A espiritualidade terá escapado à pastoral?

| 11 Mar 20

“A espiritualidade terá escapado à pastoral?” é a pergunta forte da teóloga canadiana Pierrette Daviau. Talvez seja verdade que a ação pastoral da Igreja que marcou o pós-Concílio em Portugal olhou com suspeita – e até com alguma rudeza – para âmbitos mais litúrgicos e espirituais. Depois de um certo experimentalismo reformador, tendo-se percorrido uma pastoral mais da ordem do “fazer”, talvez tenhamos olhado mais para a definição de conteúdos de fé, para um conjunto de regras morais e para a organização da nossa pastoral como resposta a inúmeras solicitações.

Passados mais de 50 anos do fim do Concílio Vaticano II, sentimo-nos como que no meio de uma espécie de crise que coloca em evidência uma carência óbvia que se expressa numa certa sede de espiritualidade. A espiritualidade está na moda, faz sucessos de vendas em livrarias, centenas de jovens encontram em Taizé um frescor contraditório na comunhão e no silêncio e existe um certo fascínio pelo Oriente e as suas filosofias e religiões. Os cristãos procuram fora das comunidades paroquiais um caminho espiritual para a vida, seja através de propostas de movimentos ou congregações religiosas, ou em propostas de centros de espiritualidade que, normalmente, nem são de programação diocesana. Não poucas vezes, uma certa cultura new age torna-se mais atrativa na forma e nos conteúdos, aparentemente com uma proposta mais assertiva para a vida desta Casa Comum e das pessoas.

Diante de uma certa carência espiritual, onde a catequese tem dificuldade em gerar um encontro vital, em que a liturgia tem dificuldade em ser celebração ativa e participativa da comunidade, em que o agir real nas opções de vida se distanciam de uma moral cristã, em que diante de realidades de vida se responde mais com regras e leis, em que a oração ainda é mais de fórmulas que de coração, em que os pastores ainda são mais dirigentes que acompanhantes de processos… será possível uma pastoral diferente?

O Papa Francisco faz, na exortação A alegria do Evangelhoum convite claro a que todo o cristão renove o encontro pessoal com Jesus Cristo (nº 3), desafiando a uma “conversão pastoral e missionária” (nº 25) que não pode deixar as coisas como estão e que ultrapasse a simples administração. O Papa também identifica esta dificuldade que se expressa numa tensão entre o espírito e a instituição, entre fechamento-sobre-nós-mesmos e atitude missionária. Não é por acaso que a exortação Alegrai-vos e Exultai procura dar o lugar primeiro e fundamental à espiritualidade que faz brotar no cristão o apelo à santidade no mundo atual.

No “hoje” da vida das comunidades necessitamos de aprofundar caminhos de uma autêntica, séria e profunda “espiritualidade pastoral”. A ligação fundamental entre crer, celebrar e viver é o apelo fundamental que talvez hoje só possa ser harmonizada numa conversão espiritual da nossa pastoral. Levar ao entendimento que a liturgia é princípio e cume da vida da Igreja porque é oração da Igreja e dos crentes; procurar mais aquilo que brota do silêncio e do encontro vital com Cristo que das religiosidades populares do espetáculo; viver a catequese mais como itinerário de fé para a vida e não tanto como um fardo de anos a suportar(mos); acolher o sacerdote no seu ministério mais como pastor que acompanha, aponta, guia e conduz do que o coordenador de ações ou diretor de estruturas; viver cristãmente a comunidade como comunhão a partir do que se celebra e se testemunha na caridade.

Necessitamos de viver uma espiritualidade pastoral que faça transparecer Deus na vida das comunidades e, só assim, estas se tornam verdadeiramente evangelizadoras. Propor a fé no mundo contemporâneo ou, no dizer de S. João Paulo II, viver uma “nova evangelização”, será sempre mais uma ação que brota do regresso às fontes da Fé do que uma técnica. A pastoral ter-se-á tornado uma técnica com receitas mais ou menos generalistas, mas desprovida de vida. Torna-se necessário propor Deus de uma forma atrativa, mas também experiencial, só possível numa espécie de pedagogia da iniciação que, em primeiro lugar, desenvolve uma abertura espiritual capaz de acolher um caminho de fé e santidade.

Vai sendo tempo de reaprendermos o caminho da espiritualidade pastoral, como alma da vida das comunidades cristãs.

 

João Alves é padre católico da diocese de Aveiro e pároco da paróquia da Vera-Cruz

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Durante esta semana, estudantes e movimento associativo de Fafe debatem o impacto do confinamento na cidadania e na justiça. A Semana Online dos Clubes Terra Justa é assinalada em conferências, trabalhos e exposições, com transmissão exclusiva pela internet. Entre as várias iniciativas, contam-se as conversas com alunos do 7º ao 12º ano, constituídos como Clubes Terra Justa dos vários agrupamentos de escolas de Fafe.

É notícia

Entre margens

De joelhos os grandes sistemas económicos novidade

Mas – dizem –, se existem catástrofes na economia motivada por um vírus exponencial, a “mão humana” lá está para dar alento a esta tempestade. E essa tem um “confinamento” suave, porque quem sofre são os trabalhadores mais vulneráveis, os informais, os pobres, as mulheres, as pessoas de cor, os migrantes e os refugiados. A violência doméstica aumenta, os direitos humanos são atrofiados e a indústria privada farmacêutica e o seu sistema de patentes é orientada para lucros inconcebíveis, em que a defesa da dignidade das mulheres e dos homens é colocada em causa.

O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente

Presumir a virtude do sujeito que detém o poder é, para além de naïf, algo injusto. Expor qualquer pessoa à possibilidade do poder sem limites (ainda que entendido como serviço) é deixá-la desamparada nas múltiplas decisões que tem de tomar com repercussões não só em si mesma, mas igualmente em terceiros. E também, obviamente, muito mais vulnerável para ceder a pressões, incluindo as da sua própria fragilidade.

Economista social ou socioeconomista?

Em 2014, a revista Povos e Culturas, da Universidade Católica Portuguesa, dedicou um número especial a “Os católicos e o 25 de Abril”. Entre os vários testemunhos figura um que intitulei: “25 de Abril: Católicos nas contingências do pleno emprego”. No artigo consideram-se especialmente o dr. João Pereira de Moura e outros profissionais dos organismos por ele dirigidos; o realce do “pleno emprego”, quantitativo e qualitativo, resulta do facto de este constituir um dos grandes objetivos que os unia.

Cultura e artes

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir” novidade

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano novidade

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Morreu João de Almeida, renovador da arquitectura religiosa em Portugal

Em Maio de 2015, manifestava-se, em entrevista ao Expresso um homem “cem por cento contente com a vida”. O arquitecto e pintor João de Almeida, fundador do Movimento de Renovação da Arte Religiosa (MRAR) morreu na segunda-feira, em Lisboa, aos 92 anos. O seu funeral e cremação será esta quarta, 24 de Junho, às 17h, no cemitério do Alto de São João.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco