A escultura que incomoda a Praça de São Pedro

| 9 Dez 19 | Entre Margens, Últimas

Escultura “Anjo Inconsciente”: à frente, uma mulher grávida, ladeada por um judeu ortodoxo, uma muçulmana e uma criança: “um sinal profético”. Foto © António Marujo

 

A Praça de São Pedro, em Roma, é um dos lugares mais impressionantes do mundo. Quem sobe a Via della Conciliazione não pode deixar de se perguntar como, há quinhentos anos, o engenho humano foi capaz de tal empresa. Ali tudo é grande, faustoso, imponente. A cúpula que se ergue a 140 metros de altura, a fachada sumptuosa da basílica, a matemática harmoniosa das linhas retas e curvas, os braços da colunata de Bernini que querem abraçar todo o mundo que possa caber dentro da praça.

Foi aí, dentro desses braços que abraçam o mundo inteiro, que o Papa Francisco quis colocar um conjunto escultórico dedicado aos refugiados, o “anjo inconsciente”. De bronze e argila, representa uma embarcação com algumas dezenas de refugiados, tendo à frente uma mulher grávida ao lado de uma criança, de um judeu ortodoxo e de uma mulher muçulmana com o seu niqab. De perto, o conjunto parece imponente. De longe, dilui-se na grandeza indiferente da praça e da basílica. Mas está lá, bem visível, como uma pedra no sapato, a destoar do ambiente sagrado daquele espaço.

O pontificado de Francisco traduz em todos os modos a dimensão da misericórdia para com os mais pobres. E os mais pobres dos pobres, aqueles que só têm a roupa do corpo e os filhos ao colo, são os refugiados da guerra, da tirania, da fome. Já no século XIX a Igreja tinha esquecido, salvo raras exceções, a questão humanitária do proletariado (que também eram os que não tinham nada, a não ser a roupa do corpo e a prole). Acordou já tarde, com a Rerum Novarum, já essa luta tinha sido conquistada pelo marxismo. Agora não quer nem pode perder mais esta batalha humanitária. O futuro dirá dessa justiça.

É por isso que a iniciativa do Papa em colocar, no meio do coração da Igreja, esse memorial ao refugiado é um sinal profético. Está lá como trave diante dos olhos, ou melhor, como o pobre Lázaro da parábola. Lá dentro, na basílica, veste-se seda e linho fino, banqueteiam-se faustosamente rituais, é a mais imponente mansão. Mas à porta está o pobre Lázaro coberto de chagas. E, tal como foi a presença esquecida de Lázaro que condenou o homem rico, é também essa presença esquecida que pode condenar a consciência muitas vezes acomodada da Igreja.

O “Anjo Inconsciente” [do artista canadiano Timothy Schmalz] simboliza também essas hordas de milhões de refugiados que batem à porta da Europa ou já estão cá dentro, um fenómeno devastador a que o Velho Continente não soube dar resposta. Antes pelo contrário, optou mais uma vez por enterrar a cabeça na areia com a agravante de transformar o Mediterrâneo num enorme cemitério sob a Lua. Foi um espetáculo triste, mesquinho, ver, no Parlamento Europeu, a exultação dos eurodeputados que votaram contra o auxílio a embarcações de refugiados, porque, para eles, receber as embarcações é ajudar o tráfico de seres humanos. Muitos desses deputados eram católicos, talvez acérrimos defensores pró-vida na questão do aborto, mas que acham que a segurança e a paz podre da Europa são mais importantes que milhares de vidas, muitas delas crianças.

Francisco não tem meias medidas: “Eu desejei essa obra artística aqui na Praça São Pedro, para que recorde a todos o desafio evangélico do acolhimento”, afirmou. É certo que muitos ainda torcem o nariz àquela estátua profana no meio de tantas belezas santas que o Vaticano encerra. Parece uma profanação de terreno sagrado. Mas mais sagrado do que todas as obras de arte do Vaticano é o sangue dos inocentes que clama por justiça. A religião sem misericórdia não passa de uma mesquinha feira de vaidades.

A escultura está lá. Precisamente para incomodar.

Escultura “Anjo Inconsciente”, na Praça de São Pedro. Foto © António Marujo

 

Júlio Rocha é padre católico da diocese de Angra do Heroísmo (Açores) na Ilha Terceira e assistente da Comissão Diocesana Justiça e Paz. Contacto: josejuliorocha1968@gmail.com

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Centro cultural Brotéria já abriu no Bairro Alto, em Lisboa novidade

O novo centro cultural da Brotéria, revista dos jesuítas fundada em 1902 no Colégio São Fiel (Castelo Branco), abriu esta quinta-feira, em Lisboa, junto à Igreja de São Roque (Bairro Alto), mas o programa que assinala o facto prolonga-se nestes dois dias do fim-de-semana.

Vaticano ordena investigação a bispo por acusações de abuso sexual

O Vaticano ordenou uma investigação de alegações de abusos sexuais contra o bispo Brooklyn, Nicholas DiMarzio, que antes tinha sido nomeado pelo Papa Francisco para investigar a resposta da Igreja ao escândalo dos abusos sexuais cometidos por membros do clero na diocese de Buffalo.

Semana pela unidade dos cristãos com várias iniciativas

Várias iniciativas assinalam em Portugal a Semana de Oração pela Unidade os Cristãos, que se prolonga até ao próximo sábado, 25. Entre elas, uma oração ecuménica na igreja de Santo António dos Olivais decorre em Coimbra na sexta, 24, às 21h, com responsáveis de diferentes igrejas e comunidades.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Arte e Esperança novidade

Tenho tido a sorte de acompanhar, desde 2016, a apresentação dos Projetos Partis (Práticas Artísticas para a Inclusão Social) na Gulbenkian e em todos respiramos com emoção a frescura da criação artística onde os protagonistas são pessoas normalmente esquecidas por nós.

Cultura e artes

Cinema: À Porta da Eternidade

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

Que faz um homem com a sua consciência?

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Jan
31
Sex
III Congresso Lusófono de Ciência das Religiões – Religião, Ecologia e Natureza (até 5 de Fevº) @ Universidade Lusófona, Templo Hindu, Mesquita Central e Centro Ismaili
Jan 31@09:30_14:00

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco