A fábula dos bons e dos maus

| 27 Jan 21

 Depois da cacofonia da noite de domingo passado convém começar por lembrar que só há um vencedor destas presidenciais: Marcelo Rebelo de Sousa, que foi reeleito à primeira volta com vitória esmagadora em todos os distritos e regiões autónomas do país.

Cópia de relatorio caritas internacionalis 2019

Foto: Capa do relatório anual 2019 da Cáritas Internacional, fotos de migrantes de todo o mundo. “Como Portugal não tem um problema com os imigrantes, inventou uma retórica paralela com a comunidade cigana”

 

De facto, estas eleições são unipessoais e todas as ilações e projecções que se retirarem para o campo partidário são arriscadas. Bem sei que os comentadores não resistem a tal e os líderes partidários ainda menos. A maior parte dos partidos do sistema não foi a votos. Nem PS (que deu liberdade de voto), nem PSD (apesar de ser a família política de Marcelo ele fez uma campanha independente, tal como há cinco anos). Os únicos candidatos claramente associados a partidos foram o comunista João Ferreira, a bloquista Marisa Matias, o liberal Tiago Mayan Gonçalves e o extremista de direita, André Ventura.

Daí que o discurso de todos os líderes partidários não-candidatos tenha sido geralmente descolado da realidade, vendo vitórias onde não existem e derrotas alheias. O CDS clamou vitória quando o partido estava dividido e resistia a declarar o seu apoio ao candidato Marcelo. O PAN foi pelo mesmo caminho. A IL falava em “onda liberal” e o que se viu foi uma pequena brisa num mar chão. Aliás, este foi a grande flop das projecções à boca das urnas, que davam mais de 6% ao candidato quando, afinal ficou a discutir o último lugar com Vitorino Silva.

O mais delirante talvez tenha sido mesmo a declaração de Rui Rio que resolver rir e cantar enquanto o seu barco se afunda cada vez mais. Atacar o PCP no Alentejo é pouco sério pois Ventura ficou igual ou melhor colocado nos círculos eleitorais do interior Norte e Centro do país, que votam tradicionalmente PSD e CDS, como são os casos de Viseu, Vila Real e Bragança. O país mais pobre e isolado é que se deixou encantar em parte pela retórica inconsequente do candidato populista como forma de protesto pelo esquecimento a que se vê votado.

A insistência do Bloco na candidatura de Marisa Matias foi um erro estando Ana Gomes na corrida e a desta foi um grande equívoco, a partir duma justificação pífia. Mas se quisermos extrapolar para o espectro partidário, o único que não falou foi o que venceu politicamente esta batalha: António Costa, que apoiou a reeleição de Marcelo.

Porém, o caso de Ventura é grave. O Chega! ainda tentou ensaiar uma tirada trumpista alegando fraude eleitoral com o voto antecipado, embora tenha deixado cair a tese rapidamente. Depois temos a tentativa descarada de enganar os eleitores com o caso do falso cigano e falso apoiante de Bragança, empurrado para a frente das televisões. Ventura é um indivíduo sem palavra, que tanto diz uma coisa como o seu contrário, xenófobo, racista e misógino, em cujo programa partidário consta a intenção de acabar com a saúde e a educação públicas, que dá guarida no partido a caciques, alegados foragidos da justiça e bombistas do PREC [Processo Revolucionário em Curso, de 1975], que insulta constantemente os adversários políticos (mesmo os que não concorrem contra ele, como Jerónimo de Sousa, a quem comparou a um bêbado), mas que tem feito as delícias da imprensa.

É alguém que acha normal a prisão perpétua, e até cortar as mãos aos ladrões como disse no debate com Ana Gomes, e está num partido no qual boa parte considera normal punir as mulheres que abortam com a retirada compulsiva dos ovários e castrar física ou quimicamente os violadores.

Como Portugal não tem um problema com os imigrantes, inventou uma retórica paralela com a comunidade cigana, a partir do discurso da subsidiodependência, a ponto de querer acantoná-los, tipo gueto de Varsóvia nos dias do nazismo. É alguém que diz declaradamente, à boa maneira populista, não querer ser presidente de todos os portugueses mas apenas dos portugueses “de bem”, seja lá o que isso for.

Esta campanha foi fértil em incidentes. Preocupado com o nível de abstenção que se temia, Ferro Rodrigues fez um apelo ao voto, em véspera de eleições, mas duma forma patética, dizendo ser uma arma contra o vírus. Toda a gente lhe caiu em cima e bem. Mas Ventura disse exactamente o mesmo ao exercer o seu direito de voto (“a arma que temos de usar” contra a pandemia é o voto) e ninguém se incomodou com isso. No fundo já se começa a ser indiferente ao que diz Ventura, vistas as alarvidades constantes do seu discurso.

Como muito bem sugeriu Marcelo, o governo deve rever a lei eleitoral e a constituição desde já. Há que admitir o voto por correspondência, reforçar o voto antecipado, e permitir que uma eleição possa ser adiada em caso de calamidade como a que estamos a viver. Mas deviam aproveitar para acabar com o chamado dia de reflexão, que é politicamente pré-histórico, e considerar um mandato único de sete anos para Belém, de modo a deixar de transformar os primeiros mandatos em campanha permanente para a reeleição.

Feitas as contas quem ganhou foi o país, a partir do momento em que Marcelo declara que será presidente de todos os portugueses, para quem não há bons nem maus, contra a retórica divisionista e fascizante de Ventura.

E agora, voltemos ao combate à pandemia.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona, coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo e director da revista teológica Ad Aeternum; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

O segundo apagamento de Aristides

Comentário

O segundo apagamento de Aristides novidade

“Mesmo que me destituam, só posso agir como cristão, como me dita a minha consciência; se estou a desobedecer a ordens, prefiro estar com Deus contra os homens do que com os homens contra Deus.” Esta afirmação de Aristides de Sousa Mendes, cônsul de Portugal em Bordéus em 1940, confirmada por muitas outras de cariz semelhante, mostra bem qual foi o fundamento para a sua decisão de, contra as ordens expressas de Salazar, conceder indiscriminadamente vistos de passagem a milhares de pessoas em fuga do terror nazi.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Vaticano

Mundo não pode ignorar sofrimento de haitianos novidade

O mundo não pode mais ignorar o sofrimento do povo do Haiti, uma ilha que há séculos é explorada e pilhada por nações mais ricas, apontou o arcebispo Vincenzo Paglia, presidente da Pontifícia Academia para a Vida. “O grito de ajuda de uma nação não pode passar despercebido, especialmente pela Europa.”

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This