A debilidade de Deus

| 19 Fev 21

Praticamente todas as religiões monoteístas, e especialmente as abraâmicas, quando falam catafaticamente acerca de Deus, referem-se a Ele várias vezes como sendo Omnipotente, Todo-Poderoso. Acontece que nas nossas sociedades pós-modernas altamente secularizadas e perante a constatação de ocorrências de catástrofes naturais, do sofrimento e da morte, é por vezes difícil conciliar essa cosmovisão de um Deus bom e que tudo pode.

Sabe-se que na predominante cultura patriarcal, como era a romana, a metáfora de Deus Pai como Todo-Poderoso era deveras atrativa. Observava-se que os cristãos perseguidos por causa da sua fé e na sua grande maioria constituída por clientes, proletários e escravos, associavam a figura toda poderosa do pater familias a Deus. Dessa figura patriarcal esperavam para si e respetivas famílias, abrigo e proteção de todos os perigos e danos.

Existia também uma certa correlação entre o desenrolar da liturgia na igreja ao longo dos tempos e o uso da adjetivação de Deus como Todo-Poderoso. Começando pela institucionalização da igreja, passando pela assimilação das estruturas e símbolos do império nas próprias catedrais e igrejas, onde até as vestes dos sacerdotes espelham o esplendor e poder dos antigos sumo-sacerdotes pagãos, era quase impossível a referência a Deus senão como o Todo-Poderoso.

Mas ao longo de séculos a imagem de Deus todo-poderoso tem também levado muitos a interrogarem-se acerca da condição humana, do sofrimento e do mundo/universo imperfeito em que vivemos. Se Deus, sendo ele amoroso, tem todo o poder e sabe todas as coisas, como explicar o mal?

O famoso paradoxo do filósofo grego Epicuro tem induzido muitos a pensarem num Deus totalmente despreocupado e alienado dos problemas humanos e do mundo que os rodeia, já que o mesmo postula a impossibilidade da existência um Deus totalmente poderoso, omnisciente, omni-benevolente e que ao mesmo tempo tivesse permitido a existência do mal e sofrimento consequente.

Não existem respostas fáceis para estas questões profundas e nem sequer nas sagradas escrituras encontramos respostas satisfatórias para o problema da nossa finitude e sofrimento. No livro poético de Job, que tenta tratar o eterno problema da teodiceia – ramo da teologia que trata da coexistência de um Deus todo-poderoso de bondade infinita com o mal – o próprio Javé se esquiva a dar uma resposta satisfatória para o sofrimento de Job.

Na carta de Paulo aos Filipense e entendida através de uma perspetiva trinitária, a famosa passagem do segundo capítulo dá-nos uma leitura extraordinária e nada convencional acerca de um Deus Todo-poderoso que, ao encarnar por amor da humanidade, opta pelo Seu esvaziamento. Ao contrário das mitologias greco-romanas, onde as poderosas e imortais divindades podiam descer à terra e até se relacionarem com os mortais, este Deus afinal desce até nós abdicando de todos os seus privilégios e poder, tomando a forma de um escravo (μορφὴν δούλου), manso e humilde de coração (Mateus 11:25-30).

“O poder do Deus-Poderoso, é afinal escândalo para muitos, revelado numa cruz,..” (Salvador Dalí, Cristo de São João da Cruz)

Por vezes as nossas fragilidades e inseguranças preferem o refúgio em imagens todo-poderosas de Deus, de um Deus que intervém ativamente na história. E se pensássemos num Deus que atua essencialmente através das nossas fraquezas? E se a Sua fraqueza foi o único meio que Ele encontrou para estar connosco ao nosso lado e assistir-nos nas nossas dores e angústias? Dietrich Bonhoeffer, um dos grandes teólogos e mártir às mãos do poder nazi, viu em Jesus esse Deus fraco e débil que não intervém no mundo como uma máquina (deus ex machina) para nos salvar e libertar, mas que está ao nosso lado, que sofre connosco, nos sustem nas nossas dores e fraquezas.

