Eunice Muñoz (1928-2022)

“A coisa mais importante é o amor”

| 18 Abr 2022

Eunice Muñoz começou por perguntar onde estará o mistério da linguagem universal da Bíblia? E qual será o ingrediente mágico que o texto bíblico tem para continuar a emocionar? O segredo, dirá, é revelado na passagem que a própria actriz lê a seguir: o chamado “hino à caridade”, da Primeira Carta de Paulo aos Coríntios.

Iniciativa da Sociedade Bíblica Portuguesa que colocou milhares de pessoas a copiar a Bíblia à mão, a gala de abertura da Bíblia Manuscrita, que decorreu na Aula Magna da Universidade de Lisboa, contou com a participação de Eunice Muñoz, acompanhada pela flauta de Rão Kyao. Incisiva ou melodiosa, poética e quente, foi desse modo que, no final de 2004, a actriz, que morreu sexta-feira, 15 de Abril, deu corpo e densidade às palavras do apóstolo Paulo: “Agora existem três coisas: fé, esperança e caridade – e amor; a mais importante, a mais importante é o amor.”

A propósito da morte de Eunice Muñoz, a Sociedade Bíblica disponibilizou na sua página e no canal YouTube o vídeo dessa leitura – melhor se diria, dessa vivificação –, que o 7MARGENS aqui também reproduz:

 

Nascida em 30 de Julho de 1928, na Amareleja (Moura, Alentejo), Eunice Muñoz dedicou-se ao teatro ainda criança, a partir dos 13 anos, estreando-se no Teatro Nacional D. Maria II, na altura a convite de Amélia Rey Colaço, outra das mais importantes actrizes portuguesas.

Eunice Muñoz. Foto © Arlindo Homem

Eunice Muñoz. Foto © Arlindo Homem

Com uma vida rica na interpretação de papéis que a consagraram como uma das maiores actrizes portuguesas – entre os quais, por exemplo, o da protagonista de Mãe Coragem e os Seus Filhos, de Bertolt Brecht – dizia, em entrevista ao Público : “Aceito tudo o que a vida me deu e fico grata a Deus por tudo o que tive e tenho.”

As exéquias de Eunice Muñoz terão lugar nesta terça-feira, 19, a partir das 15h, na Basílica da Estrela, em Lisboa, onde o corpo está a ser velado desde o final da tarde de segunda-feira. O funeral seguirá depois para o Alto de São João, também em Lisboa. O Governo decretou que esta terça-feira é dia de luto nacional em memória da actriz.

 

 

 

 

 

 

 

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This