Portugueses em balanço do encontro de Assis

A Economia de Francisco “não é uma utopia”. De regresso a Portugal, o desafio é pô-la em prática

| 27 Set 2022

portugueses na economia de francisco foto eof portugal

A delegação portuguesa em Assis. Foto © EoF Portugal.

 

“Não é uma utopia.” A frase, em letras garrafais, permaneceu durante largos minutos no ecrã gigante que servia de cenário ao palco do encontro A Economia de Francisco, enquanto o Papa Francisco, 85 anos, e Lilly Satidtanasarn, 14, assinavam um pacto pela nova economia, no sábado passado. Naquele momento, Rita, João, Leonor e Matheus sentiram exatamente o mesmo: a assinatura era de Lilly, mas todos os jovens naquela sala, incluindo eles próprios, estavam a assumir um enorme compromisso. E querem muito honrá-lo.

Rita Nascimento, gestora de projeto e aluna do programa de doutoramento em Sustentabilidade na Nova School of Business and Economics, e João Antunes, consultor na área de gestão, estratégia e recursos humanos, são dois dos 19 portugueses que participaram neste encontro que decorreu no final da semana passada. E contam ao 7MARGENS que já têm “uma série de ideias a fervilhar para pôr em prática” e estão ansiosos por contagiar outros com o “bichinho” da nova economia.

Casados, pais de 3 filhos, Rita e João arriscam dizer que o seu caminho n’A Economia de Francisco começou antes mesmo de saberem que o movimento existia. “Sobretudo desde que nasceram os miúdos, fomos impelidos a fazer algumas mudanças na nossa vida, em coisas práticas do dia a dia, nomeadamente na utilização de produtos sustentáveis”, explica Rita, 33. Um caminho que culminou na criação, durante a pandemia, de um pequeno negócio de venda online desses mesmos produtos, a Treedhis, e em que cada venda contribuía para a plantação de árvores em diferentes partes do mundo.

Agora, e também inspirados pela participação neste encontro, querem levar a marca mais longe e apostar sobretudo na educação e formação para, tal como ensinaram os seus filhos a serem mais amigos do ambiente e a cuidar da nossa “casa comum”, poderem ensinar muitas outras crianças.

portugueses na economia de francisco rita nascimento e joao antunes foto eof portugal

O casal João Antunes e Rita Nascimento quer apostar na formação dos mais jovens para o cuidado da “casa comum”. Foto © EoF Portugal.

 

Souberam da iniciativa do Papa e do encontro em Assis há apenas alguns meses, através da universidade onde Rita trabalha e estuda, e no início pensaram que seria algo “mais restrito”. “Viemos depois a perceber que não só iríamos aprender muito, como até poderíamos acrescentar alguma coisa com a nossa experiência”, explica João, de 35 anos.

“Somos católicos, temos formação na área da economia e gestão, fizemos ambos parte da AIESEC [a maior organização de estudantes do mundo] e, no fundo, encontrámos neste movimento uma forma de juntar duas dimensões muito importantes da nossa vida”, acrescenta Rita.

O mesmo pensou Leonor Távora, 36, religiosa das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, quando a irmã provincial da congregação lhe telefonou para convidá-la a juntar-se a este movimento. Licenciada em Economia e Gestão, trabalhou cinco anos como consultora num banco. Ao mesmo tempo, estava envolvida em vários projetos de voluntariado, e foi num deles que conheceu as Escravas do Coração de Jesus e o trabalho que elas desenvolviam no Bairro da Fonte da Prata (na Moita). Ali, começou por dar aulas de português a estrangeiros que acabavam de chegar ao nosso país e acompanhou alguns moradores nas dificuldades que tinham com os seus pequenos negócios. “Fui-me apaixonando pelas pessoas daquele bairro e pela missão das irmãs… E a maneira que encontrei de responder a tanto amor que recebia, e ao meu desejo de me aproximar mais de Deus, foi a de viver em comunidade e dedicar a minha vida ao serviço dos outros como Escrava”, justifica.

Depois de ter entrado para a congregação, propuseram-lhe que fosse estudar Teologia e Filosofia para Paris, na universidade dos jesuítas, de modo a ficar melhor preparada “para acompanhar as pessoas espiritualmente, e ajudá-las a encontrar um sentido para as suas vidas”. Foi , assim, quando estava em França (mais propriamente em Taizé), que recebeu o convite para participar na Economia de Francisco. “Para mim, foi como um presente, porque já muitas vezes tinha procurado ligar a Fé ao trabalho como economista e nem sempre tinha sido fácil”, refere a irmã Leonor.

