Mostra na Biblioteca Nacional

“A ‘espantosa realidade’ da História” celebra a obra de José Mattoso

| 8 Jul 2024

José Mattoso, Metanoia

José Mattoso, em 2016: há “um antes e um depois” sobre vários temas do Portugal da Idade Média. Foto © António José Paulino

“Medievalista consagrado, é praticamente unânime considerar-se que existe um antes e um depois a partir da sua obra sobre a formação do reino português, sobre a História Social, Política, Cultural e Religiosa do Portugal da Idade Média”, lê-se na nota com que a Biblioteca Nacional divulga a mostra A ‘espantosa realidade’ da História que dedica ao historiador José Mattoso, assinalando um ano da sua morte (8 de julho de 2023).

A exposição é sobretudo uma mostra bibliográfica que “inclui alguns dos marcos mais relevantes de uma vasta obra” e permitirá rever, entre outras, a tese de licenciatura do historiador apresentada na Universidade de Lovaina (Bélgica) em 1966, sob o título L’Abbaye de Pendorada des Origines à 1160, e a tese de doutoramento Le Monachisme de la Diocèse de Porto de l’An Mille à 1200, também defendida em Lovaina.

Além das obras de José Mattoso dedicadas à história da fundação de Portugal, a exposição, que é inaugurada às 18h00 do dia 10 de julho e ficará patente até 12 de outubro, recorda também os contributos do historiador para a “reflexão acerca da disciplina que cultivou” e ainda sobre a Arquivística, “área a que deu igualmente grande atenção, sobretudo enquanto Presidente do Instituto Português de Arquivos (1988-1990), Director do Instituto Nacional dos Arquivos/Torre do Tombo (1996-1998) e na acção que desenvolveu durante a estadia em Timor Leste, com vista à criação do Arquivo Nacional daquele jovem país”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Onde estão as mulheres na música litúrgica católica?

Onde estão as mulheres na música litúrgica católica? novidade

Na música, um dos ministérios mais estruturantes da liturgia católica, este paradigma mantém-se, embora com nuances particulares: salvo algumas (felizmente, cada vez mais) exceções, o ministério do canto, domingo a domingo, é, em Portugal, sustentado maioritariamente por mulheres e a regência dos coros é, preferencialmente, entregue a homens

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This