A conquista de seriedade das casas espíritas e o Kardecismo em Portugal

| 11 Jan 19

“Se existe preconceito para com este tipo de crenças? Ainda existe algum. Quando fiz o estágio na casa espírita, tive contacto com senhoras do Brasil que, quando tinham que dizer no trabalho que iam a uma casa espírita, diziam que iam à igreja.” As palavras são de Solange Martinho, investigadora no Núcleo de Investigação em Género e Religião e no Instituto do Cristianismo Contemporâneo, ambos da Universidade Lusófona de Lisboa. Solange tem dedicado parte do seu tempo a estudar o espiritismo Kardecista em Portugal. Desenvolveu um estágio para fins académicos num grupo espírita em Algés, sobre o qual fez um relatório de estágio para obtenção do mestrado em Ciência das Religiões.

Nesta segunda-feira, 14 de janeiro, às 15h, Solange Martinho estará na Universidade Católica Portuguesa a apresentar uma conferência sobre “A Expressão do Espiritismo Kardecista em Portugal, pós 25 de Abril”, no âmbito de um ciclo do Centro de Estudos de História Religiosa sobre a diversidade religiosa na sociedade contemporânea. 

O espiritismo kardecista é assim chamado por causa de Allan Kardec, pseudónimo do autor francês Hippolyte Léon Denizard Rivail, que foi “quem estudou muito e codificou a mensagem que os espíritos traziam”.

Kardec começou a comunicar com os espíritos, fazendo perguntas de sim ou não, e convidava figuras da alta sociedade para assistir a essas sessões. Em Portugal, era semelhante: as pessoas da alta sociedade reuniam-se, clandestinamente, para assistir a comunicações: “Já na altura da ditadura de Salazar se dizia que as mulheres iam à missa e quando de lá saíam iam às bruxas – ou seja havia espiritismo, mas não se falava nesses termos.”

Segundo a investigadora, o espiritismo é todo baseado no cristianismo e muito ligado a Jesus, seguindo também as obras de Kardec, cinco livros sobre o espiritismo: Livro dos Espíritos, Livro dos Médiuns, O Evangelho segundo o Espiritismo, O Céu e o Inferno e A Génese.  Além disso, o ponto chave da doutrina é o assistencialismo a pessoas mais carenciadas, dando grande importância à ajuda de sem-abrigo e grávidas.

“O espiritismo contempla sempre três aspetos: filosofia, ciência e religião. Mas há uma diferença entre espiritismo e espiritualismo. Espiritismo é só mesmo de Kardec e de comunicação com os espíritos.”

Em Portugal, a expressão tem crescido devido a migrações do Brasil, um país onde os espíritas são considerados uma fé como qualquer outra e muito respeitada. Em Portugal e ilhas, há, aproximadamente, 120 casas espíritas, de acordo com dados da ADEP (Associação dos Divulgadores do Espiritismo em Portugal), mas apenas 72 estão inscritas na Federação Espirita Portuguesa. Quase todas as casas estão registadas como Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS).

Para a investigadora, o preconceito “ainda existe” mas, do que tem observado, “já foi pior”: “Na atualidade, a própria Câmara Municipal de Lisboa permite que o grupo espírita forneça sopa aos sem-abrigo porque o reconhece como uma entidade que faz um trabalho sério e de contribuição com o Estado.” 

Solange Martinho conta ainda que, no seu estágio no Grupo Espírita Batuíra, em Algés, uma grande casa tanto em Portugal como no Brasil,  se apercebeu que esta casa serve como uma “espécie” de escola de formação para os adeptos, que em alguns casos, iniciam outros grupos, noutros locais. É ainda um espaço onde convivem pessoas de todas as classes sociais.

“Os grupos espíritas estão a conquistar a seriedade” no espaço social e religioso, diz. “Acho que está a ser muito bem aceite e, pelo que tenho investigado, são pessoas sérias,” conclui.

 

Breves

Boas notícias

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

O Sea Watch 4 resgatou, de manhã cedo, neste domingo, 23 de Agosto, 97 pessoas que viajavam a bordo de uma lancha pneumática sobrelotada, já depois de ter salvo outras sete pessoas noutra lancha. A presença do navio desde há dias no Mediterrâneo central, é fruto da cooperação entre a Sea Watch, os Médicos Sem Fronteiras (MSF) e a Igreja Protestante alemã, que promoveu uma campanha de recolha de fundos para que ele pudesse zarpar.

Outras margens

Cultura e artes

Encarnando o irmão Luc

Michael Lonsdale era, naquele final do dia, em Braga, o irmão Luc, assim dando corpo e espírito ao monge com o mesmo nome que foi assassinado na Argélia, em 1996. E é inesquecível a sua participação no filme Dos Homens e dos Deuses, que evoca a vida dos monges do mosteiro argelino de Tibhirine, sete dos quais (Bruno, Célestin, Christian, Cristophe, Michel, Paul, além de Luc) raptados e assassinados por um grupo de islamitas.

Michael Lonsdale: “Gostaria de morrer tranquilamente. Em Deus sobretudo”

Um dos mais fascinantes actores franceses, Michael Lonsdale morreu na passada segunda-feira, 21. Uns lembrar-se-ão de ele ter sido o vice-cônsul de Lahore no filme India Song, de Marguerite Duras, outros não ignorarão o facto de ele se ter empenhado em fazer a vida negra a James Bond. Mas Michael Lonsdale participou em filmes de Truffaut, Malle, Buñuel, Spielberg e outros realizadores não menos relevantes.

Pessoas

Sete Partidas

A reunião de trabalho

A reunião de trabalho convocada pela chefe chegou sem surpresa. Mais uma entre tantas. Comparecemos todos. Através do ecrã, a expressão no rosto e o tom da voz denotavam, no entanto, uma intenção outra. Um assunto especial. Havia efectivamente um assunto especial a abordar. Abertamente. Uma autenticidade sem pudor marcou o tom da conversa. Um cuidado humilde e generoso revelado sem condicionamentos.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

A trama invisível da cidadania e o valor de educar novidade

“Em Ersília, para estabelecer as relações que governam a vida na cidade, os habitantes estendem fios entre as esquinas das casas, brancos ou pretos ou cinzentos ou pretos e brancos, conforme assinalem relações de parentesco, permuta, autoridade, representação. Quando os fios são tantos que já não se pode passar pelo meio deles, os habitantes vão-se embora: as casas são desmontadas; só restam os fios e os suportes dos fios.”

Fátima e “Avante”

Permitam-me duas ou três reflexões, como cristão católico, sobre a polémica instalada na sociedade portuguesa, relativamente aos acontecimentos na Quinta da Atalaia e na Cova da Iria.

Rituais pós-nascimento: “Ku xlomula mamani ni ku humisa mwana”

Nas culturas bantu do sul de Moçambique, especificamente na xironga e na xitswa, após o nascimento de um bebé, a mãe e a sua criança ficam, por algum tempo, interditados do convívio com a família alargada, por se considerar que os seus corpos não se encontram fortes o suficiente para conviver com agentes impuros, sejam do ambiente poluído de fora de casa, sejam os que com eles habitam, pelo facto de viverem entre o resguardo do lar e outras actividades que realizam fora de casa.

Fale connosco