A crise dos abusos deve estar no centro do processo sinodal convocado pelo Papa

e | 17 Nov 2022

A ilustração do artista TVBoy, sobre os abusos sexuais. Foto: Direitos reservados

 

Como escreveu o historiador jesuíta americano padre John O’Malley num dos seus últimos artigos publicados na revista America em Fevereiro passado, a história da sinodalidade é mais antiga do que pensamos. Há várias fases na história da instituição sinodal e do modo de governar a Igreja: desde a Igreja primitiva ao catolicismo medieval e moderno. A fase actual faz parte do que o Concílio Vaticano II tinha em mente para a reforma da Igreja: uma mistura de aggiornamento (ou actualização) e ressuscitação (um novo olhar sobre as antigas fontes da tradição cristã).

Ao mesmo tempo, o actual processo sinodal iniciado pelo pontificado de Francisco não pode ser compreendido fora da crise de abusos que molda uma mudança de época na Igreja Católica, um dos “sinais dos tempos” de que fala a constituição pastoral Gaudium et Spes do Concílio Vaticano II: “A Igreja sempre teve o dever de escrutinar os sinais dos tempos e de os interpretar à luz do Evangelho.” O facto é que agora já não é a Igreja que escrutina os sinais dos tempos à luz do Evangelho. Os sinais dos tempos – a começar pelas vozes das vítimas e sobreviventes de abusos – estão também a examinar a Igreja à luz do Evangelho.

É evidente que já não é uma opção ignorar, desconsiderar, subestimar ou pôr-se de lado no que diz respeito a casos de abuso, especialmente na Igreja. Abusos de qualquer tipo – sexual, espiritual, de poder ou de consciência – contradizem abertamente a dignidade fundamental do ser humano. Este reconhecimento do horror dos abusos faz parte de um processo a longo prazo de conhecimento e compreensão a nível sociocultural e político (opinião pública, legislação, sistema judicial), e também a nível comunitário, como comunidade católica (que é maior do que apenas aqueles que participam sacramentalmente na vida da Igreja depois de terem sido baptizados).

A maior parte das fases locais e nacionais do processo sinodal em curso, tal como surgiu da síntese publicada pelo Vaticano a 27 de Outubro, mencionaram a crise dos abusos como um factor chave na forma como a Igreja é vista e compreendida, não só pelos meios de comunicação social, mas também pelos católicos. Esta ligação entre a necessidade de uma Igreja mais sinodal e o escândalo dos abusos tornou-se igualmente visível nos países onde não houve inquérito nacional, como na Inglaterra e no País de Gales (IICSA 2022), em França (o relatório CIASE de 2021) ou na Austrália (o relatório da Royal Commission publicado em 2017).

 

Um tema central

Deve entender-se que as oportunidades do processo sinodal que inicia em breve a sua fase continental estão estreitamente ligadas ao que a Igreja Católica faz e não faz na crise dos abusos. Trata-se da crise dos abusos, mesmo quando não se refere explicitamente a crise dos abusos.

Se há uma questão sobre a qual os católicos em muitos países decidirão se querem ficar ou partir, é a reforma da Igreja como resposta credível à crise dos abusos. Aqui, aqueles que vêem a sinodalidade como uma conversão espiritual e não estrutural deveriam olhar para a história (foi chocante ver que, no grupo de peritos reunidos em Frascati para a síntese de Outubro, não havia um único historiador). A grande maioria dos católicos sensíveis à crise dos abusos e que agora olham para o futuro da Igreja não querem outra Igreja Católica em oposição à existente. Eles não querem outra Reforma Protestante que divida o catolicismo em dois.

Não querem uma Contra-Reforma como a que respondeu à Reforma Protestante do século XVI. O que eles querem é uma Reforma Católica que dê nova vida às estruturas existentes, não tenha medo de se livrar de estruturas que não têm função significativa e que não terão função significativa no futuro, e tenha a coragem de criar novas estruturas.