Uns meses depois, surgia a pandemia de covid-19, obrigando a adiar o encontro global da Economia de Francisco, e a substituí-lo por encontros online. “Eu estava tão ocupada nos estudos que achei que a minha colaboração com o movimento poderia ser mais a nível da investigação”, recorda Leonor. “Então, fui estudar João Crisóstomo, considerado o fundador da Doutrina Social da Igreja e tentar perceber como é que este homem poderia iluminar o nosso tempo, ele que nas suas homilias falava tanto de esmola, e convidava a ajudar os mais pobres e a nunca se separar deles.”

Um convite que o Papa Francisco renovou durante o encontro em Assis, no seu discurso aos jovens. “Uma frase que ficou mesmo a ressoar em mim foi precisamente a de que A Economia de Francisco não existe se os pobres não estiverem no centro”, refere Leonor Távora. “E nesse sentido, dado o contexto em que vivemos, avizinha-se um ano difícil, por isso o desafio agora é sobretudo estar atenta.”

Leonor tem também a grande responsabilidade de partilhar com as restantes irmãs de toda a província da Europa Atlântica (que inclui Portugal, Inglaterra, França e Irlanda) aquilo que viu e ouviu. “Sendo nós uma congregação, muito da Economia de Francisco já o vivemos, é verdade, mas há sempre algum passo mais que pode ser dado, e é isso que agora nos cabe também descobrir, nós que temos contactos com tantos jovens e famílias em 24 países do mundo, vários edifícios, dinheiro no banco… ”

E o melhor é que “ninguém está sozinho” e neste encontro Leonor percebeu isso claramente. “O estar com as pessoas que até agora só tínhamos conhecido virtualmente, poder conhecê-las, tocar-lhes… ajudou-me a perceber que isto é real. E cada um de nós pode contar com esta rede que se criou”, refere.

Matheus Belucio, 29 anos, concorda. Há seis anos a viver em Portugal, este brasileiro com ascendência madeirense é aluno do doutoramento em Economia na Universidade de Évora e investigador da Economy of Francesco Academy,

Matheus está a estudar o impacto da economia no turismo religioso católico e a influência da caridade na ecoeficiência dos países e, neste encontro, teve oportunidade de encontrar-se presencialmente pela primeira vez com o investigador “sénior” que está a orientar o seu trabalho da academia e ouvir as suas “preciosas sugestões”.

Mas houve outro encontro que o marcou particularmente. É que, enquanto Francisco e Lilly assinavam  o pacto pela nova economia, Matheus estava a pouco mais de um metro de distância. Ele foi um dos selecionados para ocupar os lugares no palco, junto ao Papa, e teve oportunidade de cumprimentá-lo no final.

portugueses na economia de francisco matheus belucio papa francisco foto sala stampa vaticano

Matheus Belucio, brasileiro a estudar em Portugal (ao centro com a t-shirt da JMJ), foi um dos escolhidos para estar no palco com o Papa Francisco. Foto © Sala Stampa Vaticano.

 

“Este encontro pessoal marcou-me muito, não tenho palavras para descrever o que senti. Foi incrível o sorriso com que o Papa me acolheu, surpreendido quando lhe disse que era brasileiro… porque eu levava uma t-shirt da JMJ Lisboa 2023!”.

Francisco ofereceu a cada jovem que estava no palco um terço benzido por si, e Matheus não foi exceção. Mas não vai guardá-lo para si. “No espírito d’A Economia de Francisco, vou levá-lo para a Comunidade Shalom a que eu pertencia no Brasil e encontrar forma de ele ficar lá exposto, para que outros jovens possam vê-lo e sentir-se inspirados como eu me sinto”, explica.

“Para quem acompanhou o movimento desde o início, percebo que o encontro do Papa tenha sido uma emoção ainda maior. Mas mesmo para nós, que chegámos há pouco tempo, foi uma emoção muito grande, e a confirmação de que isto é mesmo liderado pelo Papa e ele quer levar isto para a frente connosco”, afirma Rita. João completa: “E nós comprometemo-nos a ir à luta, a tentar mudar efetivamente alguma coisa”.

Até porque, sublinha Matheus, “todos somos agentes para mudar o mundo, e a nossa caridade, seja sob que forma for, vai ter impacto no planeta”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa novidade

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

O que têm dito os papas sobre a paz

Debate e oração no Rato, em Lisboa

O que têm dito os papas sobre a paz novidade

As mensagens dos Papas para o Dia Mundial da Paz é o tema da intervenção do padre Peter Stilwell neste sábado, 3 de Dezembro (Capela do Rato, em Lisboa, 19h), numa iniciativa integrada nas celebrações dos 50 anos da vigília de oração pela paz que teve lugar naquela capela, quando um grupo de católicos quis permanecer em oração durante 48 horas, em reflexão sobre a paz e contra a guerra colonial.

Ministro russo repudia declarações do Papa

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa novidade

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This