A fábula dos bons e dos maus

| 27 Jan 21

 Depois da cacofonia da noite de domingo passado convém começar por lembrar que só há um vencedor destas presidenciais: Marcelo Rebelo de Sousa, que foi reeleito à primeira volta com vitória esmagadora em todos os distritos e regiões autónomas do país.

Cópia de relatorio caritas internacionalis 2019

Foto: Capa do relatório anual 2019 da Cáritas Internacional, fotos de migrantes de todo o mundo. “Como Portugal não tem um problema com os imigrantes, inventou uma retórica paralela com a comunidade cigana”

 

De facto, estas eleições são unipessoais e todas as ilações e projecções que se retirarem para o campo partidário são arriscadas. Bem sei que os comentadores não resistem a tal e os líderes partidários ainda menos. A maior parte dos partidos do sistema não foi a votos. Nem PS (que deu liberdade de voto), nem PSD (apesar de ser a família política de Marcelo ele fez uma campanha independente, tal como há cinco anos). Os únicos candidatos claramente associados a partidos foram o comunista João Ferreira, a bloquista Marisa Matias, o liberal Tiago Mayan Gonçalves e o extremista de direita, André Ventura.

Daí que o discurso de todos os líderes partidários não-candidatos tenha sido geralmente descolado da realidade, vendo vitórias onde não existem e derrotas alheias. O CDS clamou vitória quando o partido estava dividido e resistia a declarar o seu apoio ao candidato Marcelo. O PAN foi pelo mesmo caminho. A IL falava em “onda liberal” e o que se viu foi uma pequena brisa num mar chão. Aliás, este foi a grande flop das projecções à boca das urnas, que davam mais de 6% ao candidato quando, afinal ficou a discutir o último lugar com Vitorino Silva.

O mais delirante talvez tenha sido mesmo a declaração de Rui Rio que resolver rir e cantar enquanto o seu barco se afunda cada vez mais. Atacar o PCP no Alentejo é pouco sério pois Ventura ficou igual ou melhor colocado nos círculos eleitorais do interior Norte e Centro do país, que votam tradicionalmente PSD e CDS, como são os casos de Viseu, Vila Real e Bragança. O país mais pobre e isolado é que se deixou encantar em parte pela retórica inconsequente do candidato populista como forma de protesto pelo esquecimento a que se vê votado.

A insistência do Bloco na candidatura de Marisa Matias foi um erro estando Ana Gomes na corrida e a desta foi um grande equívoco, a partir duma justificação pífia. Mas se quisermos extrapolar para o espectro partidário, o único que não falou foi o que venceu politicamente esta batalha: António Costa, que apoiou a reeleição de Marcelo.

Porém, o caso de Ventura é grave. O Chega! ainda tentou ensaiar uma tirada trumpista alegando fraude eleitoral com o voto antecipado, embora tenha deixado cair a tese rapidamente. Depois temos a tentativa descarada de enganar os eleitores com o caso do falso cigano e falso apoiante de Bragança, empurrado para a frente das televisões. Ventura é um indivíduo sem palavra, que tanto diz uma coisa como o seu contrário, xenófobo, racista e misógino, em cujo programa partidário consta a intenção de acabar com a saúde e a educação públicas, que dá guarida no partido a caciques, alegados foragidos da justiça e bombistas do PREC [Processo Revolucionário em Curso, de 1975], que insulta constantemente os adversários políticos (mesmo os que não concorrem contra ele, como Jerónimo de Sousa, a quem comparou a um bêbado), mas que tem feito as delícias da imprensa.

É alguém que acha normal a prisão perpétua, e até cortar as mãos aos ladrões como disse no debate com Ana Gomes, e está num partido no qual boa parte considera normal punir as mulheres que abortam com a retirada compulsiva dos ovários e castrar física ou quimicamente os violadores.

Como Portugal não tem um problema com os imigrantes, inventou uma retórica paralela com a comunidade cigana, a partir do discurso da subsidiodependência, a ponto de querer acantoná-los, tipo gueto de Varsóvia nos dias do nazismo. É alguém que diz declaradamente, à boa maneira populista, não querer ser presidente de todos os portugueses mas apenas dos portugueses “de bem”, seja lá o que isso for.