Lembro-me de um relato de um sobrevivente de um campo de concentração nazi, Elie Wiesel, no seu livro A Noite, que conta a história do enforcamento de uma frágil criança pendurada e a debater-se em agonia durante mais de meia hora. Neste horrendo quadro presenciado por vários adultos, alguém perguntou “Onde está Deus?”. Como que o pequenino continuasse ainda a resistir a viver, o mesmo homem continuava a insistir “Onde está Deus, então?”. O autor sentiu dentro de si uma voz que lhe respondia: “Onde é que Ele está? Ei-lo… está aqui pendurado nesta forca…”. O poder do Deus-Poderoso, é afinal escândalo para muitos, revelado numa cruz, em que até o próprio Jesus se encontra totalmente abandonado no Seu sofrimento.

A antítese do poder encontra-se afinal no serviço, essa inversão que muitos não entendem: o Todo-poderoso Deus, ao jeito sacramental, faz-se deliberadamente escravo ao tomar uma toalha e uma bacia, e que lava os pés poeirentos e sujos das Suas criaturas (João 13:1-15). Relembremos as palavras do Papa Francisco: “O que distingue o juízo de Deus do nosso juízo não é a onipotência, mas a misericórdia. Em Jesus aprendemos que Deus é todo-poderoso no amor e na misericórdia.”

 

Vítor Rafael é investigador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo, da Universidade Lusófona.

 

AstraZeneca: fundos públicos financiaram vacina em 97%?

AstraZeneca: fundos públicos financiaram vacina em 97%?

Fundos públicos com diversas origens financiaram pelo menos 97% dos custos de investigação e desenvolvimento que permitiram a criação e o lançamento da vacina anti-covid-19 do grupo Oxford/AstraZeneca. A conclusão faz parte de um estudo, publicado a 10 de abril, por investigadores da Universities Allied for Essential Medicines, ainda não sujeito a qualquer revisão por outros cientistas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Mãos à obra (6) – Ferraria de São João: Fazer acontecer

Mãos à obra (6) – Ferraria de São João: Fazer acontecer

Desta vez, pela mão de Ana Sofia Soeiro, fomos até à aldeia de Ferraria de São João, concelho de Penela. Inserida na rede de “Aldeias do Xisto”, com uma população residente de cerca de 50 pessoas, alguns adolescentes e crianças, as gentes da terra, com o apoio da Associação de Moradores, decidiram fazer acontecer. E agora, outras gentes em outros lugares, lhes seguem as pisadas. Assim se exerce a cidadania.

Breves

Seminário de Coimbra assinala Dia Internacional dos Monumentos e Sítios com direto na cúpula da igreja novidade

Uma conversa em cima do andaime montado na cúpula da igreja do Seminário Maior de Coimbra irá juntar, no próximo dia 19 de abril, pelas 18h, o padre Nuno Santos, reitor da instituição, e Luís Aguiar Campos, coordenador do projeto de conservação e restauro do seminário. A iniciativa pretende assinalar o Dia Mundial dos Monumentos e Sítios (que se celebra domingo, 18) e será transmitida em direto no Facebook.

Vaticano saúda muçulmanos no Ramadão novidade

O Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso, da Santa Sé, enviou uma mensagem aos muçulmanos de todo o mundo, por ocasião do início do Ramadão, convidando todos os crentes a serem “construtores e reparadores” da esperança.

China quer que clérigos tenham amor pelo Partido Comunista

Novo decreto governamental é “mais uma medida totalitária para limitar a liberdade religiosa”, acusa organização de direitos humanso. O decreto aplica-se a todas as religiões, ou seja, lamas budistas, clérigos cristãos, imãs muçulmanos e outros líderes religiosos.

