A ecologia integral do presépio do Vaticano

| 10 Dez 2022

Obelisco da Praça de S. Pedro já está rodeado do presépio que, desta vez, veio de Sutrio, província de Udine. Foto © Tony Neves.

Obelisco da Praça de S. Pedro já está rodeado do presépio que, desta vez, veio de Sutrio, Udine. Foto © Tony Neves.

 

O obelisco da Praça de S. Pedro já está rodeado do presépio que, desta vez, veio de Sutrio, província de Udine, região do Friuli. Inaugurado no sábado, 3 de dezembro, tem a particularidade de ser todo de madeira: desde a cabana que abriga a Sagrada Família até às várias imagens que povoam o estrado onde o presépio está montado. 

Este presépio típico mostra a vida tradicional do povo simples e pobre que habita aquela região, sendo uma homenagem à sua população trabalhadora: um carpinteiro, uma tecedeira, um vendedor ambulante, crianças a brincar, uma família, pastores, o boi, o burro, o anjo, os reis magos a olhar para a estrela… e, dentro da cabana, José e Maria, esperando o Menino que ali será dado à luz na noite de Natal. 

As estátuas de cedro foram esculpidas por uma dezena de artistas locais. Trata-se de um presépio ecológico porque toda a madeira nele utilizada foi retirada de árvores cujo abate já estava programado.

Obelisco da Praça de S. Pedro com o presépio e a árvore de Natal. Foto © Tony Neves.

Obelisco da Praça de S. Pedro e a árvore de Natal, um abeto de 30 metros. Foto © Tony Neves.

Também ecológica é a grande árvore de Natal, cujos luzes se acenderam no mesmo dia, ao final da tarde. É um abeto de 30 metros, vindo de Rosello, uma aldeia de montanha com apenas 182 habitantes, na região do Abruzzo. Também o abate desta árvore em nada prejudicou o ambiente e vem chamar a atenção para comunidades de montanha que correm o risco de desaparecer. 

A ecologia integral, de que fala o Papa Francisco, é imagem de marca deste presépio porque foram privilegiadas comunidades pobres e abandonadas. A decoração da árvore foi igualmente assegurada por uma instituição de Rosello que apoia jovens: a estrutura residencial de reabilitação psiquiátrica La Quadrifoglio.

Na cerimónia de inauguração, a irmã Raffaella Petrini, secretária-geral do Governatorato do Estado da Cidade do Vaticano, lembrou as origens do presépio com o Santo de Assis: “O Natal era, para S. Francisco, a festa das festas.”

 

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe

Nove dias após a sua morte numa prisão russa

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe novidade

O corpo do líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi entregue à sua mãe, informou ontem, sábado, Ivan Zhdanov, diretor da Fundação Anti-Corrupção de Navalny e um dos seus principais assessores na sua conta de Telegram. O responsável agradeceu a “todos” os que apelaram às autoridades russas para que devolvessem o corpo de Navalny à sua mãe, citado pela Associated Press.

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos

Como preparação para a segunda sessão do Sínodo

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos novidade

Os bispos católicos da Bélgica enviaram às dioceses e comunidades locais do seu país uma carta no dia 16 de fevereiro sugerindo a reflexão sobre dois temas ministeriais, a ordenação sacerdotal de homens casados e a instituição de mulheres diaconisas, como forma de preparação dos trabalhos da segunda sessão do Sínodo dos Bispos, que decorrerá em Roma em outubro próximo.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Cristo Cachorro, versão 2024

Cristo Cachorro, versão 2024 novidade

Invejo de morte a paixão que os cartazes da Semana Santa de Sevilha conseguem despertar. Os sevilhanos importam-se com a sua cidade, as festas e com a imagem que o cartaz projecta, se bem que com o seu quê de possessivo, mas bem melhor que a apatia. Não fossem frases como “É absolutamente uma vergonha e uma aberração” e as missas de desagravo e o quadro cartaz deste ano teria passado ao lado.

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

7MARGENS antecipa estudo

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This