A esperança é uma coisa perigosa

| 10 Mar 20

Imagem do filme “1917”, de Sam Mendes

 

O título deste breve comentário ao filme 1917, de Sam Mendes, é uma frase dita, já quase no final, pelo general Mackenzie quando recebe – desiludido? – a informação para cancelar o ataque programado às linhas alemãs que, aparentemente, se tinham retirado. Afinal, tratava-se de uma cilada, descoberta a tempo pelo general Erinmore, sendo que o tempo para fazer chegar essa mensagem que salvaria 1600 homens de morrerem ingloriamente era o bem mais escasso. Mas era preciso arriscar, contra o tempo e contra todas as probabilidades de sucesso.

1917 é, então, essa corrida contra o tempo e contra todas as adversidades confiada a dois soldados-cabos (Schofield e Blake), que terão de atravessar a chamada zona de ninguém, praticamente em campo aberto, onde ficou um rasto de destruição e de morte, onde só resta o vazio, o horror e o medo, até chegar aos batalhão dos Devons, pronto para o tal ataque que seria um suicídio.

Ao longo de duas horas, naquilo que muitos apontam como um único plano-sequência, ou plano contínuo, entre a primeira imagem dos dois cabos que descansam, encostados a uma árvore, numa paisagem primaveril e a última imagem do cabo Schofield, sozinho, encostado a uma árvore, de novo entre erva e flores, o filme, quase hipnoticamente, faz-nos mergulhar no cenário terrível e inútil da guerra. Uma viagem por dentro do vazio e da destruição que a guerra deixa atrás de si. É isso que o realizador nos oferece e nos conta, para nos fazer ver a sua absurda insensatez.

Com esse artifício do plano-sequência, a qualidade da fotografia e da filmagem, e também dos actores, Sam Mendes como que nos faz entrar e viver, realmente, aquela experiência-limite, quase fazendo-nos sentir o que Schofield e Blake sentem, sempre colados a eles, com o medo deles, a repugnância deles, a determinação deles, a atenção deles, a força deles.

Imagem do filme “1917”, de Sam Mendes

 

O filme ‘agarra-nos’ de tal maneira e tão intensamente que é como se também fôssemos ao lado deles, no coração das trevas. É, de facto, um filme muito intenso e muito belo, também porque se concentra sobretudo naqueles dois soldados sem importância, na sua missão impossível – mas que eles teimam em acreditar ser capazes de cumprir contra toda a esperança –, nas suas histórias banais e nos seus sonhos.

Por isso, me parecem tão importantes as cerejeiras e as suas flores, sinal de esperança e de nova vida, o salvar o piloto inimigo (que acabou por matar quem o salvou, o cabo Blake que não chegou ao fim da missão, ele que era quem mais acreditava que conseguiria fazê-lo), a ajuda de Schofield à mulher que encontra escondida no meio das ruínas com um bebé que nem era seu filho, aquele soldado que cantava uma bela e nostálgica canção popular inglesa para animar os seus companheiros prestes a entrar em combate, porque era também uma canção de esperança…

No meio de todo aquele cenário de morte e destruição, a mim, parecem-me que estes são momentos comoventes que não nos deixam perder a esperança e nos fazem continuar a acreditar na luz e na vida.

Nascido, antes de mais, a partir das histórias que o seu avô, Alfred Mendes, de origem madeirense – que combateu na Primeira Guerra Mundial, desempenhando precisamente missões semelhantes às de Blake e Schofield – contava ao realizador quando ele era criança, este filme, como sugeriu alguém, ‘já merece o Óscar, por nos fazer compreender que a guerra não tem nada de belo ou de heróico’.

 

1917, de Sam Mendes. Drama, Guerra. M/12. GN/EUA, 2019

 

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Esmoriz (Ovar); o texto foi inicialmente publicado na revista Mensageiro de Santo António, de Março de 2020.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Igreja Católica no Brasil critica decisões de Bolsonaro e diz que “sensato” é ficar em casa novidade

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro incluiu as atividades religiosas na lista das atividades consideradas essenciais e autorizadas a funcionar no país durante o estado de emergência provocado pela pandemia de covid-19. Mas a Igreja Católica reagiu contra o decreto publicado quarta-feira, 26, reiterando os apelos para que todos permaneçam em casa e mantendo a suspensão das celebrações religiosas com presença de fiéis.

