Livros

A fé cruzada com as porosidades humanas

| 11 Fev 2022

a arte de viver em deus timothy radcliffe Imagem capa

“O objeto deste livro é provar que é mais provável incitarmos os outros com a nossa fé se o Cristianismo for entendido como um convite a viver de uma forma plena.”

É possível propor um caminho de redescoberta das pistas da fé cristã após vinte séculos de história? Continua a experiência espiritual do Cristianismo a fazer sentido, a encontrar linguagens novas, a sentir uma frescura que lhe é emprestada quer do regresso às fontes, quer do diálogo com todas as expressões do humano – da arte à literatura, do cinema à poesia? É esse difícil trabalho que o dominicano inglês Timothy Radcliffe leva a cabo com grande maestria.

Este caminho ao longo das várias passagens da vida cristã – do sofrimento ao perdão, da transmissão da fé à celebração sacramental, da oração à esperança da ressurreição – é percorrido sob o signo da imaginação. A convivência numa sociedade marcada pelo excesso de imagens e estímulos apresenta aos cristãos o desafio de transpor a superficialidade, o soterrar as questões humanas fundamentais num ruído constante, o não saber escutar quer os pedidos de socorro à nossa volta, quer as pérolas de sabedoria que o quotidiano nos proporciona. O hábito de expor a fé cristã ao estilo de catecismo constitui uma pesada e empobrecedora herança nesta busca de uma imaginação cristã, isto é, de encontrar as imagens, estilos, narrativas e porosidades do quotidiano que entrecruzam a linguagem crente com as experiências humanas. A leitora ou o leitor que tiver a generosidade de dedicar o seu tempo a esta leitura, muito bem nutrida de citações e excertos literários, não deixará de encontrar um enriquecimento na perceção da sua história crente e pessoal.

“O objeto deste livro é provar que é mais provável incitarmos os outros com a nossa fé se o Cristianismo for entendido como um convite a viver de uma forma plena. A vida do seu fundador, o seu ensinamento moral, o perdão dos pecados, a doutrina da Igreja, a horrenda morte de Jesus – tudo isso se compreenderá de forma apropriada como a dádiva de vida abundante.”

 

A arte de viver em Deus, de Timothy Radcliffe
Edição: Paulinas, 2021
364 pág., 20,99 €

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This