Esta campanha foi fértil em incidentes. Preocupado com o nível de abstenção que se temia, Ferro Rodrigues fez um apelo ao voto, em véspera de eleições, mas duma forma patética, dizendo ser uma arma contra o vírus. Toda a gente lhe caiu em cima e bem. Mas Ventura disse exactamente o mesmo ao exercer o seu direito de voto (“a arma que temos de usar” contra a pandemia é o voto) e ninguém se incomodou com isso. No fundo já se começa a ser indiferente ao que diz Ventura, vistas as alarvidades constantes do seu discurso.

Como muito bem sugeriu Marcelo, o governo deve rever a lei eleitoral e a constituição desde já. Há que admitir o voto por correspondência, reforçar o voto antecipado, e permitir que uma eleição possa ser adiada em caso de calamidade como a que estamos a viver. Mas deviam aproveitar para acabar com o chamado dia de reflexão, que é politicamente pré-histórico, e considerar um mandato único de sete anos para Belém, de modo a deixar de transformar os primeiros mandatos em campanha permanente para a reeleição.

Feitas as contas quem ganhou foi o país, a partir do momento em que Marcelo declara que será presidente de todos os portugueses, para quem não há bons nem maus, contra a retórica divisionista e fascizante de Ventura.

E agora, voltemos ao combate à pandemia.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona, coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo e director da revista teológica Ad Aeternum; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

AstraZeneca: fundos públicos financiaram vacina em 97%?

AstraZeneca: fundos públicos financiaram vacina em 97%?

Fundos públicos com diversas origens financiaram pelo menos 97% dos custos de investigação e desenvolvimento que permitiram a criação e o lançamento da vacina anti-covid-19 do grupo Oxford/AstraZeneca. A conclusão faz parte de um estudo, publicado a 10 de abril, por investigadores da Universities Allied for Essential Medicines, ainda não sujeito a qualquer revisão por outros cientistas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Mãos à obra (6) – Ferraria de São João: Fazer acontecer

Mãos à obra (6) – Ferraria de São João: Fazer acontecer

Desta vez, pela mão de Ana Sofia Soeiro, fomos até à aldeia de Ferraria de São João, concelho de Penela. Inserida na rede de “Aldeias do Xisto”, com uma população residente de cerca de 50 pessoas, alguns adolescentes e crianças, as gentes da terra, com o apoio da Associação de Moradores, decidiram fazer acontecer. E agora, outras gentes em outros lugares, lhes seguem as pisadas. Assim se exerce a cidadania.

Breves

Seminário de Coimbra assinala Dia Internacional dos Monumentos e Sítios com direto na cúpula da igreja novidade

Uma conversa em cima do andaime montado na cúpula da igreja do Seminário Maior de Coimbra irá juntar, no próximo dia 19 de abril, pelas 18h, o padre Nuno Santos, reitor da instituição, e Luís Aguiar Campos, coordenador do projeto de conservação e restauro do seminário. A iniciativa pretende assinalar o Dia Mundial dos Monumentos e Sítios (que se celebra domingo, 18) e será transmitida em direto no Facebook.

Vaticano saúda muçulmanos no Ramadão novidade

O Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso, da Santa Sé, enviou uma mensagem aos muçulmanos de todo o mundo, por ocasião do início do Ramadão, convidando todos os crentes a serem “construtores e reparadores” da esperança.

China quer que clérigos tenham amor pelo Partido Comunista

Novo decreto governamental é “mais uma medida totalitária para limitar a liberdade religiosa”, acusa organização de direitos humanso. O decreto aplica-se a todas as religiões, ou seja, lamas budistas, clérigos cristãos, imãs muçulmanos e outros líderes religiosos.