Semana Santa sem povo é para evitar o contágio e não a fé, diz responsável do Vaticano novidade

A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos publicou um decreto com as normas a seguir nas celebrações da Semana Santa (que se inicia no Domingo de Ramos e termina no Domingo de Páscoa), dirigido aos países afetados pela pandemia de covid-19 onde estão em vigor medidas de isolamento social. Os bispos e sacerdotes deverão celebrar os ritos sem a participação dos fiéis, evitar as concelebrações, e omitir alguns momentos específicos, nomeadamente o abraço da paz e a procissão do Domingo de Ramos.

Coronavírus nos campos de refugiados Rohingya será “um novo massacre”

Com a chegada da pandemia de covid-19 ao Bangladesh, o líder da comunidade Rohyngia, Mohammad Jubayer, teme que esta alastre no campo de refugiados do sul do país, o maior do mundo, onde vive quase um milhão de pessoas. Será como “um novo massacre, muito maior do que o que aconteceu em 2017”, quando esta minoria muçulmana fugiu da perseguição na Birmânia, alertaram grupos de ativistas, em declarações à AFP.

PAR alerta para tragédia nos campos de refugiados e pede intervenção junto da Grécia

Mais de 40 organizações humanitárias, entre as quais a Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR) e o Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS), pediram já ao Governo grego que, em coordenação com as instituições europeias, “tome as medidas de saúde públicas necessárias” para proteger “todos os residentes” nos campos de refugiados nas ilhas gregas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Uma experiência de sinodalidade – a Igreja Católica no Terceiro Milénio novidade

Há dias, chamou-me à atenção, no 7MARGENS, um artigo intitulado Um sínodo sobre a sinodalidade para dar eficácia à ideia de participação. Li o artigo com entusiasmo, sobretudo, porque revivi a minha experiência de paroquiana numa igreja da cidade de Lisboa. Foram tempos de Alegria e Graça, os anos de 2000 a 2019, sob a “batuta” do padre e cónego Carlos Paes.

“Jesus chorou” novidade

Esta frase do capítulo 11 do Evangelho de São João (Jo.11,35), faz parte do episódio da ressurreição de Lázaro e remete para o momento em que Jesus se encontra com Maria, irmã de Lázaro.

Oração, cidadania e solidariedade contra a pandemia

Esta sexta-feira, às 17h (hora de Lisboa), o Papa volta a estar em oração a partir do adro da basílica de São Pedro, perante uma praça vazia, naquela que será seguramente uma das imagens mediáticas que registarão este período difícil da humanidade.

Cultura e artes

Júlio Martín, actor e encenador: O Teatro permite “calçar os sapatos do outro”

O actor e encenador Júlio Martín diz que o teatro permite fazer a experiência de “calçar os sapatos do outro”, mantém uma conversa em aberto e, tal como a religião, “faz religar e reler”. E permite ainda fazer a “experiência de calçar os sapatos do outro, como os americanos dizem; sair de mim e estar no lugar do outro, na vida do outro, como ele pensa ou sente”, afirma, em entrevista à agência Ecclesia.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

“Louvor da Terra”, um jardim para cuidar

O filósofo sul-coreano (radicado na Alemanha) Byung-Chul Han é já conhecido do público português através da publicação de numerosos dos seus diretos e incisivos ensaios, onde a presença da pessoa numa sociedade híper-digitalizada é refletida e colocada em questão. Agora, em “Louvor da Terra”, possibilita-nos uma abordagem diferente e original, fruto da experiência do autor com o trabalho de jardinagem.

“A Banda Que Tocou fora da Graça de Deus”

Ao completar trinta anos de vida literária (1989-2019), António Breda Carvalho brinda-nos com um novo romance, que abre com um importante prefácio de Silas Granjo, neto do fundador da Banda, onde se enumeram as peripécias de um conflito que a opôs aos representantes da Igreja Católica entre 1922 (início da excomunhão) e 1939 (fim do interdito).

Sete Partidas

Um refúgio na partida novidade

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco