A conquista de seriedade das casas espíritas e o Kardecismo em Portugal

| 11 Jan 19

“Se existe preconceito para com este tipo de crenças? Ainda existe algum. Quando fiz o estágio na casa espírita, tive contacto com senhoras do Brasil que, quando tinham que dizer no trabalho que iam a uma casa espírita, diziam que iam à igreja.” As palavras são de Solange Martinho, investigadora no Núcleo de Investigação em Género e Religião e no Instituto do Cristianismo Contemporâneo, ambos da Universidade Lusófona de Lisboa. Solange tem dedicado parte do seu tempo a estudar o espiritismo Kardecista em Portugal. Desenvolveu um estágio para fins académicos num grupo espírita em Algés, sobre o qual fez um relatório de estágio para obtenção do mestrado em Ciência das Religiões.

Nesta segunda-feira, 14 de janeiro, às 15h, Solange Martinho estará na Universidade Católica Portuguesa a apresentar uma conferência sobre “A Expressão do Espiritismo Kardecista em Portugal, pós 25 de Abril”, no âmbito de um ciclo do Centro de Estudos de História Religiosa sobre a diversidade religiosa na sociedade contemporânea. 

O espiritismo kardecista é assim chamado por causa de Allan Kardec, pseudónimo do autor francês Hippolyte Léon Denizard Rivail, que foi “quem estudou muito e codificou a mensagem que os espíritos traziam”.

Kardec começou a comunicar com os espíritos, fazendo perguntas de sim ou não, e convidava figuras da alta sociedade para assistir a essas sessões. Em Portugal, era semelhante: as pessoas da alta sociedade reuniam-se, clandestinamente, para assistir a comunicações: “Já na altura da ditadura de Salazar se dizia que as mulheres iam à missa e quando de lá saíam iam às bruxas – ou seja havia espiritismo, mas não se falava nesses termos.”

Segundo a investigadora, o espiritismo é todo baseado no cristianismo e muito ligado a Jesus, seguindo também as obras de Kardec, cinco livros sobre o espiritismo: Livro dos Espíritos, Livro dos Médiuns, O Evangelho segundo o Espiritismo, O Céu e o Inferno e A Génese.  Além disso, o ponto chave da doutrina é o assistencialismo a pessoas mais carenciadas, dando grande importância à ajuda de sem-abrigo e grávidas.

“O espiritismo contempla sempre três aspetos: filosofia, ciência e religião. Mas há uma diferença entre espiritismo e espiritualismo. Espiritismo é só mesmo de Kardec e de comunicação com os espíritos.”

Em Portugal, a expressão tem crescido devido a migrações do Brasil, um país onde os espíritas são considerados uma fé como qualquer outra e muito respeitada. Em Portugal e ilhas, há, aproximadamente, 120 casas espíritas, de acordo com dados da ADEP (Associação dos Divulgadores do Espiritismo em Portugal), mas apenas 72 estão inscritas na Federação Espirita Portuguesa. Quase todas as casas estão registadas como Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS).

Para a investigadora, o preconceito “ainda existe” mas, do que tem observado, “já foi pior”: “Na atualidade, a própria Câmara Municipal de Lisboa permite que o grupo espírita forneça sopa aos sem-abrigo porque o reconhece como uma entidade que faz um trabalho sério e de contribuição com o Estado.” 

Solange Martinho conta ainda que, no seu estágio no Grupo Espírita Batuíra, em Algés, uma grande casa tanto em Portugal como no Brasil,  se apercebeu que esta casa serve como uma “espécie” de escola de formação para os adeptos, que em alguns casos, iniciam outros grupos, noutros locais. É ainda um espaço onde convivem pessoas de todas as classes sociais.

“Os grupos espíritas estão a conquistar a seriedade” no espaço social e religioso, diz. “Acho que está a ser muito bem aceite e, pelo que tenho investigado, são pessoas sérias,” conclui.

 

Breves

Boas notícias

Outras margens

Cultura e artes

Os lugares do Papa no Iraque: uma viagem de regresso, reencontro e reafirmação de fraternidade novidade

Os lugares da viagem do Papa ao Iraque erguem memórias que abarcam desde o berço da civilização nas planícies do sul da Mesopotâmia e de toda a sua história até ao berço da expansão judaico-cristã, nos vales e montanhas entre a Assíria e a vizinha Arménia. Ali começou a viagem de Abraão, ali Francisco regressa numa visita que traduz o reencontro e a reafirmação da fraternidade. Um percurso pelos lugares da viagem, ao encontro da memória desses lugares.

Arte de rua: amor e brilho no olhar novidade

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

O Karimojong português novidade

O padre Germano Serra, um missionário comboniano português, acaba de publicar o dicionário mais completo da língua karimojong, uma tribo semi-nómada do Uganda por que se apaixonou há quase quatro décadas.

Precisamos de nos ouvir (22) – António Durães: Talvez a arte nos possa continuar a salvar

Por força não sei de que determinação, o meu mundo, o mundo teatral, divide-se, também ele, em duas partes. Não há Tordesilhas que nos imponha o mundo assim, mas a verdade teatral determina-o: o mundo da sala e o mundo do palco. A cortina de ferro divide esses dois mundos de forma inexorável. Por razões de segurança, mas também por todas as outras razões. E esses dois mundos apenas se comunicam, quando o Encontro, como chamavam alguns antigos ao espectáculo, se dá.

Pessoas

O Karimojong português

O Karimojong português novidade

O padre Germano Serra, um missionário comboniano português, acaba de publicar o dicionário mais completo da língua karimojong, uma tribo semi-nómada do Uganda por que se apaixonou há quase quatro décadas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

Arte de rua: amor e brilho no olhar novidade

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This