a questão da fé ou falta dela seja matéria do foro íntimo de cada um, a verdade é que no caso duma pandemia a vacina não apenas previne os efeitos nefastos do vírus na saúde da pessoa mas também da sua família, amigos e comunidade em geral. Recusar uma vacina testada e aprovada pelas autoridades sanitárias do país e pela OMS pode mesmo ser considerada uma atitude pouco cristã, de falta de respeito por si mesmo e de falta de amor ao próximo, dois conceitos doutrinários que estão na base da fé e da vida cristã.

A este respeito o apóstolo Paulo explicou claramente aos devassos coríntios: “Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?” (1 Coríntios 6:19). “Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo” (1 Coríntios 3:17).

Por outro lado, não se entende por que razão a desconfiança com a ciência só funciona de forma casuística, mesmo considerando apenas o âmbito da saúde, que inclui tratamentos, farmacologia e cirurgias. Se alguém partir uma perna recusa ser operado alegando falta de fé? Se sofrer um AVC recusará o devido tratamento e recuperação e fisioterapia pelo mesmo motivo? Quando sofre de dificuldades na visão recusa usar óculos? Mal-me-quer, bem-me-quer… Parece que há cristãos que recorrem ao jogo do malmequer para definir a sua vida. Para umas coisas a ciência interessa, para outras não, por considerarem falta de fé.

Quando se confundem preconceitos e pensamento mágico com fé sem ter os pés assentes no chão dá nisto. Incongruências, atitudes casuísticas e uma porta aberta para o disparate. Como se viu com o movimento anti-vacinas há cem anos, durante a gripe espanhola, parece que a ciência vai evoluindo com o tempo, mas o disparate tende a permanecer.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona, coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo e director da revista teológica Ad Aeternum; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Segunda leitura: O que é um proletário? [À volta do 1º de Maio]

Segunda leitura: O que é um proletário? [À volta do 1º de Maio] novidade

Um proletário, portanto, é alguém que não tem nada de seu, nem terrenos, nem fortunas, nem heranças, nada, e que apenas vive de vender a força dos seus braços num qualquer trabalho, recebendo daí um salário para sobreviver. A única riqueza (que muitas vezes também acarreta até mais pobreza…) são os filhos. A única ‘coisa’ de seu, por assim dizer.

Breves

“Tragédia brasileira: risco para a casa comum?” novidade

  Entre os dias 4 e 6 de Maio (terça a quinta-feira), um seminário internacional que se realiza em formato digital irá debater se a tragédia brasileira é um risco para a casa comum, numa iniciativa de várias organizações religiosas, de defesa dos direitos humanos...

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

APAV lança vídeo sobre violência sexual contra crianças

A APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima acaba de lançar o primeiro de um conjunto de vídeos que visam a prevenção da violência sexual contra crianças e jovens, procurando capacitar as pessoas sobre estes crimes e a informá-las sobre como pedir ajuda.

Xexão (um poema e uma evocação em Lisboa)

No 30º dia após o falecimento de Maria da Conceição Moita, a comunidade da Capela do Rato, em Lisboa, vai celebrar, a 30 de Abril, às 19h, eucaristia evocando a sua vida. Tendo em conta as regras de segurança em vigor, e o número restrito de lugares na capela, é necessária uma inscrição prévia, que deve ser feita na página digital da Capela do Rato.

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Entre margens

O desaparecimento dos gigantes da fé novidade

De vez em quando temos a sensação de que se está a passar na porta giratória para um mundo diferente. Em especial quando se toma consciência de que alguns dos maiores gigantes do mundo cristão nos deixaram. O mais recente foi o grande teólogo e pensador protestante latino-americano René Padilla (1932-2021), o “pai” do conceito de “missão integral” que revolucionou as teologias do continente, em particular a missiologia.

Alma mutilada novidade

Samuel caminhava dançante num jogo de toca e foge com a suave rebentação da extensa e espelhada beira-mar de Keri Beach. Entusiasmado com a chegada à nova cidade, discursava e gesticulava comparações entre as imensas praias por onde passara. O fiel Odara escutava-o ao longe, absorto no encantamento da devoradora paisagem. Caminhava a passos curtos e lentos, sentindo atentamente a incomum textura da areia que se lhe entranhava nos dedos dos pés a cada novo pisar

José Augusto Mourão… o frade, poeta e professor

Fazemos memória, nesta quarta-feira, 5 de maio, do décimo aniversário da partida para o Senhor de frei José Augusto Mourão op. Nascido em Lordelo, Vila Real, em 12 de junho de 1947, deixou-nos aos 64 anos. Conheci Frei Mourão quando, há já muitos anos, comecei a participar nas eucaristias do Convento de S. Domingos de Lisboa, levado pelo meu amigo Luís de França, também ele frade dominicano, entretanto já desaparecido do meio de nós

Cultura e artes

Alusões a um corpo ausente novidade

Cada pessoa que fizer uma evocação de José Augusto Mourão fá-lo-á de um modo diferente. O percurso biográfico de Mourão presta-se a essa pluralidade quase heterodoxa, diferente das narrativas oficiais com as quais se canoniza uma vida e uma determinada biografia da mesma.

Flannery O’Connor e “Um Diário de Preces” novidade

Flannery O’Connor foi uma escritora norte-americana (1925-1964), falecida aos 31 anos de lúpus, doença degenerativa precocemente diagnosticada (aos 12 anos) e que, depois de lhe terem sido dados cinco anos de vida, Flannery conseguiu, com uma vontade indomável, prolongar por mais 10 anos. Católica convicta, viveu em Savannah, na Geórgia, no sul protestante e conservador. Escreveu sobretudo sobre a decadência do sul da América. Fez uma licenciatura em Inglês e Sociologia e uma pós-graduação através de um writer’s workshop (oficina de escrita) na Universidade de Iowa. Escreveu 32 contos e dois romances.

O teatro da vida na leitura cristã de Luís Miguel Cintra

A revista E, do Expresso, deste fim-de-semana traz em várias páginas a súmula de mais de duas horas de conversa de Luís Miguel Cintra com a jornalista Luciana Leiderfarb, com as imagens da objetiva do repórter António Pedro Ferreira. Destaca-se dela não só uma grande personalidade do teatro, mas também uma pessoa de enorme sensibilidade e riqueza humanas.

Verbalizar o desejo

Em Rezar de Olhos Abertos, José Tolentino Mendonça assume a missão de guiar o crente e a comunidade (alguns textos surgem nesse contexto) na verbalização orante, inserindo-se assim numa tradição espiritual que conhece nos Salmos a sua expressão talvez mais plena e fecunda.

Sete Partidas

O regresso à escola má

Custa-me imenso falar de educação. A sério. Dói-me. Magoa fundo. O mal que temos tratado a educação escolar nas últimas décadas. Colectivamente. Geração após geração. Incomoda-me a forma como é delegada para planos secundários perante a suposta urgência de temas tão mais mediáticos e populares. Quando nada me parece mais urgente.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This