 

Mudanças estruturais

É verdade que, como os líderes sinodais dizem frequentemente, o processo sinodal é um fruto maduro do Concílio Vaticano II. Mas seria uma promessa não cumprida – e um sinal negativo do estado de acolhimento do Concílio – se o Sínodo da Sinodalidade não apontasse a crise dos abusos, especialmente na Igreja Católica, como um dos sinais dos tempos.

A crise dos abusos é mencionada em vários documentos dos processos sinodais nacionais, incluindo os dos EUA, Austrália, Áustria e França. No entanto, a impressão geral é que o sofrimento das vítimas de abuso na Igreja é frequentemente apresentado como uma entre outras questões igualmente importantes. Além disso, a referência a “mais transparência, responsabilidade e co-responsabilidade” (n. 20 do documento de Outubro do Vaticano) não parece ser prioritária na abordagem das questões sistémicas subjacentes às crises gémeas de abuso e falta de confiança na liderança da Igreja – e a consequente necessidade de mudanças estruturais, especialmente na governação da Igreja e nos modelos de ministério.

O facto de ignorar ou minimizar o impacto da crise dos abusos pode ser motivado por duas razões.

 

Duas razões

Por um lado, muitos sentem que se tem falado demasiado tempo sobre abusos e que deveria regressar-se às questões pastorais “reais”. Esta pode ser a variante liberal ou conservadora – dependendo da preferência – de uma mentalidade de “fortaleza”. Deixa de fora a dupla crise: o horror da violência sexual pelo clero, religiosos e outros na Igreja, e o grande horror do fracasso institucional dos líderes em pôr fim a tais abusos – quando se fala, por exemplo, sobre a sinodalidade e os caminhos da Igreja de hoje. Qualquer coisa que possa alterar uma atmosfera espiritual de um novo começo – que é urgentemente necessário depois de tanto escândalo – ou uma orientação de guerra cultural, é mantida de fora.

Por outro lado, alguns – incluindo os líderes do processo sinodal nacional alemão – estão expostos à acusação de que utilizam os casos de abusos como pretexto para impulsionar as suas exigências politico-eclesiásticas habituais, tais como a ordenação das mulheres, sem primeiro passarem por um processo espiritual de discernimento genuíno.

O perigo inerente a deixar o escândalo dos abusos fora do fluxo das deliberações sinodais (compreensível do ponto de vista humano, tendo em conta o sofrimento insuportável daqueles que sofreram e o fracasso dos líderes da Igreja) é grande e tem graves consequências. A profunda decepção, raiva, resignação e alienação de muitos católicos, mesmo do coração de muitas paróquias e outras instituições da Igreja, seria apagada, e conduziria permanentemente muitos crentes empenhados e as suas famílias ao exílio espiritual.

Além disso, o grande potencial criativo para uma verdadeira renovação espiritual e institucional conducente a uma Igreja mais segura, transparente e honesta não seria alcançado. O preço parece demasiado elevado para muitos, que não reconhecem e admitem que não existem soluções rápidas ou mágicas, nem à esquerda nem à direita.

Ao mesmo tempo, tendo em conta a evolução da sociedade e do mundo em crise, seria um sinal necessário se a Igreja Católica enfrentasse conscientemente o confronto exaustivo e desiludido com o seu passado e o seu presente. Fazê-lo seria um exemplo de como, com os seus fracassos e o seu potencial, um desenvolvimento realista e eficaz do que foi o cristianismo no início pode ter lugar: o regresso generoso àqueles que mais necessitam da cura e salvação de Deus.

 

Massimo Faggioli é Professor de Teologia Histórica na Universidade de Villanova (EUA).
Hans Zollner, SJ, é Director do Instituto de Antropologia da Pontifícia Universidade Gregoriana (Roma) e membro da Comissão Pontifícia para a Protecção de Menores.

Este texto é publicado com autorização dos autores e da NCR Publishing Company. 

 

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This