Jornalistas à conversa

A experiência na guerra e a repressão na Rússia 

| 10 Mar 2022

Presidente ucraniano acompanhado de uma jornalista, numa fotografia de arquivo, de junho de 2021, numa visita à região de Donetsk, hoje nas mãos de separatistas. Foto © President.gov.ua, CC BY 4.0 <https://creativecommons.org/licenses/by/4.0>, via Wikimedia Commons

Presidente ucraniano acompanhado de uma jornalista, numa fotografia de arquivo, de junho de 2021, numa visita à região de Donetsk, hoje nas mãos de separatistas. Foto © President.gov.ua, CC BY 4.0, via Wikimedia Commons

 

Jornalistas que estiveram muito recentemente na Ucrânia vão estar à conversa sobre “a sua experiência nesta guerra da qual falamos todos os dias”.

O encontro está marcado para esta sexta-feira, dia 11, pelas 18h30, na sede do Clube de Jornalistas, em Lisboa, e conta com a moderação de José Pedro Castanheira, e a intervenção dos repórteres Cândida Pinto (RTP), Iryna Shev (SIC), Nuno Quá (TVI) e Pedro Caldeira Rodrigues (Lusa).

A Amnistia Internacional (AI) denunciou, entretanto, uma “repressão sem precedentes” na Rússia contra o jornalismo e o movimento antiguerra. 

Em comunicado, a organização de defesa dos direitos humanos alerta para o bloqueio aos meios de comunicação independentes, a privação do acesso a informação imparcial, a fuga de jornalistas do país, a proibição da utilização do termo “guerra”, a introdução de nova legislação opressora e a repressão implacável sobre manifestações contra a guerra.

Segundo a AI, pelo menos 150 jornalistas já deixaram o país e, desde 24 de fevereiro, data da invasão da Ucrânia pela Rússia, mais de 13800 pessoas foram detidas em protestos antiguerra. 

 

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa novidade

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim

Testemunho de uma vítima

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim novidade

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes

Contributos para o Sínodo (25)

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes novidade

Organizar iniciativas de diálogo com não-crentes e crentes de outras religiões, abrindo a Igreja à sociedade e fazendo dela um motor do progresso social e da comunhão humana; assumir a dimensão da Sinodalidade como verdadeira abertura ao século XXI; e promover o encontro entre a ciência e a espiritualidade, sempre possível, cria pontes da Igreja com as instituições de Ensino Superior – estas são algumas das propostas da comunidade da Capelania da Universidade de Coimbra, em resposta à maior auscultação alguma vez feita à escala planetária, lançada pelo Papa Francisco, para preparar a assembleia do Sínodo dos Bispos de 2023.

A “nuvem escura que nunca larga” as vítimas de abusos sexuais

338 casos já validados

A “nuvem escura que nunca larga” as vítimas de abusos sexuais novidade

17 casos já entregues ao Ministério Público, todos de padres que podem estar ainda no activo; 338 testemunhos validados, com um peso importante de situações ocorridas no confessionário. Uma maioria de vítimas que, ainda assim, continua a considerar-se como católica. Após quase seis meses de trabalho, a Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa fez um novo balanço. E apresentou três depoimentos de vítimas que querem ajudar a que outras como elas também falem e que pedem à Igreja um gesto de reparação.

Lápide gaélica foi proibida num cemitério inglês — e ganhámos uma bela canção

Novo disco dos Fontaines D.C.

Lápide gaélica foi proibida num cemitério inglês — e ganhámos uma bela canção novidade

A Igreja de Inglaterra proibiu uma inscrição em irlandês numa lápide fúnebre, em Coventry, argumentando que a frase teria de ser traduzida para inglês para que as pessoas não a confundissem com uma declaração política. A família de Margaret Keane foi para tribunal e ganhou – e os irlandeses Fontaines D.C. fizeram desta história uma belíssima canção.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This