Aumentar valor das prestações sociais, sugere Pedroso nos 25 anos do RSI

O valor das prestações sociais como o Rendimento Social de Inserção (RSI) deveria aumentar, pois já não responde às necessidades das pessoas mais vulneráveis. A ideia é defendida por Paulo Pedroso, que foi o principal responsável pela comissão que estudou o modelo de criação do então Rendimento Mínimo Garantido (RMN).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Francisco corta 10% nos salários dos cardeais

O Papa Francisco emitiu um decreto determinando um corte de 10% nos salários dos cardeais, bem como a redução de pagamento a outros religiosos que trabalham na Santa Sé, com efeitos a partir de 1 de abril, divulgou o Vaticano esta quarta-feira, 24 de março. A medida, que não afeta os funcionários com salários mais reduzidos, visa salvar os empregos no Vaticano, apesar da forte redução das receitas da Santa Sé, devido à pandemia de covid-19.

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Entre margens

Europa: um Pacto Ecológico para inglês ver? novidade

“O Pacto Ecológico Europeu é … uma nova estratégia de crescimento que visa transformar a UE numa sociedade equitativa e próspera, dotada de uma economia moderna, eficiente na utilização dos recursos e competitiva, que, em 2050, tenha zero emissões líquidas de gases com efeito de estufa e em que o crescimento económico esteja dissociado da utilização dos recursos.” (Pacto Ecológico)

Leprosários novidade

A mais recente Responsum ad dubium[1] da Congregação para a Doutrina da Fé relativa à bênção de uniões homossexuais tem feito correr rios de tinta. Se, por um lado, haja quem veja um retrocesso no caminho de inclusão delineado pelo Papa Francisco, outros encaram esta resposta como um travão necessário à prática de bênçãos a casais homossexuais, em total coerência com a linha da doutrina moral da Igreja.

Para condenar não me chamem

Após vinte e dois anos de trabalho dentro de uma prisão ainda me pergunto: que falta faz um padre na prisão? Talvez seja necessário responder antes a uma outra: para que serve a prisão? O sistema prisional devia ter dois objetivos fundamentais: proteger a sociedade de condutas criminosas e proporcionar aos reclusos uma hipótese de reabilitar as suas vidas.

Cultura e artes

A torrente musical de “Spem in Alium”, de Thomas Tallis

Uma “torrente musical verdadeiramente arrasadora”, de esperança pascal, diz o padre Arlindo Magalhães, comentador musical, padre da diocese do Porto e responsável da comunidade da Serra do Pilar (Gaia), a propósito da obra de Thomas Tallis Spem in Alium (algo que se pode traduzir como “esperança para lá de todas as ameaças”).

A Páscoa é sempre “pagã”

A Páscoa é sempre pagã / Porque nasce com a força da primavera / Entre as flores que nos cativam com promessas de frutos. / Porque cheira ao sol que brilha na chuva / E transforma a terra em páginas cultivadas / Donde nascem os grandes livros, os pensamentos / E as cidades que se firmam em pactos de paz.

50 Vozes para Daniel Faria

Daniel Faria o último grande poeta português do século XX, morreu há pouco mais de vinte anos. No sábado, dia 10, assinala-se o 50.º aniversário do seu nascimento. A Associação Casa Daniel assinala a efeméride com a iniciativa “50 Vozes para Daniel Faria” para evocar os poemas e a memória do poeta.

“Sequência da Páscoa: uma das mais belas histórias do mundo”

Sem poder ir ao cinema para poder falar de um novo filme que, entretanto, tivesse estreado, porque estamos em tempo de Páscoa e porque temos ainda viva diante dos olhos a profética peregrinação do Papa Francisco ao Iraque – que não pode ser esquecida, mas sempre lembrada e posta em prática – resolvi escrever (para mim, a primeira vez neste lugar) sobre um filme profundamente pascal e actual: Dos Homens e dos Deuses (é quase pecado não ter experimentado a comoção de vê-lo). E não fui o único a fazê-lo por estes dias.

Sete Partidas

É o vírus, estúpido!

No princípio da semana (22 março),  Angela Merkel reuniu com os ministros-presidentes dos estados alemães para tomar decisões sobre o que fazer perante o actual descontrolo da situação na Alemanha. As hesitações dos políticos e os truques que alguns responsáveis regionais arranjaram para iludir as regras combinadas por todos foram fatais para a luta contra a mutação inglesa. Esta terceira vaga está a ser ainda mais rápida e avassaladora do que já se temia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This