Aumentar valor das prestações sociais, sugere Pedroso nos 25 anos do RSI

O valor das prestações sociais como o Rendimento Social de Inserção (RSI) deveria aumentar, pois já não responde às necessidades das pessoas mais vulneráveis. A ideia é defendida por Paulo Pedroso, que foi o principal responsável pela comissão que estudou o modelo de criação do então Rendimento Mínimo Garantido (RMN).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Francisco corta 10% nos salários dos cardeais

O Papa Francisco emitiu um decreto determinando um corte de 10% nos salários dos cardeais, bem como a redução de pagamento a outros religiosos que trabalham na Santa Sé, com efeitos a partir de 1 de abril, divulgou o Vaticano esta quarta-feira, 24 de março. A medida, que não afeta os funcionários com salários mais reduzidos, visa salvar os empregos no Vaticano, apesar da forte redução das receitas da Santa Sé, devido à pandemia de covid-19.

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Entre margens

Leprosários novidade

A mais recente Responsum ad dubium[1] da Congregação para a Doutrina da Fé relativa à bênção de uniões homossexuais tem feito correr rios de tinta. Se, por um lado, haja quem veja um retrocesso no caminho de inclusão delineado pelo Papa Francisco, outros encaram esta resposta como um travão necessário à prática de bênçãos a casais homossexuais, em total coerência com a linha da doutrina moral da Igreja.

Para condenar não me chamem

Após vinte e dois anos de trabalho dentro de uma prisão ainda me pergunto: que falta faz um padre na prisão? Talvez seja necessário responder antes a uma outra: para que serve a prisão? O sistema prisional devia ter dois objetivos fundamentais: proteger a sociedade de condutas criminosas e proporcionar aos reclusos uma hipótese de reabilitar as suas vidas.

Embriaguez sem vinho

A juventude é a embriaguez sem vinho, dizia Goethe, mas quando o vinho está azedo a embriaguez passa a doença. A recorrência das crises, os surtos pandémicos e a falta de horizontes podem estar a criar uma geração perdida. Mas não terá sido quase sempre assim?

Cultura e artes

A torrente musical de “Spem in Alium”, de Thomas Tallis

Uma “torrente musical verdadeiramente arrasadora”, de esperança pascal, diz o padre Arlindo Magalhães, comentador musical, padre da diocese do Porto e responsável da comunidade da Serra do Pilar (Gaia), a propósito da obra de Thomas Tallis Spem in Alium (algo que se pode traduzir como “esperança para lá de todas as ameaças”).

A Páscoa é sempre “pagã”

A Páscoa é sempre pagã / Porque nasce com a força da primavera / Entre as flores que nos cativam com promessas de frutos. / Porque cheira ao sol que brilha na chuva / E transforma a terra em páginas cultivadas / Donde nascem os grandes livros, os pensamentos / E as cidades que se firmam em pactos de paz.

50 Vozes para Daniel Faria

Daniel Faria o último grande poeta português do século XX, morreu há pouco mais de vinte anos. No sábado, dia 10, assinala-se o 50.º aniversário do seu nascimento. A Associação Casa Daniel assinala a efeméride com a iniciativa “50 Vozes para Daniel Faria” para evocar os poemas e a memória do poeta.

“Sequência da Páscoa: uma das mais belas histórias do mundo”

Sem poder ir ao cinema para poder falar de um novo filme que, entretanto, tivesse estreado, porque estamos em tempo de Páscoa e porque temos ainda viva diante dos olhos a profética peregrinação do Papa Francisco ao Iraque – que não pode ser esquecida, mas sempre lembrada e posta em prática – resolvi escrever (para mim, a primeira vez neste lugar) sobre um filme profundamente pascal e actual: Dos Homens e dos Deuses (é quase pecado não ter experimentado a comoção de vê-lo). E não fui o único a fazê-lo por estes dias.

Sete Partidas

É o vírus, estúpido!

No princípio da semana (22 março),  Angela Merkel reuniu com os ministros-presidentes dos estados alemães para tomar decisões sobre o que fazer perante o actual descontrolo da situação na Alemanha. As hesitações dos políticos e os truques que alguns responsáveis regionais arranjaram para iludir as regras combinadas por todos foram fatais para a luta contra a mutação inglesa. Esta terceira vaga está a ser ainda mais rápida e avassaladora do que já se temia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This