“A crise levou a Igreja a tornar-se mais samaritana”, diz bispo da Venezuela

| 24 Nov 19

O bispo Raul Biord. Foto © ReligionDigital

 

“A Igreja da Venezuela tem-se renovado imenso e, desde que a crise começou no país, temos continuado a viver, tornando-nos uma Igreja mais samaritana”, afirmou Raúl Biord, bispo de La Guaira (Venezuela), na segunda edição do Congresso sobre as Reformas do Papa, que decorreu em Caracas nos útlimos dias.

Na opinião do bispo Biord, este processo tem que seguir em frente, fundado na ideia da sinodalidade, que “não se reduz a caminhar juntos, mas que tem de chegar a decisões partilhadas”. Ou seja, passar de dioceses fechadas em si mesmas a uma pastoral de conjunto”.

A ideia da sinodalidade na Venezuela não é, segundo o bispo, “uma teoria, mas uma prática” e isso “foi uma primavera do Espírito”. Por isso, acrescentou, “respeitando a autoridade pessoal de cada bispo, é importante contar com decisões que permitam que a comunhão que se realize na ação pastoral”.

Biord, citado pelo Religión Digital, apresenta uma imagem da Igreja como “uma caravana”: “Alguns vão à frente, marcando o passo e abrindo brechas; outros seguem os caminhos abertos; outros vão mais atrás acompanhando os que têm dificuldade em seguir o ritmo.” Biord também acrescenta que alguns “têm ideias criativas e audazes, atitudes proféticas e até de martírio”, mas descreve que são esses mesmos profetas e mártires que regam a igreja com “a sua voz e o seu sangue e, assim, alimentam a esperança.”

Artigos relacionados